As vidas de José Bonifácio - Sextante
Livro
Livro
HISTÓRIA

As vidas de José Bonifácio

As vidas de José Bonifácio

MARY DEL PRIORE

MARY DEL PRIORE É AUTORA DE MAIS DE CINQUENTA LIVROS DE HISTÓRIA DO BRASIL E VENCEDORA DE MAIS DE VINTE PRÊMIOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS, ENTRE OS QUAIS TRÊS JABUTIS.

 

“O Brasil não precisa de heróis ou ídolos, pois, bem sabemos, eles têm pés de barro. O que precisa é conhecer a história de homens de carne e osso que nos ajudem a compreender tanto o seu percurso no passado quanto a época que os produziu. É a sua complexidade que os faz se destacar no cenário. Bonifácio foi além e quis atravessar o esquecimento. Ele construiu a própria história” – Mary Del Priore

Conhecido como o Patrono da Independência do Brasil, José Bonifácio é uma figura histórica tão fascinante quanto enigmática. Sua aura de mistério intrigou inúmeros pesquisadores, que buscaram encontrar em sua trajetória qualidades e feitos que comprovassem seu heroísmo, sua genialidade, seu patriotismo.

Ao procurar entender quem foi o homem por trás do mito, no entanto, a historiadora Mary Del Priore descobriu não o super-homem que seus pares procuraram, mas um personagem de seu tempo, cheio de contradições e dilemas, forjado – como qualquer um de nós – pelas circunstâncias da vida.

Se algo conduziu fortemente o destino de Bonifácio, foram sua ambição e sua curiosidade, que o levaram a viajar incansavelmente entre Velho e Novo Mundo. Em suas andanças, ele conviveu com noções de liberdade e escravidão, explorou o meio ambiente, conheceu povos indígenas. Desejou conquistar o mundo e alcançou mais do que as circunstâncias podiam lhe oferecer.

Com uma narrativa envolvente que se assemelha à de um romance, repleta de citações históricas e casos pitorescos, As vidas de José Bonifácio deixa claro por que Mary Del Priore ocupa um lugar de destaque na divulgação da História do Brasil ao grande público.

MARY DEL PRIORE É AUTORA DE MAIS DE CINQUENTA LIVROS DE HISTÓRIA DO BRASIL E VENCEDORA DE MAIS DE VINTE PRÊMIOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS, ENTRE OS QUAIS TRÊS JABUTIS.

 

“O Brasil não precisa de heróis ou ídolos, pois, bem sabemos, eles têm pés de barro. O que precisa é conhecer a história de homens de carne e osso que nos ajudem a compreender tanto o seu percurso no passado quanto a época que os produziu. É a sua complexidade que os faz se destacar no cenário. Bonifácio foi além e quis atravessar o esquecimento. Ele construiu a própria história” – Mary Del Priore

Conhecido como o Patrono da Independência do Brasil, José Bonifácio é uma figura histórica tão fascinante quanto enigmática. Sua aura de mistério intrigou inúmeros pesquisadores, que buscaram encontrar em sua trajetória qualidades e feitos que comprovassem seu heroísmo, sua genialidade, seu patriotismo.

Ao procurar entender quem foi o homem por trás do mito, no entanto, a historiadora Mary Del Priore descobriu não o super-homem que seus pares procuraram, mas um personagem de seu tempo, cheio de contradições e dilemas, forjado – como qualquer um de nós – pelas circunstâncias da vida.

Se algo conduziu fortemente o destino de Bonifácio, foram sua ambição e sua curiosidade, que o levaram a viajar incansavelmente entre Velho e Novo Mundo. Em suas andanças, ele conviveu com noções de liberdade e escravidão, explorou o meio ambiente, conheceu povos indígenas. Desejou conquistar o mundo e alcançou mais do que as circunstâncias podiam lhe oferecer.

Com uma narrativa envolvente que se assemelha à de um romance, repleta de citações históricas e casos pitorescos, As vidas de José Bonifácio deixa claro por que Mary Del Priore ocupa um lugar de destaque na divulgação da História do Brasil ao grande público.

