Livro
Livro
NEGÓCIOS

A arte de dar feedback

A arte de dar feedback

Este livro pertence à coleção UM GUIA ACIMA DA MÉDIA

HARVARD BUSINESS REVIEW

Motive sua equipe. Melhore a comunicação. Estabeleça objetivos claros.

Motive sua equipe. Melhore a comunicação. Estabeleça objetivos claros.

MOTIVE SUA EQUIPE. MELHORE  A COMUNICAÇÃO. ESTABELEÇA OBJETIVOS CLAROS.

Indispensável para profissionais de todas as áreas e níveis de experiência, este livro tem o selo de qualidade Harvard Business Review – um dos nomes mais fortes do mundo na área de negócios – e comprova que é possível dar uma guinada na carreira com passos simples, eliminando os problemas que estão tirando seu sono.

 

→ Não se estresse mais na hora de dar feedback!

Para ajudar as pessoas a atingirem as metas e realizarem seu potencial, você precisa fornecer feedback regularmente. Mas a tensão de falar sobre questões delicadas pode ser esmagadora.

Como passar a mensagem adequada para que ela seja não apenas bem recebida, como também capaz de motivar e incentivar as mudanças necessárias?

A arte de dar feedback fornece conselhos práticos para transformar qualquer conversa sobre desempenho – de atualizações semanais a avaliações anuais – em uma oportunidade de crescimento e desenvolvimento.

Não importa se você quer reconhecer um trabalho exemplar ou abordar problemas de comportamento, neste livro você encontra dicas certeiras para promover o melhor da sua equipe. Aprenda a:

• conquistar a confiança de seus subordinados diretos

• incluir feedback nas suas interações diárias com eles

• transformar as avaliações anuais em catalisadores de crescimento

• avaliar o desempenho de forma justa

• enfatizar a melhoria e as conquistas, mesmo na hora de criticar

• reagir com calma a alguém que fica na defensiva

• reconhecer e motivar os destaques da equipe

• criar planos de desenvolvimento individualizados

MOTIVE SUA EQUIPE. MELHORE  A COMUNICAÇÃO. ESTABELEÇA OBJETIVOS CLAROS.

Indispensável para profissionais de todas as áreas e níveis de experiência, este livro tem o selo de qualidade Harvard Business Review – um dos nomes mais fortes do mundo na área de negócios – e comprova que é possível dar uma guinada na carreira com passos simples, eliminando os problemas que estão tirando seu sono.

 

→ Não se estresse mais na hora de dar feedback!

Para ajudar as pessoas a atingirem as metas e realizarem seu potencial, você precisa fornecer feedback regularmente. Mas a tensão de falar sobre questões delicadas pode ser esmagadora.

Como passar a mensagem adequada para que ela seja não apenas bem recebida, como também capaz de motivar e incentivar as mudanças necessárias?

A arte de dar feedback fornece conselhos práticos para transformar qualquer conversa sobre desempenho – de atualizações semanais a avaliações anuais – em uma oportunidade de crescimento e desenvolvimento.

Não importa se você quer reconhecer um trabalho exemplar ou abordar problemas de comportamento, neste livro você encontra dicas certeiras para promover o melhor da sua equipe. Aprenda a:

• conquistar a confiança de seus subordinados diretos

• incluir feedback nas suas interações diárias com eles

• transformar as avaliações anuais em catalisadores de crescimento

• avaliar o desempenho de forma justa

• enfatizar a melhoria e as conquistas, mesmo na hora de criticar

• reagir com calma a alguém que fica na defensiva

• reconhecer e motivar os destaques da equipe

• criar planos de desenvolvimento individualizados

Compre agora:

Ficha técnica
Lançamento 10/04/2019
Título original HBR GUIDE TO DELIVERING EFFECTIVE FEEDBACK
Tradução MARCELO SCHILD
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 192
Peso 240 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0730-1
EAN 9788543107301
Preço R$ 34,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788543107318
Preço R$ 19,99
Ficha técnica audiolivro
ISBN 9788543108438
Duração 05h 18min
Locutor Pérola Paes
Preço R$27,99
Lançamento 10/04/2019
Título original HBR GUIDE TO DELIVERING EFFECTIVE FEEDBACK
Tradução MARCELO SCHILD
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 192
Peso 240 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0730-1
EAN 9788543107301
Preço R$ 34,90

E-book

eISBN 9788543107318
Preço R$ 19,99

Audiolivro

ISBN 9788543108438
Duração 05h 18min
Locutor Pérola Paes
Preço R$27,99

Leia um trecho do livro

Capítulo 1

Quem tem medo de feedback?

Se você é como a maioria dos gestores, pode achar a perspectiva de dar feed­back aos seus funcionários um tanto estressante. Talvez esteja preocupado com a reação da sua equipe. Ou talvez tenha dúvidas se seus comentários farão alguma diferença no trabalho ou no comportamento das pessoas.

