A vantagem decisiva - Sextante
Livro
Livro
NEGÓCIOS

A vantagem decisiva

A vantagem decisiva

PATRICK LENCIONI

Por que ter uma cultura saudável é o fator mais importante para o sucesso de uma empresa

Por que ter uma cultura saudável é o fator mais importante para o sucesso de uma empresa

 

Do mesmo autor do livro Os 5 desafios das equipes.

Com mais de 6 milhões de livros vendidos, Patrick Lencioni é referência mundial quando se trata de alinhar uma equipe em torno de valores e princípios comuns e maximizar seu desempenho. 

Publicado anteriormente como A maior de todas as vantagens.

 

Existe uma vantagem competitiva mais poderosa do que qualquer outra. Não se trata de marketing, finanças, tecnologia nem inteligência ou conhecimento superiores.

A diferença entre as empresas bem-sucedidas e as medíocres é a sua saúde organizacional.

Uma organização saudável é consistente e plena. Sua equipe gerencial, suas operações e sua cultura estão integradas em um ambiente sem politicagem e confusão, e isso gera resultados melhores que os dos seus concorrentes.

Neste livro, Lencioni oferece um modelo inovador e acessível para alcançar esse patamar, valendo-se de histórias reais e de lições extraídas de seus vinte anos de experiência prestando consultoria para grandes empresas e instituições americanas.

O resultado é um dos mais abrangentes e significativos trabalhos do autor, uma ótima leitura e uma inestimável ferramenta prática.

 

Do mesmo autor do livro Os 5 desafios das equipes.

Com mais de 6 milhões de livros vendidos, Patrick Lencioni é referência mundial quando se trata de alinhar uma equipe em torno de valores e princípios comuns e maximizar seu desempenho. 

Publicado anteriormente como A maior de todas as vantagens.

 

Existe uma vantagem competitiva mais poderosa do que qualquer outra. Não se trata de marketing, finanças, tecnologia nem inteligência ou conhecimento superiores.

A diferença entre as empresas bem-sucedidas e as medíocres é a sua saúde organizacional.

Uma organização saudável é consistente e plena. Sua equipe gerencial, suas operações e sua cultura estão integradas em um ambiente sem politicagem e confusão, e isso gera resultados melhores que os dos seus concorrentes.

Neste livro, Lencioni oferece um modelo inovador e acessível para alcançar esse patamar, valendo-se de histórias reais e de lições extraídas de seus vinte anos de experiência prestando consultoria para grandes empresas e instituições americanas.

O resultado é um dos mais abrangentes e significativos trabalhos do autor, uma ótima leitura e uma inestimável ferramenta prática.

Compartilhe: Email
Ficha técnica
Lançamento 10/03/2021
Título original The Advantage
Tradução Flávio Chamis
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 240
Peso 300 g
Acabamento brochura
ISBN 978-65-5564-133-2
EAN 9786555641332
Preço R$ 39,90
Ficha técnica e-book
eISBN 978-65-5564-134-9
Preço R$ 24,99
Lançamento 10/03/2021
Título original The Advantage
Tradução Flávio Chamis
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 240
Peso 300 g
Acabamento brochura
ISBN 978-65-5564-133-2
EAN 9786555641332
Preço R$ 39,90

E-book

eISBN 978-65-5564-134-9
Preço R$ 24,99

Leia um trecho do livro

Introdução

Este livro é resultado de uma jornada imprevisível, iniciada na minha infância, quando eu tinha 8 ou 9 anos.

Meu pai era um vendedor extremamente competente, mas lembro que muitas vezes ele voltava frustrado do trabalho, reclamando da maneira como a empresa estava sendo gerenciada. Eu não tinha a menor ideia do que era gerenciamento, no entanto algo me dizia que não estava certo meu pai sentir essa decepção ao fim de dez horas dedicadas ao serviço.