Compre agora:

Compartilhe: Email
Ficha técnica
Lançamento 18/03/2019
Título original AS VIDAS DE JOSÉ BONIFÁCIO
Tradução
Formato 16 X 23 CM
Número de páginas 328
Peso 0.46 KG
Acabamento BROCHURA
ISBN 9788556080448
EAN 9788556080448
Preço R$ 44.90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788556080455
Preço R$ 24.99
Selo
Estação Brasil
Lançamento 18/03/2019
Título original AS VIDAS DE JOSÉ BONIFÁCIO
Tradução
Formato 16 X 23 CM
Número de páginas 328
Peso 0.46 KG
Acabamento BROCHURA
ISBN 9788556080448
EAN 9788556080448
Preço R$ 44.90

E-book

eISBN 9788556080455
Preço R$ 24.99

Selo

Estação Brasil

Leia um trecho do livro

INTRODUÇÃO

O homem viu muitas mulheres chorarem. Conhecia todas as lágrimas: as boas e as más. As santas e as pecadoras. Mas ignorava a dor de uma mãe que perdesse o filho. Um filho que, além de linda criança, representava uma coroa. A coroa de um futuro império. Ele ouviu alguém murmurar a frase que lhe pareceu bruta: “Viva o anjo!” Coisa de “tatambas”, pensou. Coisa de gente atrasada. O corpinho repousava na bandeja coberta de flores. Fechados, os olhos azuis não refletiam o mundo que a criança começava a descobrir. Grupos de círios acesos, colocados em profusão, faziam brilhar as flores e os vidrilhos entre os quais não se distinguia o menino morto, fantasiado de anjo e deitado num pequeno leito de tafetá branco e azul-céu, guarnecido com debruns de prata. Os pés foram calçados com sapatinhos de cetim e ele trazia um ramalhete, atado às mãozinhas. O rosto descoberto foi pintado das mais vivas cores e o penteado, acrescido de uma peruca bem empoada, coroada por uma enorme auréola feita de placa de ouro e prata. Um dia, ninguém sabe por quê, sobreveio aquela febre, e logo as convulsões, que só pararam quando ele se inteiriçou num último arranco e amoleceu, morto! A impressão dos pequenos membros frios e enrijecidos lhe ficou nos dedos. O pai do menino, chorando, fez um pedido relativo ao túmulo do pequeno. Ainda tinha frescas as palavras: “Meu José. O epitáfio que deveria ser aberto sobre o caixão do meu querido filho, emende-o se não estiver bom, porque lhe dá esta autoridade este seu amo e amigo.”

Sentiu-se envelhecido. O pai do menino era moço. Era D. Pedro. Seu primogênito chamava-se João Carlos. A mãe lacrimosa, a arquiduquesa Leopoldina. Um dia ele também foi jovem e partiu para um continente velho, para o “Antigo Portugal”. Agora velho, voltara para um continente moço, o “Novo Portugal”. Trinta e seis anos tinham se passado. Era um homem entre dois mundos e entre dois tempos. Entre tempos que se entrelaçaram. Dos fatos que o cercavam não podia descrever toda a realidade, mas escreveu à sombra de muitos acontecidos.