O feedback é uma ferramenta vital para assegurar que seus funcionários estejam se desenvolvendo. É uma oportuni­dade para você compartilhar suas observações sobre o desempenho profissional deles e evocar uma mudança produtiva. Sem esse retorno, eles não terão a menor ideia de como você os enxerga. Se ficar adiando uma conversa difícil com seus funcionários de baixo rendimento, o desempenho deles (e, possivelmente, também o da equipe) despencará. Se presumir que seus funcionários de alto rendimento reconhecem o próprio valor e manterão o bom trabalho, eles talvez fiquem desleixados ou simplesmente saiam de sua empresa para progredir na carreira.

O feedback aumenta a autoconsciência dos funcionários e estimula transformações positivas em toda a organização. Existem dois tipos principais: o feedback constante ocorre em uma base regular ou ad hoc; ele pode ser dado para cima (para seu chefe), para baixo (para seus subordinados) ou horizontalmente na hierarquia organizacional (para outros gestores). O feedback formal, em geral transmitido durante avaliações de desempenho anuais ou semestrais, costuma se dar apenas entre você e seus subordinados diretos. Este guia preparará você para oferecer os dois tipos.

Feedback constante

Fundamentado nos objetivos que você e seus funcionários estabeleceram juntos no começo do ano, o feedback constante fornece oportunidades para uma intervenção antecipada se alguém estiver errando o alvo. Ele também permite que você reconheça e estimule trabalhos bem realizados.

O feedback constante inclui conversas travadas na mesma hora (por exemplo, comentários construtivos sobre uma apresentação feita por um funcionário em uma reunião da diretoria), as reuniões de atualização semanais que você tem com cada membro da equipe para avaliar o progresso tanto de objetivos pequenos quanto grandes, e sessões de coaching de carreira.

Essas interações frequentes não apenas ajudam a manter todo mundo nos eixos, mas também facilitam a preparação da avaliação anual formal. Ao registrar suas observações e discutir o progresso dos funcionários no decorrer do ano, você já saberá quais são os pontos fortes e fracos de seus subordinados diretos, e eles já estarão trabalhando na melhoria e no desenvolvimento de certas áreas antes da sessão formal de feedback.

Feedback formal

O feedback formal permite a você fazer um resumo de todas as avaliações e todo o suporte que deu ao longo do ano. Assim como o feed­back constante, essas avaliações anuais são uma oportunidade de identificar o que está indo bem no desempenho de um funcionário e de diagnosticar problemas antes que eles piorem. Essa conversa não deve apresentar nenhuma surpresa: você já falou sobre problemas de desempenho nas sessões de feedback constante, assim como sobre expectativas que podem afetar salários, aumentos por mérito, bonificações e promoções. Mas a revisão formal também lhe dá uma chance de planejar o futuro, pois permite que você e seus subordinados diretos discutam quais pontos podem ser desenvolvidos e como colaborar em novos objetivos para o próximo ano, de modo que avancem no trabalho e na carreira.

Pense tanto no feedback constante quanto no formal como parte de uma parceria com seus funcionários que promove confiança e diálogo sincero. Por exemplo, estimule-os a destacar fatores que facilitem ou atrapalhem seu trabalho; isso pode acontecer durante uma conversa cara a cara ou em uma autoavaliação por escrito feita antes da reunião.

Talvez a oportunidade de solidificar as relações com membros da equipe durante almoços ou eventos depois do expediente os esteja ajudando a atingir objetivos importantes. Ou, talvez, uma dificuldade sua em controlar o tom dos e-mails esteja desencorajando os principais gerentes de projeto. Estimule-os a também tomar nota de suas realizações (“Fechei dois novos negócios e estabeleci um contato semanal com nosso novo distribuidor”) e a identificar os recursos necessários para o desenvolvimento futuro (como treinamento em um novo sistema de relatório de vendas ou um mentor para orientá-los em uma nova função).

Às vezes o medo do feedback fica tão debilitante (para os dois lados do diálogo) que você pode achar impossível superar a ansiedade e ter uma conversa significativa com seu subordinado direto. Mas é possível – e os artigos deste livro provarão isso.

Capítulo 1

Quem tem medo de feedback?

Se você é como a maioria dos gestores, pode achar a perspectiva de dar feed­back aos seus funcionários um tanto estressante. Talvez esteja preocupado com a reação da sua equipe. Ou talvez tenha dúvidas se seus comentários farão alguma diferença no trabalho ou no comportamento das pessoas.

O feedback é uma ferramenta vital para assegurar que seus funcionários estejam se desenvolvendo. É uma oportuni­dade para você compartilhar suas observações sobre o desempenho profissional deles e evocar uma mudança produtiva. Sem esse retorno, eles não terão a menor ideia de como você os enxerga. Se ficar adiando uma conversa difícil com seus funcionários de baixo rendimento, o desempenho deles (e, possivelmente, também o da equipe) despencará. Se presumir que seus funcionários de alto rendimento reconhecem o próprio valor e manterão o bom trabalho, eles talvez fiquem desleixados ou simplesmente saiam de sua empresa para progredir na carreira.

