Editora Sextante, Autor em Sextante - Página 2 de 50
NÃO FICÇÃO

Mutação do vírus da COVID? Novos lockdowns e fronteiras fechadas? Como será o amanhã?

Mutação do vírus da COVID? Novos lockdowns e fronteiras fechadas? Como será o amanhã?

|

Compartilhe esse texto: Email
Mutação do vírus da COVID? Novos lockdowns e fronteiras fechadas? Como será o amanhã?

Escrita a quatro mãos pela advogada e colunista do jornal português Observador e da revista Glamour Ruth Manus e pelo correspondente internacional do UOL e do Grupo Bandeirantes Jamil Chade, 10 histórias para tentar entender um mundo caótico é uma obra pautada pelo impacto do coronavírus no mundo.

A pandemia varreu o planeta e superou até mesmo as mais pessimistas previsões relacionadas a infecções e óbitos. A Europa e os Estados Unidos já enfrentam a segunda onda, que também dá sinais evidentes no Brasil. Diversas nações retomaram o lockdown e os números não dão alento.

O caminho para a vacina e a superação da crise está em curso, mas ainda há muitas perguntas sem respostas e tudo leva a crer que 2021 também será ditado pelo efeito do novo vírus. Haverá vacina para todos os países e as populações mais desassistidas? A acentuada desigualdade entre os países ficará ainda mais evidente? Os países ricos serão beneficiados, enquanto os mais pobres agonizam? Tudo indica que 10 histórias para tentar entender um mundo caótico permanecerá urgente e necessário no ano que se aproxima.

Confira a seguir as revelações do trecho extraído do capítulo Doença X. Jamil Chade e Ruth Manus refletem sobre os sucessivos avisos da OMS em relação ao perigo de um vírus desconhecido, altamente infeccioso e mortal se tornar uma grande ameaça para a humanidade. 

Se a pandemia do coronavírus transformou o mundo, levou a economia mundial à paralisia e redefiniu a operação de saúde de governos, a realidade é que a OMS já temia há anos o desembarque de uma doença que poderia ter um impacto devastador. O alerta foi dado. E quase ninguém escutou.

Tudo começou quando a OMS e a comunidade internacional entenderam que a epidemia de Ebola tinha perdido força antes que medidas de saúde ou remédios fossem de fato criados. Em 2016, diante dessa constatação, a organização lançou uma iniciativa para tentar reduzir o tempo para o desenvolvimento de respostas como testes, diagnósticos e kits. Além disso, era preciso encontrar alguém para financiar o projeto.

O desafio era de uma proporção inédita. Cientistas acre- ditam que, de 1940 até hoje, mais de 400 doenças infecciosas surgiram no planeta. Ainda que as bactérias representem mais de 50% delas, foram os vírus que causaram os maiores impactos: HIV, H1N1, H5N1 e o Ebola.

Mas as estimativas apontam que existem 1,6 milhão de vírus desconhecidos no planeta, dos quais até 800 mil poderiam atingir as pessoas. Os cientistas, porém, conhecem plenamente apenas 0,4% deles.

Diante desse cenário, a OMS reuniu a elite da ciência mundial em volta de uma mesa. Cada um daqueles homens e mulheres era especializado num determinado setor. Juntos, tinham a missão comum de encontrar caminhos para identificar riscos e pre- parar o mundo.

Um deles era Peter Daszak, presidente da EcoHealth Alliance, uma entidade que reúne cientistas e pesquisadores na busca de soluções para ameaças à saúde. Anos depois, encontrei-me com Daszak, que me contou como o debate levou à escolha de áreas prioritárias de pesquisa e à definição de uma lista das maiores ameaças ao planeta. Nela estavam a febre hemorrágica Crimea-Congo, o Ebola, a Lassa, a Mers-CoV, a Sars e até o Zika.

Mas havia ainda outra ameaça: a de uma pandemia a partir de um agente desconhecido. Ao final de uma das reuniões em Genebra, um dos membros do grupo sugeriu um nome para essa ameaça: “Doença X”.

No dia 7 de fevereiro de 2018, a Doença X foi oficialmente colocada na lista da OMS como prioridade e o alerta foi enviado a todos os governos. O objetivo de reconhecer o risco era convocar governos e pesquisadores a se prepararem para o eventual desembarque de uma pandemia. Um ano depois, a OMS apontou a Doença X como um dos 10 maiores riscos para a saúde do mundo.

Ao contrário do senso comum, a Doença X não seria violenta e rápida como o Ebola. Tal surto tem demonstrado sérias dificuldades de sair do continente africano por conta do impacto quase imediato que tem sobre as pessoas contaminadas, que rapidamente morrem ou ficam incapazes de sair de suas camas.