PARTE 1

No princípio era a terra: infância e juventude

Ele nasceu no dia 13 de junho de 1763, na vila de Santos, sem fadas à volta do berço. Abriu os olhos na Rua Direita, a mais importante do povoado, numa das setenta casas ali plantadas. Passou a primeira infância à sombra do Forte de Nossa Senhora de Monserrate, à beira do porto e guarnecido com onze canhões enferrujados. Com a família e a caminho da missa, cruzou o Largo da Matriz para, reverente, entrar no Colégio dos Jesuítas, o de São Miguel, de cuja torre o som do sino anunciava nascimentos, mortes e incêndios. Por trás de pesados muros erguidos no século XVI, a sacristia, a varanda térrea, a casa dos leigos. Quando soprava o vento, o fedor da Rua dos Curtumes, ali ao lado, lembrava que os couros eram tratados com urina de boi. Dois ribeiros oleosos e escuros, o do Carmo e o do Desterro, transportando os detritos da planície litorânea, empurravam ao mar jangadas e embarcações. Mangues e canais fervilhavam de bichos. Ao fundo, a muralha verde da Serra do Mar; e, à frente, as praias onde quebravam as ondas e onde pescadores e seus pescados combatiam todos os dias. Do alto do Outeiro de Santa Catarina, do qual se avistava a vila inteira, descia o despenhadeiro pontuado por pequenas árvores. Do outro lado da cidade, as duas alfândegas, a Velha e a Nova: nomes pomposos para simples barracões. De longe, via-se o Mosteiro de São Bento, com seus três arcos e a torre oriental. A vila respirava vida religiosa. Como os tios, seria padre ou os tempos lhe reservavam outro ofício?

Descendente de antiga família do Minho e de Trás-os-Montes, “dos senhores d’Entre-Homem e Cavado”, parente dos condes de Amares e marqueses de Montebelo, “tidos entre os melhores fidalgos de Portugal”, seu avô, o coronel José Ribeiro de Andrada, ocupou rendosos ofícios, realizando o sonho de todo reinol na colônia: administrou o contrato da dízima da Alfândega do Rio de Janeiro e de Santos até 1721. Foi escrivão da Matrícula, Almoxarifado, Alfândega e Fazenda Real, cargo atribuído por biógrafos, mas inexistente na lista da administração colonial. Foi capitão de infantaria da Ordenança de Santos, posteriormente promovido a coronel. Em tudo se comportou “com boa satisfação, inteligência e limpeza de mãos”, recebendo não só altos emolumentos, como “todas as honras, privilégios, liberdades, isenções e franquezas”. Enricou, mas depois morreu pobre, numa casinha pegada ao sobrado do filho Bonifácio José.

Seus filhos também correram atrás de cargos. O mais velho, José Bonifácio de Andrada, depois de ter estudado ciências físicas e médicas em Coimbra, foi nomeado médico oficial e instalou clínica própria até ser nomeado pela Municipalidade, em 1748, médico do Presídio e Guarnição da Praça. A seguir, Tobias, que também estudou em Coimbra, voltou como tesoureiro-mor da Sé Episcopal de São Paulo. Por sua vez, João Floriano, “gramático e filósofo”, já não seguiu para a metrópole, contentando-se em tomar as ordens. Bonifácio José foi empurrado pelas circunstâncias para o que alguns biógrafos chamam de “vida prática”. Casou-se aos 32 anos, em 1758, com D. Maria Bárbara da Silva, filha de portugueses, com quem teve dez filhos, quatro mulheres – uma das quais morreu logo após ser batizada – e seis homens, entre os quais José Antônio, que, quando de sua crisma, trocaria o nome para José Bonifácio. Bonifácio José ganhou como cunhado um médico, o escrivão da Alfândega, Manuel Fernandes Souto. Todos “limpos de sangue”, ou seja, ninguém “maculado” por união com índios, negros ou judeus.

Contam que Bonifácio José teve vários empregos públicos, como o de almoxarife da Fazenda Real de Santos, a cujos proventos somou rendas vindas de imóveis comprados na cidade e de terras onde seus escravos lavravam café, cana e arroz. Sua fortuna ombrearia com a do sargento-mor de Ordenanças João Ferreira de Oliveira, negociante atacadista, ou a do negociante Antônio Gonçalves Ribas, “familiar”, ou seja, pessoa que prestava serviços aos inquisidores do temido Santo Ofício na colônia. Na lista censitária de 1765, ele detém a segunda fortuna da vila. Na de 1775, aparece com um grande plantel, 27 escravos, e dono de uma única fazenda. Aos cargos públicos somar-se-iam os negócios privados. Personagem inatacável? Não. Em 1777, o governador e capitão-general Martim Lopes o promoveu ao posto de coronel do Estado-Maior dos Dragões Auxiliares “por ser paulista das principais famílias da vila de Santos” e “ter posses para sustentar o posto com luzimento”. Mas logo retrocedeu. No ano seguinte, escreveu à rainha de Portugal, D. Maria I, pedindo a não confirmação do ato por considerar Bonifácio José “o único oficial que, esquecido de seus deveres, se não aprontou […] pelo que me parece não é digno de que Vossa Majestade lhe confirme a patente que lhe conferi, além de outros motivos que a modéstia cala”.

