Livro
Livro
AUTOAJUDA

Vivendo a comunicação
não violenta

Vivendo a comunicação
não violenta

MARSHALL ROSENBERG

Como estabelecer conexões sinceras e resolver conflitos de forma pacífica e eficaz

Como estabelecer conexões sinceras e resolver conflitos de forma pacífica e eficaz

“A Comunicação Não Violenta conecta uma alma a outra, permite a cura e nos ajuda a expressar com toda a sinceridade o que está ou não em harmonia com nossas necessidades. É o elemento que falta em tudo que fazemos.”
DEEPAK CHOPRA, autor de As sete leis espirituais do sucesso

A Comunicação Não Violenta (CNV) é um dos temas mais transformadores e fundamentais que nós da Sextante já publicamos.

Ela é tão essencial que deveria ser ensinada a todas as pessoas, assim como ler, escrever e fazer as quatro operações matemáticas.

Mais do que uma técnica para resolver conflitos, é um modo de ser, de pensar e de viver que, como diz Marshall Rosenberg, “nos ensina a expressar o que está vivo em nós e a enxergar o que está vivo nos outros. Assim podemos descobrir o que fazer para enriquecer essa vida”.

Além de oferecer uma introdução à Comunicação Não Violenta, este livro trata dos seguintes temas:

  • Podemos dar um jeito: como resolver conflitos de forma pacífica e eficaz
  • Amar sendo eu mesmo: como criar relações amorosas sem abrir mão de nossos valores e integridade
  • Superando a dor entre nós: como alcançar a reconciliação e a cura sem fazer concessões
  • O propósito surpreendente da raiva: para além do gerenciamento da raiva, como encontrar sua virtude
  • Criando filhos com compaixão: como educar de acordo com a CNV
  • Espiritualidade prática: reflexões sobre a base espiritual da CNV

“A Comunicação Não Violenta conecta uma alma a outra, permite a cura e nos ajuda a expressar com toda a sinceridade o que está ou não em harmonia com nossas necessidades. É o elemento que falta em tudo que fazemos.”
DEEPAK CHOPRA, autor de As sete leis espirituais do sucesso

A Comunicação Não Violenta (CNV) é um dos temas mais transformadores e fundamentais que nós da Sextante já publicamos.

Ela é tão essencial que deveria ser ensinada a todas as pessoas, assim como ler, escrever e fazer as quatro operações matemáticas.

Mais do que uma técnica para resolver conflitos, é um modo de ser, de pensar e de viver que, como diz Marshall Rosenberg, “nos ensina a expressar o que está vivo em nós e a enxergar o que está vivo nos outros. Assim podemos descobrir o que fazer para enriquecer essa vida”.

Além de oferecer uma introdução à Comunicação Não Violenta, este livro trata dos seguintes temas:

  • Podemos dar um jeito: como resolver conflitos de forma pacífica e eficaz
  • Amar sendo eu mesmo: como criar relações amorosas sem abrir mão de nossos valores e integridade
  • Superando a dor entre nós: como alcançar a reconciliação e a cura sem fazer concessões
  • O propósito surpreendente da raiva: para além do gerenciamento da raiva, como encontrar sua virtude
  • Criando filhos com compaixão: como educar de acordo com a CNV
  • Espiritualidade prática: reflexões sobre a base espiritual da CNV

Compre agora:

Ficha técnica
Lançamento 15/07/2019
Título original Living Nonviolent Communication: practical tools to connect and communicate skillfully in every situation
Tradução Beatriz Medina
Formato 16 x 23 x 1,3 cm
Número de páginas 192
Peso 200 g
Acabamento Brochura
ISBN 9788543106724
EAN 9788543106724
Preço R$ 39,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788543107707
Preço R$ 24,99
Lançamento 15/07/2019
Título original Living Nonviolent Communication: practical tools to connect and communicate skillfully in every situation
Tradução Beatriz Medina
Formato 16 x 23 x 1,3 cm
Número de páginas 192
Peso 200 g
Acabamento Brochura
ISBN 9788543106724
EAN 9788543106724
Preço R$ 39,90

E-book

eISBN 9788543107707
Preço R$ 24,99

Leia um trecho do livro

Uma breve introdução à Comunicação Não Violenta

A Comunicação Não Violenta (CNV) é um poderoso modelo

de comunicação, mas vai muito além disso. É um modo de ser, de pensar e de viver. Seu propósito é inspirar conexões sinceras entre as pessoas de maneira que as necessidades de todos sejam atendidas por meio da doação compassiva. Ela nos inspira a nos doarmos de coração. E também nos ajuda a nos conectarmos à nossa divindade interior e ao que existe de mais vivo dentro de nós.

