Livro
Livro
RELIGIÃO

De volta à cabana

De volta à cabana

C. BAXTER KRUGER, PH.D.

Ainda criança, William P. Young, autor de A cabana, conheceu o abandono, a dor e o abuso. Buscou na religião um porto seguro, mas nunca se sentiu totalmente protegido.

Assim como Mack, personagem principal de seu romance, ele estava perdido, questionando seus valores, sua fé e o próprio sentido de sua vida.

Ao escrever A cabana, Young quis expressar sua dor e apresentar uma nova maneira de enxergar Deus e suas leis incompreensíveis. Por meio da trajetória de Mack, ele nos mostrou os caminhos do perdão, da cura e da reconciliação com o divino e consigo mesmo.

Em De volta à cabana, vamos descobrir o que está por trás desses caminhos – ou seja, os conceitos que Young encontrou na teologia e na filosofia para criar sua história.

Agora, o teólogo C. Baxter Kruger aprofunda o estudo sobre a Santíssima Trindade e fala sobre a natureza do amor de Deus, demonstrando de que forma ele se manifesta em nossa vida.

Citando passagens bíblicas e parábolas inspiradoras, este livro nos ajuda a entender o papel da religião no mundo de hoje, o comportamento humano frente à dor e a nossa capacidade de regeneração – seja diante das grandes tragédias ou das pequenas desilusões que se acumulam no dia a dia.

****

Se você leu A cabana, deve conhecer a história que deu origem ao best-seller que já vendeu mais de 3 milhões de exemplares no Brasil. Seu autor, William P. Young, resolveu escrever um pequeno livro para que seus filhos conhecessem o tamanho de seu amor e entendessem as questões que tocavam seu coração. Sua intenção era imprimir 15 exemplares e distribuir para familiares e amigos no Natal.

Mas a força e a originalidade da história são tão surpreendentes que a obra alcançou um patamar impensável: depois de circular de mão em mão, acabou se tornando um dos maiores fenômenos editoriais dos últimos tempos.

A cabana conta a história de Mack, um pai consumido pela dor e pela culpa. Durante um acampamento em família, sua filha mais nova é sequestrada e assassinada. Desesperado, ele se entrega à depressão e se vê perto de perder o pouco que lhe resta na vida.

Então, alguns anos depois da tragédia, ele recebe um bilhete de Deus convidando-o para encontrá-lo na cabana onde a menina foi morta. E a partir desse “acerto de contas” Mack renasce, cura as feridas de sua alma e finalmente compreende o sentido dos desígnios divinos.

Inspirado na obra de William P. Young, o teólogo C. Baxter Kruger se debruça sobre as questões levantadas pela experiência de Mack para tentar entender os complexos mistérios da existência e as profundas implicações da fé.

Analisando em detalhes o conceito da Santíssima Trindade – apresentada por Young como Papai, Jesus e Sarayu – e explicando o significado do amor de Deus, De volta à cabananos faz retornar ao universo transformador que encantou milhões de pessoas em todo o mundo e reacendeu o debate sobre o papel da religião na espiritualidade humana.

Ainda criança, William P. Young, autor de A cabana, conheceu o abandono, a dor e o abuso. Buscou na religião um porto seguro, mas nunca se sentiu totalmente protegido.

Assim como Mack, personagem principal de seu romance, ele estava perdido, questionando seus valores, sua fé e o próprio sentido de sua vida.

Ao escrever A cabana, Young quis expressar sua dor e apresentar uma nova maneira de enxergar Deus e suas leis incompreensíveis. Por meio da trajetória de Mack, ele nos mostrou os caminhos do perdão, da cura e da reconciliação com o divino e consigo mesmo.

Em De volta à cabana, vamos descobrir o que está por trás desses caminhos – ou seja, os conceitos que Young encontrou na teologia e na filosofia para criar sua história.

Agora, o teólogo C. Baxter Kruger aprofunda o estudo sobre a Santíssima Trindade e fala sobre a natureza do amor de Deus, demonstrando de que forma ele se manifesta em nossa vida.

Citando passagens bíblicas e parábolas inspiradoras, este livro nos ajuda a entender o papel da religião no mundo de hoje, o comportamento humano frente à dor e a nossa capacidade de regeneração – seja diante das grandes tragédias ou das pequenas desilusões que se acumulam no dia a dia.