Fumos de fidalguia, como queriam alguns biógrafos dos Andradas? Nenhum título de duque, marquês ou conde, ou “prerrogativa de grandeza”, que consistia em não tirar o chapéu e poder sentar-se na frente do rei. Os membros da família faziam parte do que o verbete do Vocabulário português e latino do padre Bluteau chamava de “Estado do Meio”: feito de gente que andava a cavalo e servia-se de criados. Era preciso, porém, que mantivessem um estilo de vida nobre. Tudo indica que Bonifácio José, “esquecido de seus deveres” e “por motivos que a modéstia cala”, escorregou para o estado inferior. Não se encontra o nome dos Andradas entre os grandes plantadores de cana ou mesmo entre os grandes rentistas da vila nas listas censitárias subsequentes. Bonifácio José ou seu pai jamais portaram o Hábito de Cristo, condecoração dada pelo rei em troca de bons serviços, nem foram familiares do Santo Ofício, pois o cargo exigia dinheiro. A seleção dos familiares era feita entre pessoas que levassem uma vida abastada, pois lhes eram exigidos deslocamentos e viagens por conta própria. Era comum que membros da elite mercantil se habilitassem para tal função. Mas não os Andradas, que também não recebiam tratamento diferenciado, como ser chamado de “Senhor” nos despachos e requerimentos. O que lhes sobrava? A cor da pele. Pois, na colônia, a distinção entre nobres e plebeus estava borrada pela escravidão. Já dizia Domingos do Loreto Couto, cronista da época: “Não é fácil determinar nestas províncias quais sejam os homens da plebe, porque todo aquele que é branco na cor entende estar fora da esfera vulgar.” Ser alvo era ser nobre.

Além de “alvos”, tinham negócios como tantos outros comerciantes, negócios que ligavam o litoral ao planalto graças à estrada aberta até a vizinha São Vicente e ao caminho que levava de Cubatão a São Paulo, cortando a Serra de Paranapiacaba. Mais tarde, a construção da “calçada de Lorena” – estrada de pedras que recebeu o nome de seu idealizador, o fidalgo Bernardo José Maria de Lorena e Silveira, governador da capitania de São Paulo – intensificaria as transações. Pouco a pouco, a relação com São Paulo resultou num deslocamento da cidade para os terrenos mais próximos a Cubatão, facilitando a chegada e a partida de mercadorias. Até o ano de 1789, o porto de Santos acolhia bergantins, sumacas, corvetas e lanchas procedentes de Ubatuba, Rio de Janeiro, Bahia, São Sebastião, Iguape e Rio Grande do Sul. As embarcações cruzavam escaleres com remeiros carijós, encarregados de levar informação entre a fortaleza de Bertioga e o governo na Praça de Santos. No fim do século XVII e ao longo do XVIII, a Praça já tinha sua comunidade mercantil.