Alguns anos depois, comecei a trabalhar como ajudante de garçom durante o ensino médio e, em seguida, como caixa de banco, já na faculdade. Foi assim que tive a primeira noção realista sobre administração. Embora ainda não entendesse todas as implicações, ficou claro para mim que algumas coisas que aconteciam na empresa em que eu trabalhava faziam sentido, mas outras não, e que tudo isso tinha um impacto significativo em meus colegas e nos clientes que atendíamos.

Depois de formado, comecei a trabalhar para uma empresa de consultoria de gestão e pensei que finalmente entenderia essa tal história de gerenciamento. Em vez disso, eu me vi fazendo coleta, entrada, análise e uma variedade de outras atividades relacionadas a dados.

Para ser justo, a empresa me ensinou bastante sobre estratégia, finanças e marketing, mas não tanto sobre organizações e a maneira como elas devem ser geridas em sua totalidade. Porém, de algum modo, fiquei convencido de que o maior problema que nossos clientes enfrentavam – e sua maior oportunidade de vantagem competitiva – não estava em algo relacionado a estratégia, finanças ou marketing, mas em tópicos um pouco menos tangíveis e que pareciam girar em torno do modo como a organização era administrada.

Quando sugeri que analisássemos esse aspecto, meus superiores educadamente me informaram que isso não era o que nossa firma fazia, algo irônico, visto que éramos uma empresa de consultoria administrativa. Mas fiquei fascinado pelo assunto e decidi que precisava mudar o foco de minha carreira.

Passei os anos seguintes trabalhando em organizações no ramo de comportamento corporativo, desenvolvimento ou psicologia. Era tudo muito interessante, mas, ao mesmo tempo, insuficiente, fragmentado e acadêmico. Eu ficava incomodado porque sabia que havia algo que precisava ser mais amplamente reconhecido e compreendido. Percebia que alguma coisa estava sendo deixada de lado. Contexto. Integração. Praticidade.

E assim, com um grupo de colegas, abrimos nossa própria empresa e eu comecei a oferecer consultorias e dar palestras sobre uma abordagem prática, visando melhorar as organizações. Tenho de admitir que nos surpreendemos com a rapidez e o entusiasmo dos clientes em responderem à nossa abordagem. Claramente, havia uma carência nesse campo. Com o tempo, ficou evidente que muitas pessoas que trabalhavam em diversos tipos de empresas, em todos os níveis hierárquicos, experimentavam a mesma insatisfação que meu pai sentira e todas estavam ansiosas por encontrar um caminho melhor.

A partir daí, comecei a escrever livros que adotavam uma abordagem prática para os diversos problemas relacionados à disfunção corporativa: trabalho em equipe, reuniões, alinhamento, engajamento dos funcionários. Paralelamente, o departamento de consultoria de minha empresa trabalhava na integração de todos esses tópicos.

A demanda por esses livros e pela abordagem integrada de implantação de nossos conceitos excedeu as expectativas mais uma vez, e comecei a me convencer de que havíamos descoberto o que faltava, a “vantagem” que eu vinha buscando ao longo de minha carreira. Com base no feedback e encorajamento de leitores e clientes, decidi que em algum momento iria reunir todas as ideias dos meus livros e práticas de consultoria. O momento é agora.

Ao contrário de meus outros livros, A vantagem decisiva não é uma fábula, mas sim um guia abrangente e prático. Tentei torná-lo envolvente e divertido de ler, usando exemplos do mundo real e histórias de clientes para ilustrar minhas ideias. Vale a pena mencionar que muitos dos conceitos individuais que desenvolvo aqui foram introduzidos ou abordados em uma de minhas oito fábulas sobre negócios – destaco As obsessões de um executivo extraordinário; Os 5 desafios das equipes; Silos, Politics, and Turf Wars (Silos, políticas e disputas de território) e Nocaute por reunião –, nas quais uso personagens fictícios e situações inventadas para dar vida às minhas teorias. Aos que quiserem se beneficiar de uma abordagem narrativa para tópicos específicos, faço referências a tais livros sempre que possível.