Podemos dizer que a CNV é o idioma da compaixão, mas, na verdade, ela é uma linguagem da vida na qual a compaixão surge naturalmente. Este modelo nos ensina a expressar o que está vivo em nós e a enxergar o que está vivo nos outros. Quando compreendemos o que está vivo em nós, podemos descobrir o que fazer para enriquecer essa vida.

A Comunicação Não Violenta se desenvolveu a partir do meu interesse pessoal em duas questões. Primeiro, queria entender melhor o que há nos seres humanos que leva alguns de nós a nos comportarmos de forma violenta e abusiva. Depois, queria entender melhor que tipo de educação é útil às nossas tentativas de permanecermos compassivos – que acredito ser a nossa natureza – mesmo quando os outros se comportam de forma violenta ou exploradora. A teoria que prevaleceu por muitos séculos defendia que a violência e a exploração acontecem porque as pessoas são, em essência, más, egoístas ou violentas. Mas já vi gente que não é assim; já vi muita gente que gosta de contribuir para o bem-estar dos outros. Então me perguntei: Por que algumas pessoas parecem gostar de ver o sofrimento dos outros, enquanto outras parecem ser justamente o contrário?

Em minha análise dessas duas questões, descobri que três fatores são muito importantes para entendermos por que, em situações similares, alguns de nós reagem com violência e outros reagem com compaixão:

  • A linguagem que fomos ensinados a usar.
  • Como nos ensinaram a pensar e a nos comunicarmos.
  • As estratégias específicas que aprendemos para influenciar os outros e a nós mesmos.

Como esses três fatores têm um papel importante para determinar se reagimos diante das situações com compaixão ou violência, desenvolvi esse processo que chamo de Comunicação Não Violenta (CNV) integrando o tipo de linguagem, o tipo de pensamento e as formas de comunicação que influenciam nossa capacidade de contribuir voluntariamente para o bem-estar dos outros e de nós mesmos.

O processo da CNV mostra como expressar sem disfarces quem somos e o que está vivo dentro de nós – sem qualquer crítica ou análise externa que insinue que o que sentimos está errado. O processo se baseia na suposição de que qualquer coisa que os outros ouçam de nós que soe como uma análise ou crítica (ou que leve a um erro de interpretação por parte deles) nos impede de estabelecer a conexão que nos permite contribuir voluntariamente para o bem-estar uns dos outros. Essa abordagem da comunicação enfatiza que a motivação para agir é a compaixão – e não o medo, a culpa, a vergonha, a censura, a coerção ou a ameaça de punição. Em outras palavras, trata-se de conseguir o que queremos por meios que não nos deixem arrependidos depois. Parte do processo é dizer com clareza o que está vivo em nós – sem análise ou crítica e sem colocar a culpa no outro. Outra parte é dizer com clareza o que tornaria a vida melhor para nós, apresentando essa informação aos outros como um pedido, não como uma exigência.

A Comunicação Não Violenta se concentra em como as necessidades dos outros estão sendo atendidas e, caso não estejam, no que pode ser feito nesse sentido. (Veja os quadros “Alguns sentimentos básicos comuns a todos nós” e “Algumas necessidades básicas comuns a todos nós”.) Por um lado, a CNV nos mostra como devemos nos expressar de modo a aumentar as chances de que os outros contribuam voluntariamente para o nosso bem-estar. E, por outro, nos mostra como receber a mensagem dos outros de maneira a aumentar as nossas chances de contribuir voluntariamente para o bem-estar deles.

Espero que o conteúdo deste livro o ajude a se comunicar com os outros através dessa linguagem da vida e lhe mostre como ouvir essa mesma qualidade de comunicação na mensagem deles, qualquer que seja o modo como falem.

Uma breve introdução à Comunicação Não Violenta

A Comunicação Não Violenta (CNV) é um poderoso modelo

de comunicação, mas vai muito além disso. É um modo de ser, de pensar e de viver. Seu propósito é inspirar conexões sinceras entre as pessoas de maneira que as necessidades de todos sejam atendidas por meio da doação compassiva. Ela nos inspira a nos doarmos de coração. E também nos ajuda a nos conectarmos à nossa divindade interior e ao que existe de mais vivo dentro de nós.

Podemos dizer que a CNV é o idioma da compaixão, mas, na verdade, ela é uma linguagem da vida na qual a compaixão surge naturalmente. Este modelo nos ensina a expressar o que está vivo em nós e a enxergar o que está vivo nos outros. Quando compreendemos o que está vivo em nós, podemos descobrir o que fazer para enriquecer essa vida.