O feedback aumenta a autoconsciência dos funcionários e estimula transformações positivas em toda a organização. Existem dois tipos principais: o feedback constante ocorre em uma base regular ou ad hoc; ele pode ser dado para cima (para seu chefe), para baixo (para seus subordinados) ou horizontalmente na hierarquia organizacional (para outros gestores). O feedback formal, em geral transmitido durante avaliações de desempenho anuais ou semestrais, costuma se dar apenas entre você e seus subordinados diretos. Este guia preparará você para oferecer os dois tipos.

Feedback constante

Fundamentado nos objetivos que você e seus funcionários estabeleceram juntos no começo do ano, o feedback constante fornece oportunidades para uma intervenção antecipada se alguém estiver errando o alvo. Ele também permite que você reconheça e estimule trabalhos bem realizados.

O feedback constante inclui conversas travadas na mesma hora (por exemplo, comentários construtivos sobre uma apresentação feita por um funcionário em uma reunião da diretoria), as reuniões de atualização semanais que você tem com cada membro da equipe para avaliar o progresso tanto de objetivos pequenos quanto grandes, e sessões de coaching de carreira.

Essas interações frequentes não apenas ajudam a manter todo mundo nos eixos, mas também facilitam a preparação da avaliação anual formal. Ao registrar suas observações e discutir o progresso dos funcionários no decorrer do ano, você já saberá quais são os pontos fortes e fracos de seus subordinados diretos, e eles já estarão trabalhando na melhoria e no desenvolvimento de certas áreas antes da sessão formal de feedback.

Feedback formal

O feedback formal permite a você fazer um resumo de todas as avaliações e todo o suporte que deu ao longo do ano. Assim como o feed­back constante, essas avaliações anuais são uma oportunidade de identificar o que está indo bem no desempenho de um funcionário e de diagnosticar problemas antes que eles piorem. Essa conversa não deve apresentar nenhuma surpresa: você já falou sobre problemas de desempenho nas sessões de feedback constante, assim como sobre expectativas que podem afetar salários, aumentos por mérito, bonificações e promoções. Mas a revisão formal também lhe dá uma chance de planejar o futuro, pois permite que você e seus subordinados diretos discutam quais pontos podem ser desenvolvidos e como colaborar em novos objetivos para o próximo ano, de modo que avancem no trabalho e na carreira.

Pense tanto no feedback constante quanto no formal como parte de uma parceria com seus funcionários que promove confiança e diálogo sincero. Por exemplo, estimule-os a destacar fatores que facilitem ou atrapalhem seu trabalho; isso pode acontecer durante uma conversa cara a cara ou em uma autoavaliação por escrito feita antes da reunião.

Talvez a oportunidade de solidificar as relações com membros da equipe durante almoços ou eventos depois do expediente os esteja ajudando a atingir objetivos importantes. Ou, talvez, uma dificuldade sua em controlar o tom dos e-mails esteja desencorajando os principais gerentes de projeto. Estimule-os a também tomar nota de suas realizações (“Fechei dois novos negócios e estabeleci um contato semanal com nosso novo distribuidor”) e a identificar os recursos necessários para o desenvolvimento futuro (como treinamento em um novo sistema de relatório de vendas ou um mentor para orientá-los em uma nova função).

Às vezes o medo do feedback fica tão debilitante (para os dois lados do diálogo) que você pode achar impossível superar a ansiedade e ter uma conversa significativa com seu subordinado direto. Mas é possível – e os artigos deste livro provarão isso.

LEIA MAIS

Harvard Business Review

Sobre o autor

Harvard Business Review

É a principal fonte para quem quer encontrar as mais inteligentes ideias sobre gestão. Por meio de sua revista principal e das 13 edições internacionais licenciadas, dos livros da Harvard Business Review Press e do conteúdo digital e de ferramentas publicadas no site HBR.org, a Harvard Business Review fornece aos profissionais de todo o mundo insights e práticas de sucesso comprovado para conduzir a si mesmos e suas organizações de forma mais eficiente e causar um impacto positivo. Acesse hbr.org.

VER PERFIL COMPLETO

Veja no Blog da Sextante

Quem tem medo de feedback?
NEGÓCIOS

Quem tem medo de feedback?

O que é, o que é: aumenta a autoconsciência dos funcionários e estimula transformações positivas em toda a organização? Acertou quem pensou em feedback. Tudo bem, a piada não tem graça. E, cá entre nós, feedbacks não costumam ser associados a nada engraçado. Ao contrário. Essencial para o funcionamento de qualquer empresa-negócio-relacionamento, o tema é […]

LER MAIS

Outros títulos de Harvard Business Review