Como não sou pesquisador quantitativo, as conclusões que relato não estão baseadas em fartas estatísticas ou dados detalhados, mas em minhas observações dos últimos vinte anos como consultor. Mas, como disse Jim Collins, luminar do campo de pesquisas, a pesquisa qualitativa é tão confiável quanto a quantitativa, desde que clientes e leitores atestem sua validade. Fico feliz em dizer que, baseado em minha experiência com executivos e suas organizações, os princípios apresentados neste livro provaram ser ao mesmo tempo confiáveis e simples.

Espero que você aprecie a leitura e, o mais importante, que lhe permita uma transformação em sua organização, seja ela uma corporação, um departamento dentro dessa corporação, um pequeno empreendimento empresarial, uma escola ou igreja. Meu objetivo é que, no futuro, os simples princípios aqui contidos venham a ser uma prática comum e que, consequentemente, vendedores, ajudantes de garçom, caixas de bancos, CEOs e todos os que trabalham em uma organização se tornem mais produtivos, bem-sucedidos e satisfeitos.

Introdução

Este livro é resultado de uma jornada imprevisível, iniciada na minha infância, quando eu tinha 8 ou 9 anos.

Meu pai era um vendedor extremamente competente, mas lembro que muitas vezes ele voltava frustrado do trabalho, reclamando da maneira como a empresa estava sendo gerenciada. Eu não tinha a menor ideia do que era gerenciamento, no entanto algo me dizia que não estava certo meu pai sentir essa decepção ao fim de dez horas dedicadas ao serviço.

Alguns anos depois, comecei a trabalhar como ajudante de garçom durante o ensino médio e, em seguida, como caixa de banco, já na faculdade. Foi assim que tive a primeira noção realista sobre administração. Embora ainda não entendesse todas as implicações, ficou claro para mim que algumas coisas que aconteciam na empresa em que eu trabalhava faziam sentido, mas outras não, e que tudo isso tinha um impacto significativo em meus colegas e nos clientes que atendíamos.

Depois de formado, comecei a trabalhar para uma empresa de consultoria de gestão e pensei que finalmente entenderia essa tal história de gerenciamento. Em vez disso, eu me vi fazendo coleta, entrada, análise e uma variedade de outras atividades relacionadas a dados.

Para ser justo, a empresa me ensinou bastante sobre estratégia, finanças e marketing, mas não tanto sobre organizações e a maneira como elas devem ser geridas em sua totalidade. Porém, de algum modo, fiquei convencido de que o maior problema que nossos clientes enfrentavam – e sua maior oportunidade de vantagem competitiva – não estava em algo relacionado a estratégia, finanças ou marketing, mas em tópicos um pouco menos tangíveis e que pareciam girar em torno do modo como a organização era administrada.

Quando sugeri que analisássemos esse aspecto, meus superiores educadamente me informaram que isso não era o que nossa firma fazia, algo irônico, visto que éramos uma empresa de consultoria administrativa. Mas fiquei fascinado pelo assunto e decidi que precisava mudar o foco de minha carreira.

Passei os anos seguintes trabalhando em organizações no ramo de comportamento corporativo, desenvolvimento ou psicologia. Era tudo muito interessante, mas, ao mesmo tempo, insuficiente, fragmentado e acadêmico. Eu ficava incomodado porque sabia que havia algo que precisava ser mais amplamente reconhecido e compreendido. Percebia que alguma coisa estava sendo deixada de lado. Contexto. Integração. Praticidade.

E assim, com um grupo de colegas, abrimos nossa própria empresa e eu comecei a oferecer consultorias e dar palestras sobre uma abordagem prática, visando melhorar as organizações. Tenho de admitir que nos surpreendemos com a rapidez e o entusiasmo dos clientes em responderem à nossa abordagem. Claramente, havia uma carência nesse campo. Com o tempo, ficou evidente que muitas pessoas que trabalhavam em diversos tipos de empresas, em todos os níveis hierárquicos, experimentavam a mesma insatisfação que meu pai sentira e todas estavam ansiosas por encontrar um caminho melhor.