 

INTRODUÇÃO

O homem viu muitas mulheres chorarem. Conhecia todas as lágrimas: as boas e as más. As santas e as pecadoras. Mas ignorava a dor de uma mãe que perdesse o filho. Um filho que, além de linda criança, representava uma coroa. A coroa de um futuro império. Ele ouviu alguém murmurar a frase que lhe pareceu bruta: “Viva o anjo!” Coisa de “tatambas”, pensou. Coisa de gente atrasada. O corpinho repousava na bandeja coberta de flores. Fechados, os olhos azuis não refletiam o mundo que a criança começava a descobrir. Grupos de círios acesos, colocados em profusão, faziam brilhar as flores e os vidrilhos entre os quais não se distinguia o menino morto, fantasiado de anjo e deitado num pequeno leito de tafetá branco e azul-céu, guarnecido com debruns de prata. Os pés foram calçados com sapatinhos de cetim e ele trazia um ramalhete, atado às mãozinhas. O rosto descoberto foi pintado das mais vivas cores e o penteado, acrescido de uma peruca bem empoada, coroada por uma enorme auréola feita de placa de ouro e prata. Um dia, ninguém sabe por quê, sobreveio aquela febre, e logo as convulsões, que só pararam quando ele se inteiriçou num último arranco e amoleceu, morto! A impressão dos pequenos membros frios e enrijecidos lhe ficou nos dedos. O pai do menino, chorando, fez um pedido relativo ao túmulo do pequeno. Ainda tinha frescas as palavras: “Meu José. O epitáfio que deveria ser aberto sobre o caixão do meu querido filho, emende-o se não estiver bom, porque lhe dá esta autoridade este seu amo e amigo.”

Sentiu-se envelhecido. O pai do menino era moço. Era D. Pedro. Seu primogênito chamava-se João Carlos. A mãe lacrimosa, a arquiduquesa Leopoldina. Um dia ele também foi jovem e partiu para um continente velho, para o “Antigo Portugal”. Agora velho, voltara para um continente moço, o “Novo Portugal”. Trinta e seis anos tinham se passado. Era um homem entre dois mundos e entre dois tempos. Entre tempos que se entrelaçaram. Dos fatos que o cercavam não podia descrever toda a realidade, mas escreveu à sombra de muitos acontecidos.

PARTE 1

No princípio era a terra: infância e juventude

Ele nasceu no dia 13 de junho de 1763, na vila de Santos, sem fadas à volta do berço. Abriu os olhos na Rua Direita, a mais importante do povoado, numa das setenta casas ali plantadas. Passou a primeira infância à sombra do Forte de Nossa Senhora de Monserrate, à beira do porto e guarnecido com onze canhões enferrujados. Com a família e a caminho da missa, cruzou o Largo da Matriz para, reverente, entrar no Colégio dos Jesuítas, o de São Miguel, de cuja torre o som do sino anunciava nascimentos, mortes e incêndios. Por trás de pesados muros erguidos no século XVI, a sacristia, a varanda térrea, a casa dos leigos. Quando soprava o vento, o fedor da Rua dos Curtumes, ali ao lado, lembrava que os couros eram tratados com urina de boi. Dois ribeiros oleosos e escuros, o do Carmo e o do Desterro, transportando os detritos da planície litorânea, empurravam ao mar jangadas e embarcações. Mangues e canais fervilhavam de bichos. Ao fundo, a muralha verde da Serra do Mar; e, à frente, as praias onde quebravam as ondas e onde pescadores e seus pescados combatiam todos os dias. Do alto do Outeiro de Santa Catarina, do qual se avistava a vila inteira, descia o despenhadeiro pontuado por pequenas árvores. Do outro lado da cidade, as duas alfândegas, a Velha e a Nova: nomes pomposos para simples barracões. De longe, via-se o Mosteiro de São Bento, com seus três arcos e a torre oriental. A vila respirava vida religiosa. Como os tios, seria padre ou os tempos lhe reservavam outro ofício?

Descendente de antiga família do Minho e de Trás-os-Montes, “dos senhores d’Entre-Homem e Cavado”, parente dos condes de Amares e marqueses de Montebelo, “tidos entre os melhores fidalgos de Portugal”, seu avô, o coronel José Ribeiro de Andrada, ocupou rendosos ofícios, realizando o sonho de todo reinol na colônia: administrou o contrato da dízima da Alfândega do Rio de Janeiro e de Santos até 1721. Foi escrivão da Matrícula, Almoxarifado, Alfândega e Fazenda Real, cargo atribuído por biógrafos, mas inexistente na lista da administração colonial. Foi capitão de infantaria da Ordenança de Santos, posteriormente promovido a coronel. Em tudo se comportou “com boa satisfação, inteligência e limpeza de mãos”, recebendo não só altos emolumentos, como “todas as honras, privilégios, liberdades, isenções e franquezas”. Enricou, mas depois morreu pobre, numa casinha pegada ao sobrado do filho Bonifácio José.