****

Se você leu A cabana, deve conhecer a história que deu origem ao best-seller que já vendeu mais de 3 milhões de exemplares no Brasil. Seu autor, William P. Young, resolveu escrever um pequeno livro para que seus filhos conhecessem o tamanho de seu amor e entendessem as questões que tocavam seu coração. Sua intenção era imprimir 15 exemplares e distribuir para familiares e amigos no Natal.

Mas a força e a originalidade da história são tão surpreendentes que a obra alcançou um patamar impensável: depois de circular de mão em mão, acabou se tornando um dos maiores fenômenos editoriais dos últimos tempos.

A cabana conta a história de Mack, um pai consumido pela dor e pela culpa. Durante um acampamento em família, sua filha mais nova é sequestrada e assassinada. Desesperado, ele se entrega à depressão e se vê perto de perder o pouco que lhe resta na vida.

Então, alguns anos depois da tragédia, ele recebe um bilhete de Deus convidando-o para encontrá-lo na cabana onde a menina foi morta. E a partir desse “acerto de contas” Mack renasce, cura as feridas de sua alma e finalmente compreende o sentido dos desígnios divinos.

Inspirado na obra de William P. Young, o teólogo C. Baxter Kruger se debruça sobre as questões levantadas pela experiência de Mack para tentar entender os complexos mistérios da existência e as profundas implicações da fé.

Analisando em detalhes o conceito da Santíssima Trindade – apresentada por Young como Papai, Jesus e Sarayu – e explicando o significado do amor de Deus, De volta à cabananos faz retornar ao universo transformador que encantou milhões de pessoas em todo o mundo e reacendeu o debate sobre o papel da religião na espiritualidade humana.

Compre agora:

Ficha técnica
Lançamento
Título original
Tradução SONIA SCHWARTZ E ANDRÉ COSTA
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 240
Peso 210 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-7542-698-2
EAN 9788575426982
Preço R$ 34,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788575427545
Preço R$ 21,99
Lançamento
Título original
Tradução SONIA SCHWARTZ E ANDRÉ COSTA
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 240
Peso 210 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-7542-698-2
EAN 9788575426982
Preço R$ 34,90

E-book

eISBN 9788575427545
Preço R$ 21,99

Leia um trecho do livro

Apresentação
por William P. Young, autor de A cabana

A todos que dedicaram seu tempo a ler e estudar A cabana, àqueles que compraram vários exemplares para dar de presente e me mandaram por e-mail suas histórias maravilhosas, quero agradecer e pedir, por favor, que leiam este livro. Se você deseja entender melhor a teologia em que se fundamenta A cabana, este livro foi escrito para você. Baxter levou adiante a incrível tarefa de investigar a fundo a natureza e o caráter do Deus que foi ao meu encontro em minha cabana. Teólogo do Mississippi que se iniciou intelectualmente em Aberdeen, na Escócia, Baxter é uma mescla ímpar de brilhantismo intelectual e gênio criativo. Ele modela iscas tão lindas que as pessoas preferem pendurá-las na parede a usá-las para pescar, o que para ele é uma “verdadeira lástima”. No seu entender, toda criatura de Deus deveria realizar aquilo para que foi destinada, sem exceção. É um mestre na arte de tornar compreensíveis as coisas mais complexas. Àqueles que encontraram esperança e estímulo em A cabana, este livro ajudará a dar passos ainda maiores rumo ao conhecimento do amor de Papai, de Sarayu e de Jesus.

Há alguns anos, em meio aos meus três empregos, encontrei tempo para escrever uma história para meus seis filhos – hoje, quase todos adultos – com a intenção de terminá-la no Natal. Eu pensava estar construindo para eles um barquinho simples de dois remos, com espaço para passear pelo lago levando somente duas pessoas de cada vez. Para surpresa de todos, e minha em especial, acabei criando um navio que desde então vem singrando o oceano da humanidade.