A partir daí, comecei a escrever livros que adotavam uma abordagem prática para os diversos problemas relacionados à disfunção corporativa: trabalho em equipe, reuniões, alinhamento, engajamento dos funcionários. Paralelamente, o departamento de consultoria de minha empresa trabalhava na integração de todos esses tópicos.

A demanda por esses livros e pela abordagem integrada de implantação de nossos conceitos excedeu as expectativas mais uma vez, e comecei a me convencer de que havíamos descoberto o que faltava, a “vantagem” que eu vinha buscando ao longo de minha carreira. Com base no feedback e encorajamento de leitores e clientes, decidi que em algum momento iria reunir todas as ideias dos meus livros e práticas de consultoria. O momento é agora.

Ao contrário de meus outros livros, A vantagem decisiva não é uma fábula, mas sim um guia abrangente e prático. Tentei torná-lo envolvente e divertido de ler, usando exemplos do mundo real e histórias de clientes para ilustrar minhas ideias. Vale a pena mencionar que muitos dos conceitos individuais que desenvolvo aqui foram introduzidos ou abordados em uma de minhas oito fábulas sobre negócios – destaco As obsessões de um executivo extraordinário; Os 5 desafios das equipes; Silos, Politics, and Turf Wars (Silos, políticas e disputas de território) e Nocaute por reunião –, nas quais uso personagens fictícios e situações inventadas para dar vida às minhas teorias. Aos que quiserem se beneficiar de uma abordagem narrativa para tópicos específicos, faço referências a tais livros sempre que possível.

Como não sou pesquisador quantitativo, as conclusões que relato não estão baseadas em fartas estatísticas ou dados detalhados, mas em minhas observações dos últimos vinte anos como consultor. Mas, como disse Jim Collins, luminar do campo de pesquisas, a pesquisa qualitativa é tão confiável quanto a quantitativa, desde que clientes e leitores atestem sua validade. Fico feliz em dizer que, baseado em minha experiência com executivos e suas organizações, os princípios apresentados neste livro provaram ser ao mesmo tempo confiáveis e simples.

Espero que você aprecie a leitura e, o mais importante, que lhe permita uma transformação em sua organização, seja ela uma corporação, um departamento dentro dessa corporação, um pequeno empreendimento empresarial, uma escola ou igreja. Meu objetivo é que, no futuro, os simples princípios aqui contidos venham a ser uma prática comum e que, consequentemente, vendedores, ajudantes de garçom, caixas de bancos, CEOs e todos os que trabalham em uma organização se tornem mais produtivos, bem-sucedidos e satisfeitos.

LEIA MAIS

Patrick Lencioni

Sobre o autor

Patrick Lencioni

PATRICK LENCIONI é fundador e presidente do The Table Group, uma organização dedicada a oferecer a empresas ideias, produtos e serviços que aprimoram a saúde empresarial, o trabalho em equipe e o engajamento dos funcionários. É autor de vários livros que, juntos, venderam mais de 6 milhões de exemplares e já foram traduzidos para mais de 30 idiomas, entre eles Os 5 desafios das equipes, também publicado pela Sextante. Quando não está escrevendo, Lencioni presta consultoria a CEOs e suas equipes de executivos. Em sua base de clientes estão várias empresas da lista da Forbes 500, organizações profissionais de esporte, o Exército americano, instituições sem fins lucrativos, universidades e igrejas. Além disso, todos os anos ele ministra palestras para milhares de líderes em conferências nacionais e em grandes organizações.  

VER PERFIL COMPLETO

Outros títulos de Patrick Lencioni

Assine a nossa Newsletter

Administração, negócios e economia
Autoajuda
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness
Biografias, crônicas e histórias reais
Lançamentos do mês
Mais vendidos
Audiolivros
Selecionar todas
Administração, negócios e economia Lançamentos do mês
Autoajuda Mais vendidos
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness Audiolivros
Biografias, crônicas e histórias reais Selecionar todas

Sobre o uso de cookie neste site: usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.