Seus filhos também correram atrás de cargos. O mais velho, José Bonifácio de Andrada, depois de ter estudado ciências físicas e médicas em Coimbra, foi nomeado médico oficial e instalou clínica própria até ser nomeado pela Municipalidade, em 1748, médico do Presídio e Guarnição da Praça. A seguir, Tobias, que também estudou em Coimbra, voltou como tesoureiro-mor da Sé Episcopal de São Paulo. Por sua vez, João Floriano, “gramático e filósofo”, já não seguiu para a metrópole, contentando-se em tomar as ordens. Bonifácio José foi empurrado pelas circunstâncias para o que alguns biógrafos chamam de “vida prática”. Casou-se aos 32 anos, em 1758, com D. Maria Bárbara da Silva, filha de portugueses, com quem teve dez filhos, quatro mulheres – uma das quais morreu logo após ser batizada – e seis homens, entre os quais José Antônio, que, quando de sua crisma, trocaria o nome para José Bonifácio. Bonifácio José ganhou como cunhado um médico, o escrivão da Alfândega, Manuel Fernandes Souto. Todos “limpos de sangue”, ou seja, ninguém “maculado” por união com índios, negros ou judeus.

Contam que Bonifácio José teve vários empregos públicos, como o de almoxarife da Fazenda Real de Santos, a cujos proventos somou rendas vindas de imóveis comprados na cidade e de terras onde seus escravos lavravam café, cana e arroz. Sua fortuna ombrearia com a do sargento-mor de Ordenanças João Ferreira de Oliveira, negociante atacadista, ou a do negociante Antônio Gonçalves Ribas, “familiar”, ou seja, pessoa que prestava serviços aos inquisidores do temido Santo Ofício na colônia. Na lista censitária de 1765, ele detém a segunda fortuna da vila. Na de 1775, aparece com um grande plantel, 27 escravos, e dono de uma única fazenda. Aos cargos públicos somar-se-iam os negócios privados. Personagem inatacável? Não. Em 1777, o governador e capitão-general Martim Lopes o promoveu ao posto de coronel do Estado-Maior dos Dragões Auxiliares “por ser paulista das principais famílias da vila de Santos” e “ter posses para sustentar o posto com luzimento”. Mas logo retrocedeu. No ano seguinte, escreveu à rainha de Portugal, D. Maria I, pedindo a não confirmação do ato por considerar Bonifácio José “o único oficial que, esquecido de seus deveres, se não aprontou […] pelo que me parece não é digno de que Vossa Majestade lhe confirme a patente que lhe conferi, além de outros motivos que a modéstia cala”.

Fumos de fidalguia, como queriam alguns biógrafos dos Andradas? Nenhum título de duque, marquês ou conde, ou “prerrogativa de grandeza”, que consistia em não tirar o chapéu e poder sentar-se na frente do rei. Os membros da família faziam parte do que o verbete do Vocabulário português e latino do padre Bluteau chamava de “Estado do Meio”: feito de gente que andava a cavalo e servia-se de criados. Era preciso, porém, que mantivessem um estilo de vida nobre. Tudo indica que Bonifácio José, “esquecido de seus deveres” e “por motivos que a modéstia cala”, escorregou para o estado inferior. Não se encontra o nome dos Andradas entre os grandes plantadores de cana ou mesmo entre os grandes rentistas da vila nas listas censitárias subsequentes. Bonifácio José ou seu pai jamais portaram o Hábito de Cristo, condecoração dada pelo rei em troca de bons serviços, nem foram familiares do Santo Ofício, pois o cargo exigia dinheiro. A seleção dos familiares era feita entre pessoas que levassem uma vida abastada, pois lhes eram exigidos deslocamentos e viagens por conta própria. Era comum que membros da elite mercantil se habilitassem para tal função. Mas não os Andradas, que também não recebiam tratamento diferenciado, como ser chamado de “Senhor” nos despachos e requerimentos. O que lhes sobrava? A cor da pele. Pois, na colônia, a distinção entre nobres e plebeus estava borrada pela escravidão. Já dizia Domingos do Loreto Couto, cronista da época: “Não é fácil determinar nestas províncias quais sejam os homens da plebe, porque todo aquele que é branco na cor entende estar fora da esfera vulgar.” Ser alvo era ser nobre.

