Livro
Livro
AUTOAJUDA

O mestre do amor

O mestre do amor

AUGUSTO CURY
ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO 4

Jesus, o maior exemplo de sabedoria, perseverança e compaixão

Jesus, o maior exemplo de sabedoria, perseverança e compaixão

Este livro conta uma história de amor: amor pela vida, pela humanidade, por suas falhas e superações. Apenas uma pessoa foi capaz de levar esse sentimento às últimas conseqüências e, em nome dele, entregar-se à morte.

Em O Mestre do amor, quarto livro da coleção Análise da inteligência de Cristo, Augusto Cury investiga a paixão que Jesus nutria pelo ser humano. Com uma abordagem poética – embora baseada na ciência, na história e na psicologia –, o autor faz um estudo sobre as tocantes mensagens que Jesus deixou antes de morrer na cruz.

Em cada momento de dor, ele reforçava os laços com seu Pai. Sabia que o sofrimento fazia parte de seu destino e que precisava dele para completar sua missão.

Refletindo sobre as reações tão generosas de Jesus, descobrimos o quanto as nossas atitudes podem ser egoístas e superficiais. Com seu exemplo, percebemos nossa tendência a superdimensionar os problemas, deixando de ver as valiosas lições que eles nos trazem.

Jesus Cristo foi um homem como qualquer outro: sofreu, chorou e viveu momentos de extrema ansiedade. Apesar disso, foi perfeito na capacidade de perdoar, respeitar, compreender, ter misericórdia e dignidade. Mas, principalmente, foi brilhante na habilidade de amar, de ser líder do seu próprio mundo e de suas emoções.

O maior conhecedor da alma humana estava ciente de nossas fraquezas, mas acreditava na pureza de nosso coração. Pela força de sua inabalável fé em nós, Jesus tornou-se o personagem mais importante da história.

Este livro conta uma história de amor: amor pela vida, pela humanidade, por suas falhas e superações. Apenas uma pessoa foi capaz de levar esse sentimento às últimas conseqüências e, em nome dele, entregar-se à morte.

Em O Mestre do amor, quarto livro da coleção Análise da inteligência de Cristo, Augusto Cury investiga a paixão que Jesus nutria pelo ser humano. Com uma abordagem poética – embora baseada na ciência, na história e na psicologia –, o autor faz um estudo sobre as tocantes mensagens que Jesus deixou antes de morrer na cruz.

Em cada momento de dor, ele reforçava os laços com seu Pai. Sabia que o sofrimento fazia parte de seu destino e que precisava dele para completar sua missão.

Refletindo sobre as reações tão generosas de Jesus, descobrimos o quanto as nossas atitudes podem ser egoístas e superficiais. Com seu exemplo, percebemos nossa tendência a superdimensionar os problemas, deixando de ver as valiosas lições que eles nos trazem.

Jesus Cristo foi um homem como qualquer outro: sofreu, chorou e viveu momentos de extrema ansiedade. Apesar disso, foi perfeito na capacidade de perdoar, respeitar, compreender, ter misericórdia e dignidade. Mas, principalmente, foi brilhante na habilidade de amar, de ser líder do seu próprio mundo e de suas emoções.

O maior conhecedor da alma humana estava ciente de nossas fraquezas, mas acreditava na pureza de nosso coração. Pela força de sua inabalável fé em nós, Jesus tornou-se o personagem mais importante da história.

Compre agora:

Ficha técnica
Lançamento 31/08/2005
Título original O MESTRE DO AMOR
Tradução
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 176
Peso 210 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 85-7542-232-4
EAN 9788575422328
Preço R$ 34,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788575426005
Preço R$ 19,99
Lançamento 31/08/2005
Título original O MESTRE DO AMOR
Tradução
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 176
Peso 210 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 85-7542-232-4
EAN 9788575422328
Preço R$ 34,90

E-book

eISBN 9788575426005
Preço R$ 19,99

Leia um trecho do livro

Prefácio

Nunca um homem foi capaz de abalar tanto os alicerces mais sólidos das ciências e das instituições humanas como Jesus Cristo. Seus discursos chocam os conceitos fundamentais da medicina, da psiquiatria, da física e da sociologia.

O pai da medicina, Hipócrates, viveu séculos antes de Cristo. A medicina é uma ciência fantástica que sempre usufruiu dos conhecimentos de outras ciências objetivando produzir técnicas para aliviar a dor e retardar o fenômeno da morte. Ela pode fazer muito para quem está vivo, mas nada para quem está definitivamente morto. Jesus perturbou os pressupostos da medicina ao discorrer sobre a superação do caos da morte e a janela da eternidade.

