NEGÓCIOS

Uma nova maneira de estimular a motivação no trabalho: menos controle e mais satisfação

Uma nova maneira de estimular a motivação no trabalho: menos controle e mais satisfação

|

Compartilhe esse texto: Email
Uma nova maneira de estimular a motivação no trabalho: menos controle e mais satisfação

Em “Motivação 3.0”, Daniel H. Pink analisa como a combinação punições e recompensas, tão comum no mundo corporativo, está defasada. Ele defende que o trabalho deve ser pautado por autonomia, excelência e propósito.

O mundo anunciado por “Motivação 3.0”, de Daniel H. Pink, se desprende das velhas fórmulas atreladas ao êxito profissional e aponta a autonomia, o prazer e o propósito como engrenagens mais potentes do sucesso. Não são opiniões fortuitas, jogadas aqui ao acaso, mas conclusões assertivas com base em dados científicos aprimorados ao longo dos anos. E, o melhor, distribuídas no livro numa escrita boa de acompanhar e fácil de entender, sempre amparada por iniciativas reais. O 3.0 do título faz justamente uma distinção ao que foi experimentado antes, o 2.0 e o 1.0 já chegamos a eles, ok? É, portanto, uma evolução, uma terceira etapa que suplanta o esquema de recompensas e punições (base do segundo degrau dessa escada). Pink, premiado autor de livros voltados para os negócios, explica a razão.

O que motiva você a fazer o que você faz

Mesmo com a embalagem empresarial, o livro provoca reflexões sobre nosso dia a dia, já que essas práticas estão muito próximas da maioria de nós.

Motivação é a palavra-chave aqui. O escritor lembra que, nos primórdios da civilização, o impulso de sobrevivência determinava nossas ações (é o que ele chama de sistema operacional 1.0). Basta pensar no homem primitivo e na necessidade de conseguir o próprio alimento. As transformações da sociedade, desdobradas nas transformações de homens e mulheres, fez nascer outro tipo de interação, incorporado no trabalho e assimilado na educação. Há um segundo impulso, para além dessa necessidade biológica. Ele explica o ideia-base: “Se fizessem o trabalho certo do jeito certo no momento certo, a máquina funcionaria com perfeição. E, para que isso ocorresse, bastava recompensar o comportamento desejado e punir o indesejado”. Não é difícil reconhecer a prática, essência da Motivação 2.0, ainda persistente no nosso cotidiano. Pink afirma que o modelo, embora sirva a alguns propósitos, não é confiável.

A partir de questionamento aos sistemas anteriores, o escritor lapida o 3.0, um modo mais arrojado de compreender e estimular a motivação. O fato de o trabalho ter se tornado potencialmente mais criativo e menos rotineiro ajuda a entender as complicações em torno do sistema 2.0, que “se baseia na crença de que o trabalho não é intrinsecamente agradável”. Daí a lógica de recompensas e punições ter se firmado. Era necessário estimular o profissional por meio de uma pressão constante em busca de resultados que, se alcançados, renderiam um suposto pote de ouro ao fim do arco-íris. A simples recompensa (gratificações, por exemplo) justificaria todo o árduo processo. No segundo capítulo, Pink se dedica a apresentar sete razões que explicam o fracasso do sistema 2.0 (entre elas, as possibilidade de sufocar a criatividade e de fomentar o pensamento de curto prazo) e, depois, as circunstâncias em que ele ainda funciona.

O que o 3.0 tem de tão especial?

Lá, obediência. Aqui, engajamento. Bem-vindo ao 3.0. São três os elementos principais que sustentam o sistema operacional, segundo o escritor. Retomo os conceitos grafados no primeiro parágrafo: autonomia, excelência e propósito.

Para Pink, a curiosidade e a autonomia fazem parte da nossa natureza básica e, por diversos motivos, a sobrevivência econômica das empresas ficou associada ao sufocamento dessa natureza. No futuro vislumbrado pelo autor, isso deve ficar para trás. “É preciso resistir à tentação de controlar as pessoas – e, em vez disso, fazer todo o possível para despertar a adormecida autonomia que temos enraizada em nós”. E esse papo nada tem a ver com forjar um modo de escapar da responsabilidade, ao contrário: A ideia de liberdade “presume que as pessoas querem ser responsáveis – e que um caminho para isso é lhes dar controle sobre sua tarefa, seu tempo, sua técnica e seu time”.