Além de “alvos”, tinham negócios como tantos outros comerciantes, negócios que ligavam o litoral ao planalto graças à estrada aberta até a vizinha São Vicente e ao caminho que levava de Cubatão a São Paulo, cortando a Serra de Paranapiacaba. Mais tarde, a construção da “calçada de Lorena” – estrada de pedras que recebeu o nome de seu idealizador, o fidalgo Bernardo José Maria de Lorena e Silveira, governador da capitania de São Paulo – intensificaria as transações. Pouco a pouco, a relação com São Paulo resultou num deslocamento da cidade para os terrenos mais próximos a Cubatão, facilitando a chegada e a partida de mercadorias. Até o ano de 1789, o porto de Santos acolhia bergantins, sumacas, corvetas e lanchas procedentes de Ubatuba, Rio de Janeiro, Bahia, São Sebastião, Iguape e Rio Grande do Sul. As embarcações cruzavam escaleres com remeiros carijós, encarregados de levar informação entre a fortaleza de Bertioga e o governo na Praça de Santos. No fim do século XVII e ao longo do XVIII, a Praça já tinha sua comunidade mercantil.

 

LEIA MAIS

Mary Del Priore

Sobre o autor

Mary Del Priore

Autora de mais de cinquenta livros de História do Brasil e vencedora de mais de vinte prêmios nacionais e internacionais, entre os quais três Jabutis. Colabora com jornais científicos e não científicos, nacionais e internacionais. É membro de instituições como a Academia Carioca de Letras, o PEN Clube do Brasil e o PEN International, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, além de órgãos internacionais como a Academia Real de História da Espanha. Ex-professora de História da FFLCH-USP e da PUC-RJ, atualmente leciona no curso de pós-graduação de História da Universidade Salgado de Oliveira.

VER PERFIL COMPLETO

Destaques na mídia

'José Bonifácio não era esse luminar que o passado ecoou', diz autora de biografia

Em “As vidas de José Bonifácio” (Estação Brasil), a escritora e historiadora Mary del Priore, de 66 anos, desconstrói o mito de “Herói da Pátria” e “Patriarca da Independência” associado ao político, cientista, poeta e advogado paulista que foi ministro de D. Pedro I e idealizador das primeiras instituições políticas do país.

O GLOBO

Turnê de lançamento

Veja no Blog da Sextante

A independência vem com a leitura: sugestões para redescobrir a história do Brasil
ESTAÇÃO BRASIL

A independência vem com a leitura: sugestões para redescobrir a história do Brasil

Neste 7 de setembro, quando se comemora o Dia da Independência, conheça sete caminhos literários para conhecer a história do país. Livros de Eduardo Bueno, Mary Del Priore e Jorge Caldeira estão entre as sugestões.

LER MAIS

Gosta da Editora Sextante?

Assine a nossa newsletter e receba as novidades.

Administração, negócios e economia
Autoajuda
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness
Biografias, crônicas e histórias reais
Lançamentos do mês
Mais vendidos
Audiolivros
Selecionar todas
Administração, negócios e economia Lançamentos do mês
Autoajuda Mais vendidos
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness Audiolivros
Biografias, crônicas e histórias reais Selecionar todas