O mesmo também se pode dizer em relação à psiquiatria. A psiquiatria é uma ciência poética. Ela trata da alma, que é bela e real, mas intangível e invisível. Ela objetiva corrigir as rotas do mundo das ideias e a aridez da personalidade humana.

Nenhuma espécie é tão complexa quanto a nossa, e nenhuma sofre tanto como ela. Milhões de jovens e adultos são vítimas de depressão, ansiedade, estresse. A tecnologia do lazer nunca foi tão grande e as pessoas nunca estiveram tão tristes e com tanta dificuldade de navegar nas águas da emoção.

Os medicamentos antidepressivos e os tranquilizantes são excelentes armas terapêuticas, mas não têm capacidade de conduzir o ser humano a gerenciar seus pensamentos e emoções. A psiquiatria trata dos seres doentes, mas não sabe como torná-los felizes, seguros, sábios, serenos.

Jesus Cristo falou sobre algo com que a psiquiatria sonha mas não alcança. Convidou as pessoas a beberem de sua felicidade, tranquilidade e sabedoria. Quem tem coragem de fazer esse convite aos íntimos? As pessoas mais tranquilas perdem o controle nos momentos de maior tensão.

As palavras e os gestos de Jesus Cristo são capazes de chocar também a sociologia. No auge da fama, ele curvou-se diante de simples galileus e lavou seus pés, invertendo os papéis sociais: o maior deve ser aquele que serve e honra os menores. Seus gestos foram registrados nas matrizes da memória dos seus incultos discípulos, levando-os a aprender lições que reis, políticos e poderosos não aprenderam.

Jesus Cristo ainda fez gestos que abalam os alicerces da física, da química e das ciências políticas. A educação também não passou incólume por esse grande mestre. Sua psicopedagogia não apenas é atual, mas revolucionária. Ele transformou pessoas ignorantes, ansiosas e intolerantes na mais fina estirpe de pensadores.

Quem é esse homem que foi desconsiderado pela ciência mas abalou seus alicerces?

Neste livro, estudaremos suas últimas horas de vida. Ele está morrendo pregado numa cruz. Era de se esperar que dessa vez ele não brilhasse em sua inteligência, que gritasse desesperadamente, fosse consumido pelo medo, derrotado pela ansiedade e reagisse por instinto, como qualquer miserável às portas da morte. Mas, ferido, Jesus Cristo foi mais surpreendente ainda. Seus comportamentos tornaram a abalar a psicologia.

O homem Jesus fez poesia no caos. Você consegue fazer poesia quando a dor constrange sua alma? Às vezes, nem quando estamos atravessando terrenos tranquilos produzimos ideias poéticas.

A crucificação de Jesus Cristo talvez seja o evento mais conhecido da população mundial. Mas é o menos compreendido, apesar de ser o mais importante da história. Bilhões de pessoas sabem como ele morreu, mas não têm ideia dos fenômenos complexos que estavam presentes no palco da cruz e, principalmente, atrás da cortina do cenário. Estudar seus últimos momentos abrirá as janelas de nossa mente para não apenas compreendermos melhor o mais misterioso dos homens, mas também quem somos. Afinal, qual de nós pode explicar a vida que pulsa em nosso ser?

Embora este livro seja um estudo de filosofia e psicologia, o leitor encontrará, também, referências a trechos do Antigo e do Novo Testamento, com indicação do autor, do capítulo e versículo em que se encontram. Sugiro que, independentemente de sua crença, você tenha uma Bíblia ao alcance da mão. A leitura destes textos, no quadro mais amplo em que se apresentam, promoverá um conhecimento maior dessa figura única e fascinante que, com suas palavras, gestos e atitudes, revolucionou o mundo e o espírito humano.

Augusto Cury

Prefácio

Nunca um homem foi capaz de abalar tanto os alicerces mais sólidos das ciências e das instituições humanas como Jesus Cristo. Seus discursos chocam os conceitos fundamentais da medicina, da psiquiatria, da física e da sociologia.

O pai da medicina, Hipócrates, viveu séculos antes de Cristo. A medicina é uma ciência fantástica que sempre usufruiu dos conhecimentos de outras ciências objetivando produzir técnicas para aliviar a dor e retardar o fenômeno da morte. Ela pode fazer muito para quem está vivo, mas nada para quem está definitivamente morto. Jesus perturbou os pressupostos da medicina ao discorrer sobre a superação do caos da morte e a janela da eternidade.