No cenário desenhado pelos cientistas, a Doença X proliferaria em todo o planeta se fosse um vírus que deixasse muita gente sem sintomas ou apenas com um leve mal-estar. Tal situação levaria os contaminados a continuar trabalhando, viajando e circulando, contribuindo para disseminar a doença. Mas, para uma parcela da população, o vírus seria letal. Resultado: em poucas semanas o agente teria viajado o mundo, levando a crise a ter diferentes epicentros ao mesmo tempo e causando milhares de mortes.

Dois anos depois, a realidade imposta sobre o planeta mostrou que os cientistas estavam certos. Mas a mobilização internacional jamais ocorreu. Quando eu voltei a encontrar Daszak, em plena pandemia do coronavírus, ele fez mais um alerta: a Covid-19 não é a Doença X. Ela é apenas a primeira Doença X. Outras virão, segundo ele. Será que desta vez vamos dar ouvidos à ciência? 

Este post foi escrito por:

Editora Sextante

Este post foi escrito por:

Editora Sextante

Livro

Ruth Manus

RUTH MANUS é advogada, professora e escritora - não necessariamente nesta ordem. Mestre em Direito do Trabalho pela PUC-SP e pós graduada em Direito Coletivo do Trabalho pela Università di Roma Tor Vergata, em Direito Europeu pela Universidade de Lisboa e em Processo do Trabalho pela PUC-SP, ela vive desde 2014 em Portugal, onde está terminando seu doutorado em Direito Internacional na Universidade de Lisboa. Ela também atua como palestrante, é colunista do jornal português Observador e da revista Glamour no Brasil, e autora de outros seis livros, entre eles Um dia ainda vamos rir de tudo isso e Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas, publicados pela Editora Sextante. Manus e Chade apresentaram juntos o podcast Geração P, no UOL, que debateu os efeitos da pandemia de Covid-19 na sociedade.  

VER PERFIL COMPLETO

Jamil Chade

JAMIL CHADE é jornalista especializado em coberturas internacionais. Com passagens por mais de 70 países, nos últimos 20 anos ele cruzou fronteiras com refugiados, entrevistou vencedores do prêmio Nobel, cobriu eleições, cúpulas de chefes de estado e mega eventos esportivos. De seu escritório na sede da ONU em Genebra, contribuiu com veículos internacionais como The Guardian, El Pais, BBC, CNN, Le Temps, Swissinfo, CCTV, Al Jazeera, France24 e outros, além de ser colunista do UOL e do Grupo Bandeirantes. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de outros cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Ele também foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se. Em 2020, venceu o principal prêmio do ano da Associação Internacional da Imprensa Esportiva por suas revelações sobre a corrupção no futebol.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

Hotsite: http://mundocaoticoempauta.com.br/   Neste livro, Ruth Manus e Jamil Chade refletem sobre felicidade, corrupção, saúde, violência, meio ambiente, desigualdade, amor, racismo e tantos outros temas que assombram um planeta em transformação. “Fiquei encantado com este livro. É um caderno de viagens. Traz histórias que vão da menina de 10 anos no interior da Tanzânia a […]

Ruth Manus

RUTH MANUS é advogada, professora e escritora - não necessariamente nesta ordem. Mestre em Direito do Trabalho pela PUC-SP e pós graduada em Direito Coletivo do Trabalho pela Università di Roma Tor Vergata, em Direito Europeu pela Universidade de Lisboa e em Processo do Trabalho pela PUC-SP, ela vive desde 2014 em Portugal, onde está terminando seu doutorado em Direito Internacional na Universidade de Lisboa. Ela também atua como palestrante, é colunista do jornal português Observador e da revista Glamour no Brasil, e autora de outros seis livros, entre eles Um dia ainda vamos rir de tudo isso e Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas, publicados pela Editora Sextante. Manus e Chade apresentaram juntos o podcast Geração P, no UOL, que debateu os efeitos da pandemia de Covid-19 na sociedade.  

VER PERFIL COMPLETO

Jamil Chade

JAMIL CHADE é jornalista especializado em coberturas internacionais. Com passagens por mais de 70 países, nos últimos 20 anos ele cruzou fronteiras com refugiados, entrevistou vencedores do prêmio Nobel, cobriu eleições, cúpulas de chefes de estado e mega eventos esportivos. De seu escritório na sede da ONU em Genebra, contribuiu com veículos internacionais como The Guardian, El Pais, BBC, CNN, Le Temps, Swissinfo, CCTV, Al Jazeera, France24 e outros, além de ser colunista do UOL e do Grupo Bandeirantes. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de outros cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Ele também foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se. Em 2020, venceu o principal prêmio do ano da Associação Internacional da Imprensa Esportiva por suas revelações sobre a corrupção no futebol.

VER PERFIL COMPLETO

Posts Relacionados

Perguntas essenciais sobre o futuro
NÃO FICÇÃO

Perguntas essenciais sobre o futuro

A partir da experiência internacional dos autores, este livro reúne dez histórias sobre dilemas contemporâneos em um convite a reflexões necessárias

LER MAIS
Sobre o uso de cookie neste site: usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.