Minha formação espiritual foi diversificada e quase sempre solitária. Embora tenha frequentado a escola e o seminário bíblicos, caminhei sozinho, acompanhado pelas vozes monocórdias de páginas empoeiradas, discursos e sermões gravados em fitas cassete. Não se pode considerar Sören Kierkegaard uma companhia exatamente “divertida”, mas junto com Jacques Ellul, George MacDonald, Malcolm Smith, Jean Vanier, C. S. Lewis e uma série de autores e teólogos mortos e vivos, somados a muito rock’n’ roll, fui abrindo caminho pelas terras áridas em direção a... a que mesmo? Eu não sabia muito bem. Tinha descoberto que a ilha em que aportara como náufrago era habitada também por uma quantidade de músicos, poetas, escritores, pensadores e teatrólogos, cada qual com algo a compartilhar, às vezes uma percepção especial, às vezes um estímulo. A cabana foi também uma balsa na qual viajei pela imensidão do mar para encontrar uma família de fé até então desconhecida. Eu já ouvira seus nomes, mas não os conhecia pessoalmente. Descobri minhas raízes e pude ver que minha árvore genealógica se estendia a nomes como Atanásio e Torrance, Barth, Policarpo, Irineu e muitos mais, atravessando fronteiras estabelecidas por divisões religiosas e culturas de fé.

A cabana tem tido uma resposta bastante positiva. Recebi mais de 100 mil e-mails contando histórias que mostram como o livro influenciou a vida de pessoas nas mais diversas circunstâncias. Não recebi uma única crítica ou observação negativa de comunidades que dão assistência psicológica e espiritual nem de programas de apoio familiar, psiquiátrico ou de serviço pastoral. Pelo contrário, esses “cuidadores” me afirmam como o livro foi útil e valioso para as pessoas com quem lidam e com as quais se preocupam.

As críticas partiram quase exclusivamente das pessoas “religiosas”, e não estou empregando o termo com sentido pejorativo. É claro que existem aqueles que opinam mesmo sem ter lido o texto, e por isso não podem ser levados a sério. Mas há outros que se sentem responsáveis por proteger “o rebanho dos fiéis” e defender Deus de toda e qualquer heresia ou do que chamam de “doutrinas sedutoras”. Agradecemos a esses irmãos e irmãs que participam do debate e consideramos cuidadosamente seus pontos de vista.

A cabana jamais pretendeu ser uma teologia “sistemática” ou mais um desses livros pragmáticos que pinçam versículos bíblicos no intuito de converter os descrentes. O livro é ficção, é história. É um conto absolutamente humano que contém o mistério da jornada e do fracasso, da perda e da incerteza, dos desejos e questionamentos profundos e preciosos. É como um arranhão na superfície da religião convencional e da cultura que valoriza sobretudo o desempenho, para ver se por trás de sua aparência obscura pode-se sentir um sopro de vida capaz de atiçar suavemente as brasas da esperança e o desejo de autenticidade.

Não me entendam mal, por favor: A cabana é de fato teologia. Teologia em forma de história. Se você crê, como eu, que tudo encontra sua origem, seu sentido, seu valor, sua identidade, seu mérito, sua segurança e sua importância no relacionamento, sobretudo no relacionamento com Deus, então tudo na vida pode ser considerado “teologia”.

O que você tem em mãos é o início daquilo que Baxter e eu esperamos que aconteça. Este livro é uma tentativa de pintar um “quadro maior”, trazendo à tona a concepção do pré-iluminismo e da pré-reforma – na verdade, da Igreja primitiva – a respeito da vida maravilhosa do Pai, do Filho e do Espírito Santo e de seus sonhos para a humanidade. Essa concepção, visível pela janela que A cabana abriu, agora se amplia numa linguagem compreensível. Espero que a imagem que Baxter pintou nesta tela de palavras provoque em você um forte impacto em termos de fascínio, adoração e possibilidades.

Por fim, gostaríamos de usar a história contada em A cabana, entre outras coisas, para que nos ajude a entender os mais diversos aspectos da realidade humana. Se o que estamos tentando revelar e transmitir é verdade, poderemos verificar como isso afeta nossas ideias sobre céu, inferno, evangelização, homossexualidade, trabalho, o papel das mulheres, política, religião, ciência, separação entre o que é secular e sagrado, comércio, educação, a natureza da Igreja, o processo de transformação, cura etc.

Gostaríamos, portanto, de ver essa realidade operando na experiência cotidiana em toda a sua profundidade. Esperamos reunir pessoas capazes de expressar, junto a nós, como essa concepção se mostra em suas próprias esferas de interesse e paixão – nos cuidados maternos, nos meios de comunicação, na música, na hidráulica, na astrofísica, na lavoura, na paternidade, nos negócios, no ministério religioso, na preservação do planeta, na medicina, no trabalho diário, no magistério, na dança e em tudo o mais.

