Gerenciando vendas - Sextante
Livro
Livro
NEGÓCIOS

Gerenciando vendas

Gerenciando vendas

Este livro pertence à coleção 10 LEITURAS ESSENCIAIS

HARVARD BUSINESS REVIEW

Com mais de dois milhões de livros vendidos no mundo, a coleção DEZ LEITURAS ESSENCIAIS da Harvard Business Review é uma referência mundial para quem procura os melhores pensadores, conceitos e artigos para se desenvolver profissionalmente.

 

Selecionados entre os melhores da Harvard Business Review, estes 10 artigos são fundamentais para você alcançar o sucesso em um mundo em que os clientes estão cada vez mais bem informados e exigentes.

Incluindo autores consagrados como Philip Kotler e trazendo diversos exemplos da vida real, este livro apresenta um panorama abrangente sobre o gerenciamento de vendas no mundo atual.

Você vai aprender a:

  • motivar sua equipe de vendas da forma apropriada
  • integrar os departamentos de vendas e de marketing
  • avaliar o seu ciclo de negócios e o impacto que ele causa em sua equipe de vendas
  • identificar o centro de compras do seu cliente
  • alavancar o poder dos micromercados
  • ajustar o sistema de compensações

 

 

 

Com mais de dois milhões de livros vendidos no mundo, a coleção DEZ LEITURAS ESSENCIAIS da Harvard Business Review é uma referência mundial para quem procura os melhores pensadores, conceitos e artigos para se desenvolver profissionalmente.

 

Selecionados entre os melhores da Harvard Business Review, estes 10 artigos são fundamentais para você alcançar o sucesso em um mundo em que os clientes estão cada vez mais bem informados e exigentes.

Incluindo autores consagrados como Philip Kotler e trazendo diversos exemplos da vida real, este livro apresenta um panorama abrangente sobre o gerenciamento de vendas no mundo atual.

Você vai aprender a:

  • motivar sua equipe de vendas da forma apropriada
  • integrar os departamentos de vendas e de marketing
  • avaliar o seu ciclo de negócios e o impacto que ele causa em sua equipe de vendas
  • identificar o centro de compras do seu cliente
  • alavancar o poder dos micromercados
  • ajustar o sistema de compensações

 

 

 

Compartilhe: Email
Ficha técnica
Lançamento 15/04/2021
Título original On Sales (HBR's 10 MUST READS)
Tradução Marcelo Schild
Formato 16 x 23 cm
Número de páginas 192
Peso 250g
Acabamento brochura
ISBN 978-65-5564-146-2
EAN 9786555641462
Preço R$ 49,90
Lançamento 15/04/2021
Título original On Sales (HBR's 10 MUST READS)
Tradução Marcelo Schild
Formato 16 x 23 cm
Número de páginas 192
Peso 250g
Acabamento brochura
ISBN 978-65-5564-146-2
EAN 9786555641462
Preço R$ 49,90

Leia um trecho do livro

1 – Vendas grandes

Quem realmente faz as compras?

Thomas V. Bonoma

 

Você não está entendendo: Willy é um vendedor… Ele não sabe o básico. Ele não lhe diz qual é a lei ou indica remédios. Ele é um homem lá fora na rua, caminhando com um sorriso e sapatos engraxados. E quando começam a não sorrir de volta… é como um terremoto.

– Arthur Miller, A morte de um caixeiro-viajante

 

Os esforços de vendas de muitas empresas são modelos de eficiência em marketing. Planos de contas são cuidadosamente elaborados, as contas principais recebem atenção especial da gerência e recursos substanciais são dedicados ao processo de vendas, da prospecção de clientes ao serviço de pós-venda. No entanto, com frequência até mesmo as estratégias de vendas muito bem planejadas e executadas fracassam, porque a gerência não tem um entendimento completo da psicologia das compras – o lado humano de vender. Considere os dois exemplos a seguir:

Uma fabricante e vendedora de computadores gráficos sofisticados que vinha experimentando um rápido crescimento encontrava dificuldades para vender para grandes clientes em potencial. Contrária à prática da indústria de cotar preços de tabela altos e dar grandes descontos para usuários que comprassem em quantidade, essa companhia oferecia preços de 10% a 15% mais baixos do que os concorrentes e dava descontos menores. Ainda que frequentemente seu preço líquido fosse o mais baixo, a companhia enfrentava resistência dos compradores. O motivo, a gerência descobriu mais tarde, era que os compradores avaliavam a si mesmos e eram avaliados por seus superiores menos pelo preço líquido dos computadores sofisticados do que pela quantia deduzida do preço durante as negociações. O desconto tinha uma importância para os compradores que uma lógica sensata de definição de preços não podia prever.

Vários anos atrás, na Divisão de Linhas de Longa Distância da AT&T, um gerente de contas estava competindo por uma conta importante com um vendedor que possivelmente oferecia uma tecnologia melhor. O cliente em questão desejava sair da operadora Bell e, entre os executivos dele que poderiam tomar a decisão final, estavam: um gerente de telecomunicações que já tinha sido funcionário da Bell; um vice-presidente de processamento de dados que era conhecido em seu trabalho anterior como um “supercomprador de sistemas”, porque tinha substituído todos os computadores da IBM por máquinas de outros vendedores; e um agressivo gerente da divisão de telecomunicações que parecia inacessível para a equipe da AT&T.

O jovem gerente de contas nacionais da AT&T estava quase paralisado pela ameaça. Sua equipe nunca tinha levado em conta o poder, as motivações ou as percepções dos vários executivos na empresa do cliente, a qual vinha comprando da AT&T havia muitos anos. Sem essa análise e sem uma ação coordenada e eficiente a curto prazo – o tempo habitual para reagir à ameaça da concorrência –, o jovem gerente não conseguiria nada.

Abordando os fatores humanos

Como a psicologia pode ser usada para incrementar a eficiência das vendas? Penso que a consciência do vendedor e a atenção aos fatores humanos resultam em porcentagens mais altas de vendas concluídas e em menos surpresas desagradáveis ao longo do processo de venda.

Não seria correto chamar o lado humano das vendas de uma preocupação emergente nesse campo. Apenas as empresas mais avançadas reconhecem a importância da psicologia das compras como um fator a ser considerado na hora de aprimorar a seleção de contas e os resultados de vendas. Contudo, na maioria das indústrias, grande parte dos negócios de uma companhia vem de uma pequena minoria de seus clientes. Reter essas contas cruciais está ficando cada vez mais difícil à medida que compradores procuram constantemente não apenas o negócio mais vantajoso, mas também o vendedor que melhor compreende eles próprios e suas necessidades. São essa percepção e as vendas com metas que resultam desse processo que mais podem beneficiar gerentes de marketing.

1 – Vendas grandes

Quem realmente faz as compras?

Thomas V. Bonoma

 

Você não está entendendo: Willy é um vendedor… Ele não sabe o básico. Ele não lhe diz qual é a lei ou indica remédios. Ele é um homem lá fora na rua, caminhando com um sorriso e sapatos engraxados. E quando começam a não sorrir de volta… é como um terremoto.

– Arthur Miller, A morte de um caixeiro-viajante

 

Os esforços de vendas de muitas empresas são modelos de eficiência em marketing. Planos de contas são cuidadosamente elaborados, as contas principais recebem atenção especial da gerência e recursos substanciais são dedicados ao processo de vendas, da prospecção de clientes ao serviço de pós-venda. No entanto, com frequência até mesmo as estratégias de vendas muito bem planejadas e executadas fracassam, porque a gerência não tem um entendimento completo da psicologia das compras – o lado humano de vender. Considere os dois exemplos a seguir:

Uma fabricante e vendedora de computadores gráficos sofisticados que vinha experimentando um rápido crescimento encontrava dificuldades para vender para grandes clientes em potencial. Contrária à prática da indústria de cotar preços de tabela altos e dar grandes descontos para usuários que comprassem em quantidade, essa companhia oferecia preços de 10% a 15% mais baixos do que os concorrentes e dava descontos menores. Ainda que frequentemente seu preço líquido fosse o mais baixo, a companhia enfrentava resistência dos compradores. O motivo, a gerência descobriu mais tarde, era que os compradores avaliavam a si mesmos e eram avaliados por seus superiores menos pelo preço líquido dos computadores sofisticados do que pela quantia deduzida do preço durante as negociações. O desconto tinha uma importância para os compradores que uma lógica sensata de definição de preços não podia prever.

Vários anos atrás, na Divisão de Linhas de Longa Distância da AT&T, um gerente de contas estava competindo por uma conta importante com um vendedor que possivelmente oferecia uma tecnologia melhor. O cliente em questão desejava sair da operadora Bell e, entre os executivos dele que poderiam tomar a decisão final, estavam: um gerente de telecomunicações que já tinha sido funcionário da Bell; um vice-presidente de processamento de dados que era conhecido em seu trabalho anterior como um “supercomprador de sistemas”, porque tinha substituído todos os computadores da IBM por máquinas de outros vendedores; e um agressivo gerente da divisão de telecomunicações que parecia inacessível para a equipe da AT&T.

O jovem gerente de contas nacionais da AT&T estava quase paralisado pela ameaça. Sua equipe nunca tinha levado em conta o poder, as motivações ou as percepções dos vários executivos na empresa do cliente, a qual vinha comprando da AT&T havia muitos anos. Sem essa análise e sem uma ação coordenada e eficiente a curto prazo – o tempo habitual para reagir à ameaça da concorrência –, o jovem gerente não conseguiria nada.

Abordando os fatores humanos

Como a psicologia pode ser usada para incrementar a eficiência das vendas? Penso que a consciência do vendedor e a atenção aos fatores humanos resultam em porcentagens mais altas de vendas concluídas e em menos surpresas desagradáveis ao longo do processo de venda.

Não seria correto chamar o lado humano das vendas de uma preocupação emergente nesse campo. Apenas as empresas mais avançadas reconhecem a importância da psicologia das compras como um fator a ser considerado na hora de aprimorar a seleção de contas e os resultados de vendas. Contudo, na maioria das indústrias, grande parte dos negócios de uma companhia vem de uma pequena minoria de seus clientes. Reter essas contas cruciais está ficando cada vez mais difícil à medida que compradores procuram constantemente não apenas o negócio mais vantajoso, mas também o vendedor que melhor compreende eles próprios e suas necessidades. São essa percepção e as vendas com metas que resultam desse processo que mais podem beneficiar gerentes de marketing.

LEIA MAIS

Harvard Business Review

Sobre o autor

Harvard Business Review

É a principal fonte para quem quer encontrar as mais inteligentes ideias sobre gestão. Por meio de sua revista principal e das 13 edições internacionais licenciadas, dos livros da Harvard Business Review Press e do conteúdo digital e de ferramentas publicadas no site HBR.org, a Harvard Business Review fornece aos profissionais de todo o mundo insights e práticas de sucesso comprovado para conduzir a si mesmos e suas organizações de forma mais eficiente e causar um impacto positivo. Acesse hbr.org.

VER PERFIL COMPLETO

Outros títulos de Harvard Business Review

Assine a nossa Newsletter

Administração, negócios e economia
Autoajuda
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness
Biografias, crônicas e histórias reais
Lançamentos do mês
Mais vendidos
Audiolivros
Selecionar todas
Administração, negócios e economia Lançamentos do mês
Autoajuda Mais vendidos
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness Audiolivros
Biografias, crônicas e histórias reais Selecionar todas

Sobre o uso de cookie neste site: usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.