Aqui, volto à palavra engajamento, pois é ela que nos leva à excelência. Ao se pensar nas corporações, é evidente que o sucesso das organizações passa pela criação de ambientes favoráveis ao fluxo, nos quais o profissional tem consciência do que precisa fazer, gosta do que faz e tem rápido feedback sobre o que fez. Justamente por isso, segue uma estrada para “tornar-se melhor em algo que é importante”, conseguindo se desvencilhar das dificuldades. As noções de prazer e diversão estão ligadas a essa sensação, estimulando um elo com a criança que fomos um dia. “Elas [as crianças] usam o cérebro e o corpo para sondar e extrair feedback do ambiente, numa incessante busca pela excelência”. Podemos fazer o mesmo? Pink acha que sim.

O que equilibra a Motivação 3.0 é o propósito – um tema já explorado, por diversos vieses, em outros livros da editora. Como a conversa é rica e não cabe toda aqui, destaco a síntese de Pink ao realçar a importância do conceito: “Pessoas autônomas visando a excelência atuam em níveis altíssimos, mas aquelas que agem a serviço de um objetivo maior podem atingir ainda mais”. Isso significa, como o próprio autor aponta, que a motivação do lucro talvez não seja suficiente para sustentar empresas e carreiras por muito tempo. Está aqui a diferença fundamental entre o 2.0 e o 3.0. “A Motivação 2.0 está centrada na maximização do lucro; a Motivação 3.0 não rejeita os lucros, mas põe ênfase igual na maximização do propósito”. Ele nos lembra que foram os desejos e anseios pessoais os motores das grandes realizações da história.

Diante disso, é natural perguntar: apesar das evidências de sua limitação, por que a Motivação 2.0 ainda é tão presente na nossa sociedade, especialmente no trabalho?

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Tags: NEGÓCIOS
Livro

Daniel H. Pink

Autor de diversos livros sobre negócios e comportamento. Com títulos premiados e que geraram debates em todo o mundo, tem seu lugar garantido entre os principais pensadores da atualidade – um “guru do mercado de trabalho moderno”, segundo o jornal O Globo. Tem artigos publicados em veículos como Harvard Business ReviewFast Company e The New York Times, além de ter atuado, entre 1995 e 1997, como redator de discursos para o então vice-presidente americano Al Gore. Sua palestra no TED Talks está entre as mais vistas de todos os tempos. Pink mora com a esposa e os três filhos em Washington, DC.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

PUBLICADO EM 37 LÍNGUAS E UM DOS LIVROS MAIS VENDIDOS E INFLUENTES DOS ÚLTIMOS TEMPOS, MOTIVAÇÃO 3.0 MUDOU A COMPREENSÃO DAS PESSOAS A RESPEITO DO QUE REALMENTE NOS MOVE. A palestra de Daniel Pink no TED Talks está entre as mais vistas de todos os tempos. “Leitura importante para líderes de mente aberta.” – Kirkus Reviews “Inspirador.” – The […]

Daniel H. Pink

Autor de diversos livros sobre negócios e comportamento. Com títulos premiados e que geraram debates em todo o mundo, tem seu lugar garantido entre os principais pensadores da atualidade – um “guru do mercado de trabalho moderno”, segundo o jornal O Globo. Tem artigos publicados em veículos como Harvard Business ReviewFast Company e The New York Times, além de ter atuado, entre 1995 e 1997, como redator de discursos para o então vice-presidente americano Al Gore. Sua palestra no TED Talks está entre as mais vistas de todos os tempos. Pink mora com a esposa e os três filhos em Washington, DC.

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Relacionados

Concorra ao livro “Motivação 3.0” de Daniel H. Pink (encerrado)
SORTEIO

Concorra ao livro “Motivação 3.0” de Daniel H. Pink (encerrado)

Publicado em 37 línguas e um dos livros mais vendidos e influentes dos últimos tempos, Motivação 3.0 mudou a compreensão das pessoas a respeito do que realmente nos move. A maioria das pessoas acredita que a melhor maneira de motivar alguém é oferecer algum tipo de recompensa, como prêmios, promoções ou dinheiro. Esta visão está […]

LER MAIS