Muitos crescem a bordo de uma embarcação que, se não receber uma correção de curso, irá encalhar na praia da Irrelevância Crescente, enquanto o mundo segue singrando e parte da humanidade dormita na Grande Tristeza. Não creio que estejamos necessitados de uma nova teologia. Devemos, isso sim, revisitar a teologia primitiva e compreendê-la melhor, cultivando a concepção dos “evangelistas” originais, que viam toda a existência e toda a realidade apenas à luz da pessoa de Jesus e do seu relacionamento com o Pai e o Espírito.

Assim, de braços abertos, meu amigo Baxter e eu, junto com milhares de outras pessoas, convidamos você a revisitar o universo de A cabana, um universo em que o amor de Papai é infinito, a fé de Jesus em você é “forte como um touro”, como Baxter costuma dizer, e a esperança do Espírito é maior do que o cosmos. Um universo onde você é importante e amado por Papai.

Apresentação
por William P. Young, autor de A cabana

A todos que dedicaram seu tempo a ler e estudar A cabana, àqueles que compraram vários exemplares para dar de presente e me mandaram por e-mail suas histórias maravilhosas, quero agradecer e pedir, por favor, que leiam este livro. Se você deseja entender melhor a teologia em que se fundamenta A cabana, este livro foi escrito para você. Baxter levou adiante a incrível tarefa de investigar a fundo a natureza e o caráter do Deus que foi ao meu encontro em minha cabana. Teólogo do Mississippi que se iniciou intelectualmente em Aberdeen, na Escócia, Baxter é uma mescla ímpar de brilhantismo intelectual e gênio criativo. Ele modela iscas tão lindas que as pessoas preferem pendurá-las na parede a usá-las para pescar, o que para ele é uma “verdadeira lástima”. No seu entender, toda criatura de Deus deveria realizar aquilo para que foi destinada, sem exceção. É um mestre na arte de tornar compreensíveis as coisas mais complexas. Àqueles que encontraram esperança e estímulo em A cabana, este livro ajudará a dar passos ainda maiores rumo ao conhecimento do amor de Papai, de Sarayu e de Jesus.

Há alguns anos, em meio aos meus três empregos, encontrei tempo para escrever uma história para meus seis filhos – hoje, quase todos adultos – com a intenção de terminá-la no Natal. Eu pensava estar construindo para eles um barquinho simples de dois remos, com espaço para passear pelo lago levando somente duas pessoas de cada vez. Para surpresa de todos, e minha em especial, acabei criando um navio que desde então vem singrando o oceano da humanidade.

Minha formação espiritual foi diversificada e quase sempre solitária. Embora tenha frequentado a escola e o seminário bíblicos, caminhei sozinho, acompanhado pelas vozes monocórdias de páginas empoeiradas, discursos e sermões gravados em fitas cassete. Não se pode considerar Sören Kierkegaard uma companhia exatamente “divertida”, mas junto com Jacques Ellul, George MacDonald, Malcolm Smith, Jean Vanier, C. S. Lewis e uma série de autores e teólogos mortos e vivos, somados a muito rock’n’ roll, fui abrindo caminho pelas terras áridas em direção a... a que mesmo? Eu não sabia muito bem. Tinha descoberto que a ilha em que aportara como náufrago era habitada também por uma quantidade de músicos, poetas, escritores, pensadores e teatrólogos, cada qual com algo a compartilhar, às vezes uma percepção especial, às vezes um estímulo. A cabana foi também uma balsa na qual viajei pela imensidão do mar para encontrar uma família de fé até então desconhecida. Eu já ouvira seus nomes, mas não os conhecia pessoalmente. Descobri minhas raízes e pude ver que minha árvore genealógica se estendia a nomes como Atanásio e Torrance, Barth, Policarpo, Irineu e muitos mais, atravessando fronteiras estabelecidas por divisões religiosas e culturas de fé.

A cabana tem tido uma resposta bastante positiva. Recebi mais de 100 mil e-mails contando histórias que mostram como o livro influenciou a vida de pessoas nas mais diversas circunstâncias. Não recebi uma única crítica ou observação negativa de comunidades que dão assistência psicológica e espiritual nem de programas de apoio familiar, psiquiátrico ou de serviço pastoral. Pelo contrário, esses “cuidadores” me afirmam como o livro foi útil e valioso para as pessoas com quem lidam e com as quais se preocupam.