O mesmo também se pode dizer em relação à psiquiatria. A psiquiatria é uma ciência poética. Ela trata da alma, que é bela e real, mas intangível e invisível. Ela objetiva corrigir as rotas do mundo das ideias e a aridez da personalidade humana.

Nenhuma espécie é tão complexa quanto a nossa, e nenhuma sofre tanto como ela. Milhões de jovens e adultos são vítimas de depressão, ansiedade, estresse. A tecnologia do lazer nunca foi tão grande e as pessoas nunca estiveram tão tristes e com tanta dificuldade de navegar nas águas da emoção.

Os medicamentos antidepressivos e os tranquilizantes são excelentes armas terapêuticas, mas não têm capacidade de conduzir o ser humano a gerenciar seus pensamentos e emoções. A psiquiatria trata dos seres doentes, mas não sabe como torná-los felizes, seguros, sábios, serenos.

Jesus Cristo falou sobre algo com que a psiquiatria sonha mas não alcança. Convidou as pessoas a beberem de sua felicidade, tranquilidade e sabedoria. Quem tem coragem de fazer esse convite aos íntimos? As pessoas mais tranquilas perdem o controle nos momentos de maior tensão.

As palavras e os gestos de Jesus Cristo são capazes de chocar também a sociologia. No auge da fama, ele curvou-se diante de simples galileus e lavou seus pés, invertendo os papéis sociais: o maior deve ser aquele que serve e honra os menores. Seus gestos foram registrados nas matrizes da memória dos seus incultos discípulos, levando-os a aprender lições que reis, políticos e poderosos não aprenderam.

Jesus Cristo ainda fez gestos que abalam os alicerces da física, da química e das ciências políticas. A educação também não passou incólume por esse grande mestre. Sua psicopedagogia não apenas é atual, mas revolucionária. Ele transformou pessoas ignorantes, ansiosas e intolerantes na mais fina estirpe de pensadores.

Quem é esse homem que foi desconsiderado pela ciência mas abalou seus alicerces?

Neste livro, estudaremos suas últimas horas de vida. Ele está morrendo pregado numa cruz. Era de se esperar que dessa vez ele não brilhasse em sua inteligência, que gritasse desesperadamente, fosse consumido pelo medo, derrotado pela ansiedade e reagisse por instinto, como qualquer miserável às portas da morte. Mas, ferido, Jesus Cristo foi mais surpreendente ainda. Seus comportamentos tornaram a abalar a psicologia.

O homem Jesus fez poesia no caos. Você consegue fazer poesia quando a dor constrange sua alma? Às vezes, nem quando estamos atravessando terrenos tranquilos produzimos ideias poéticas.

A crucificação de Jesus Cristo talvez seja o evento mais conhecido da população mundial. Mas é o menos compreendido, apesar de ser o mais importante da história. Bilhões de pessoas sabem como ele morreu, mas não têm ideia dos fenômenos complexos que estavam presentes no palco da cruz e, principalmente, atrás da cortina do cenário. Estudar seus últimos momentos abrirá as janelas de nossa mente para não apenas compreendermos melhor o mais misterioso dos homens, mas também quem somos. Afinal, qual de nós pode explicar a vida que pulsa em nosso ser?

Embora este livro seja um estudo de filosofia e psicologia, o leitor encontrará, também, referências a trechos do Antigo e do Novo Testamento, com indicação do autor, do capítulo e versículo em que se encontram. Sugiro que, independentemente de sua crença, você tenha uma Bíblia ao alcance da mão. A leitura destes textos, no quadro mais amplo em que se apresentam, promoverá um conhecimento maior dessa figura única e fascinante que, com suas palavras, gestos e atitudes, revolucionou o mundo e o espírito humano.

Augusto Cury

LEIA MAIS

Augusto Cury

Sobre o autor

Augusto Cury

Augusto Cury é psiquiatra, cientista, pesquisador e escritor. Publicado em mais de 70 países, é considerado o autor brasileiro mais lido da década. Você é insubstituível foi o primeiro livro de Cury publicado pela Sextante e já vendeu mais de 2 milhões de exemplares. Entre seus sucessos estão O homem mais inteligente da história, O homem mais feliz da história, Armadilhas da mente, O futuro da humanidade, A ditadura da beleza e a revolução das mulheres, O código da inteligência, O vendedor de sonhos, Ansiedade, Pais brilhantes, professores fascinantes e Nunca desista de seus sonhos.

VER PERFIL COMPLETO

Outros títulos de Augusto Cury