A Comunicação Não Violenta se desenvolveu a partir do meu interesse pessoal em duas questões. Primeiro, queria entender melhor o que há nos seres humanos que leva alguns de nós a nos comportarmos de forma violenta e abusiva. Depois, queria entender melhor que tipo de educação é útil às nossas tentativas de permanecermos compassivos – que acredito ser a nossa natureza – mesmo quando os outros se comportam de forma violenta ou exploradora. A teoria que prevaleceu por muitos séculos defendia que a violência e a exploração acontecem porque as pessoas são, em essência, más, egoístas ou violentas. Mas já vi gente que não é assim; já vi muita gente que gosta de contribuir para o bem-estar dos outros. Então me perguntei: Por que algumas pessoas parecem gostar de ver o sofrimento dos outros, enquanto outras parecem ser justamente o contrário?

Em minha análise dessas duas questões, descobri que três fatores são muito importantes para entendermos por que, em situações similares, alguns de nós reagem com violência e outros reagem com compaixão:

  • A linguagem que fomos ensinados a usar.
  • Como nos ensinaram a pensar e a nos comunicarmos.
  • As estratégias específicas que aprendemos para influenciar os outros e a nós mesmos.

Como esses três fatores têm um papel importante para determinar se reagimos diante das situações com compaixão ou violência, desenvolvi esse processo que chamo de Comunicação Não Violenta (CNV) integrando o tipo de linguagem, o tipo de pensamento e as formas de comunicação que influenciam nossa capacidade de contribuir voluntariamente para o bem-estar dos outros e de nós mesmos.

O processo da CNV mostra como expressar sem disfarces quem somos e o que está vivo dentro de nós – sem qualquer crítica ou análise externa que insinue que o que sentimos está errado. O processo se baseia na suposição de que qualquer coisa que os outros ouçam de nós que soe como uma análise ou crítica (ou que leve a um erro de interpretação por parte deles) nos impede de estabelecer a conexão que nos permite contribuir voluntariamente para o bem-estar uns dos outros. Essa abordagem da comunicação enfatiza que a motivação para agir é a compaixão – e não o medo, a culpa, a vergonha, a censura, a coerção ou a ameaça de punição. Em outras palavras, trata-se de conseguir o que queremos por meios que não nos deixem arrependidos depois. Parte do processo é dizer com clareza o que está vivo em nós – sem análise ou crítica e sem colocar a culpa no outro. Outra parte é dizer com clareza o que tornaria a vida melhor para nós, apresentando essa informação aos outros como um pedido, não como uma exigência.

A Comunicação Não Violenta se concentra em como as necessidades dos outros estão sendo atendidas e, caso não estejam, no que pode ser feito nesse sentido. (Veja os quadros “Alguns sentimentos básicos comuns a todos nós” e “Algumas necessidades básicas comuns a todos nós”.) Por um lado, a CNV nos mostra como devemos nos expressar de modo a aumentar as chances de que os outros contribuam voluntariamente para o nosso bem-estar. E, por outro, nos mostra como receber a mensagem dos outros de maneira a aumentar as nossas chances de contribuir voluntariamente para o bem-estar deles.

Espero que o conteúdo deste livro o ajude a se comunicar com os outros através dessa linguagem da vida e lhe mostre como ouvir essa mesma qualidade de comunicação na mensagem deles, qualquer que seja o modo como falem.

LEIA MAIS

Marshall Rosenberg

Sobre o autor

Marshall Rosenberg

Iniciou programas para a paz em áreas dilaceradas pela guerra, como Ruanda, Nigéria, Malásia, Oriente Médio, Sérvia, Croácia e Irlanda. Psicólogo clínico, foi fundador e diretor do The Center for Nonviolent Communication (CNVC), entidade internacional sem fins lucrativos que oferece oficinas e treinamento em 35 países. O Dr. Rosenberg é autor de Comunicação Não Violenta (Editora Agora), A linguagem da paz em um mundo de conflitos (Editora Pallas Athena), entre outras obras.

VER PERFIL COMPLETO

Novidades no Blog

“A base da violência é estar sofrendo e não saber como dizer isso com clareza”
AUTOAJUDA

“A base da violência é estar sofrendo e não saber como dizer isso com clareza”

“Vivendo a comunicação não violenta” traz ferramentas que ajudam a ter mais empatia e compaixão em relação às necessidades das outras pessoas. O processo “ensina a expressar o que está vivo em nós e a enxergar o que está vivo nos outros”.

LER MAIS