As críticas partiram quase exclusivamente das pessoas “religiosas”, e não estou empregando o termo com sentido pejorativo. É claro que existem aqueles que opinam mesmo sem ter lido o texto, e por isso não podem ser levados a sério. Mas há outros que se sentem responsáveis por proteger “o rebanho dos fiéis” e defender Deus de toda e qualquer heresia ou do que chamam de “doutrinas sedutoras”. Agradecemos a esses irmãos e irmãs que participam do debate e consideramos cuidadosamente seus pontos de vista.

A cabana jamais pretendeu ser uma teologia “sistemática” ou mais um desses livros pragmáticos que pinçam versículos bíblicos no intuito de converter os descrentes. O livro é ficção, é história. É um conto absolutamente humano que contém o mistério da jornada e do fracasso, da perda e da incerteza, dos desejos e questionamentos profundos e preciosos. É como um arranhão na superfície da religião convencional e da cultura que valoriza sobretudo o desempenho, para ver se por trás de sua aparência obscura pode-se sentir um sopro de vida capaz de atiçar suavemente as brasas da esperança e o desejo de autenticidade.

Não me entendam mal, por favor: A cabana é de fato teologia. Teologia em forma de história. Se você crê, como eu, que tudo encontra sua origem, seu sentido, seu valor, sua identidade, seu mérito, sua segurança e sua importância no relacionamento, sobretudo no relacionamento com Deus, então tudo na vida pode ser considerado “teologia”.

O que você tem em mãos é o início daquilo que Baxter e eu esperamos que aconteça. Este livro é uma tentativa de pintar um “quadro maior”, trazendo à tona a concepção do pré-iluminismo e da pré-reforma – na verdade, da Igreja primitiva – a respeito da vida maravilhosa do Pai, do Filho e do Espírito Santo e de seus sonhos para a humanidade. Essa concepção, visível pela janela que A cabana abriu, agora se amplia numa linguagem compreensível. Espero que a imagem que Baxter pintou nesta tela de palavras provoque em você um forte impacto em termos de fascínio, adoração e possibilidades.

Por fim, gostaríamos de usar a história contada em A cabana, entre outras coisas, para que nos ajude a entender os mais diversos aspectos da realidade humana. Se o que estamos tentando revelar e transmitir é verdade, poderemos verificar como isso afeta nossas ideias sobre céu, inferno, evangelização, homossexualidade, trabalho, o papel das mulheres, política, religião, ciência, separação entre o que é secular e sagrado, comércio, educação, a natureza da Igreja, o processo de transformação, cura etc.

Gostaríamos, portanto, de ver essa realidade operando na experiência cotidiana em toda a sua profundidade. Esperamos reunir pessoas capazes de expressar, junto a nós, como essa concepção se mostra em suas próprias esferas de interesse e paixão – nos cuidados maternos, nos meios de comunicação, na música, na hidráulica, na astrofísica, na lavoura, na paternidade, nos negócios, no ministério religioso, na preservação do planeta, na medicina, no trabalho diário, no magistério, na dança e em tudo o mais.

Muitos crescem a bordo de uma embarcação que, se não receber uma correção de curso, irá encalhar na praia da Irrelevância Crescente, enquanto o mundo segue singrando e parte da humanidade dormita na Grande Tristeza. Não creio que estejamos necessitados de uma nova teologia. Devemos, isso sim, revisitar a teologia primitiva e compreendê-la melhor, cultivando a concepção dos “evangelistas” originais, que viam toda a existência e toda a realidade apenas à luz da pessoa de Jesus e do seu relacionamento com o Pai e o Espírito.

Assim, de braços abertos, meu amigo Baxter e eu, junto com milhares de outras pessoas, convidamos você a revisitar o universo de A cabana, um universo em que o amor de Papai é infinito, a fé de Jesus em você é “forte como um touro”, como Baxter costuma dizer, e a esperança do Espírito é maior do que o cosmos. Um universo onde você é importante e amado por Papai.

LEIA MAIS

C. Baxter Kruger

Sobre o autor

C. Baxter Kruger

Diretor do Ministério Perichoresis, escritor e teólogo. Formado em Ciência Política e Psicologia, obteve o título de Ph.D. na Universidade de Aberdeen, na Escócia. Ele dá aulas ao redor do mundo e é autor de nove livros, incluindo De volta à cabana. É casado e tem quatro filhos.

VER PERFIL COMPLETO

Outros títulos de C. Baxter Kruger