O Yoga que conduz à plenitude - Sextante
Livro
Livro
ESPIRITUALIDADE

O Yoga que conduz à plenitude

O Yoga que conduz à plenitude

GLORIA ARIEIRA

Os Yoga Sutras de Patañjali

Os Yoga Sutras de Patañjali

Os Yoga Sutras de Patañjali são um texto seminal da tradição dos Vedas, os livros sagrados do hinduísmo. Compilados há mais de 2 mil anos, seus aforismos ainda hoje são a base para uma visão do Yoga não como uma simples prática, mas como o meio para alcançar a maior realização humana: o autoconhecimento que leva à felicidade.

Com O Yoga que conduz à plenitude, a professora Gloria Arieira faz uma tradução comentada desse texto milenar à luz de Vedãnta – um ensinamento que vem sendo transmitido de mestre a discípulo desde tempos imemoriais e cuja premissa básica propõe que você mesmo já é a plenitude que está buscando.

Segundo a tradição védica, da qual tanto Yoga quanto Vedãnta fazem parte, ambos são considerados caminhos para a liberação. Enquanto Vedãnta é o conhecimento Absoluto, Yoga é o estilo de vida que conduz a ele, preparando a mente para o autoconhecimento e para a solução do problema fundamental humano, que é  visão de si mesmo como alguém inadequado e limitado.

Através desta obra você terá a chance de apreciar o ensinamento de Sri Patañjali neste texto essencial para a compreensão profunda da mente, dos obstáculos que ela impõe ao crescimento pessoal e das possíveis estratégias para lidar com eles.

Os Yoga Sutras de Patañjali são um texto seminal da tradição dos Vedas, os livros sagrados do hinduísmo. Compilados há mais de 2 mil anos, seus aforismos ainda hoje são a base para uma visão do Yoga não como uma simples prática, mas como o meio para alcançar a maior realização humana: o autoconhecimento que leva à felicidade.

Com O Yoga que conduz à plenitude, a professora Gloria Arieira faz uma tradução comentada desse texto milenar à luz de Vedãnta – um ensinamento que vem sendo transmitido de mestre a discípulo desde tempos imemoriais e cuja premissa básica propõe que você mesmo já é a plenitude que está buscando.

Segundo a tradição védica, da qual tanto Yoga quanto Vedãnta fazem parte, ambos são considerados caminhos para a liberação. Enquanto Vedãnta é o conhecimento Absoluto, Yoga é o estilo de vida que conduz a ele, preparando a mente para o autoconhecimento e para a solução do problema fundamental humano, que é  visão de si mesmo como alguém inadequado e limitado.

Através desta obra você terá a chance de apreciar o ensinamento de Sri Patañjali neste texto essencial para a compreensão profunda da mente, dos obstáculos que ela impõe ao crescimento pessoal e das possíveis estratégias para lidar com eles.

Compre agora:

Compartilhe: Email
Ficha técnica
Lançamento 09/10/2017
Título original O YOGA QUE CONDUZ À PLENITUDE
Tradução
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 304
Peso 280 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0521-5
EAN 9788543105215
Preço R$ 44,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788543105222
Preço R$ 24,99
Lançamento 09/10/2017
Título original O YOGA QUE CONDUZ À PLENITUDE
Tradução
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 304
Peso 280 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0521-5
EAN 9788543105215
Preço R$ 44,90

E-book

eISBN 9788543105222
Preço R$ 24,99

Leia um trecho do livro

PREFÁCIO

Comecei a me interessar por yoga em 1966, quando estava fazendo um curso de intercâmbio nos Estados Unidos e assisti, na escola, a uma demonstração de um ginasta profissional que se tornara praticante e divulgador do yoga. Não me lembro de muita coisa do que ele disse, mas me lembro de alguns slides com posturas, especialmente uma em que ele fazia shirshasana (o pouso sobre a cabeça) num posto de gasolina, ao lado de seu carro, enquanto o abastecia de combustível. Também disse que a prática de yoga supria todas as necessidades de exercício para sua atividade profissional e, ao sair do palco, deu um salto mortal com tal leveza e aparente facilidade que deixou a todos maravilhados.

Quando voltei dos Estados Unidos, trouxe dois livros que depois se mostraram muito importantes na minha vida: The Study and Practice of Yoga, de Harvey Day, e The Song of God: Bhagavad-Gita, numa tradução de Swami Prabhavananda e Christopher Isherwood.

O livro de Day, escrito nos anos 1950, era muito prático e agradável de ler, cobrindo muitos temas: posturas, respiração, fisiologia, meditação e alimentação. Assim começou minha aventura no mundo do yoga: tentando aplicar o que aprendera de um livro, como tantos outros naquela época.

Mais tarde entrei para uma academia de yoga e comecei a praticar sob a orientação de uma professora.

Em 1979, quando praticava na academia de yoga de Victor Binot, Paulo Guerra, meu professor, trouxe alguns livros do The Yoga Institute, o centro de yoga organizado mais antigo do mundo, fundado por Shri Yogendra em 1918, em Mumbai. Um deles era Yoga Sutra – Classic Yoga of Patanjali, na tradução do próprio Shri Yogendra. Esse foi meu primeiro contato com a obra de Patañjali.

Na introdução, Shri Yogendra conta que, enquanto praticava as técnicas do yoga sob as orientações de seu guru, ele não foi apresentado ao sistema de Patañjali. Como de um discípulo não era esperado que questionasse seu mestre, apenas o seguisse, ele decidiu coletar toda informação teórica que pudesse por si mesmo, de livros. Em 1921, quando estava no seu período de divulgação do yoga no Ocidente (1919-1922), recebeu da Índia o texto dos Yoga Sutras com comentários de Vyasa e Vacaspati, em sânscrito com tradução em inglês. Enquanto examinava o texto, resolveu traduzir os sutras com base na sua experiência em yoga. Por muitos anos continuou esse trabalho, inclusive coletando outros comentários dos Yoga Sutras, até que conseguiu assimilar e corroborar seu espírito com as técnicas que aprendera de seu mestre Madhavadasa. Esse trabalho foi publicado em 1978.

Em 1981 encomendei vários livros da Índia na Livraria Laissue, de Francisco Juan Laissue, um argentino de ascendência francesa, que durante muitas décadas foi a mais importante fonte de livros sobre o Oriente no Rio de Janeiro.

Um desses livros foi The Yoga-System of Patañjali, de James Haughton Woods, publicado em 1914 pela Universidade Harvard, onde era professor. Era, portanto, um trabalho acadêmico. Já existiam traduções dos sutras em si, mas Woods fez a primeira tradução para uma língua ocidental dos comentários de Vyasa sobre os Yoga Sutras, chamado Yoga Bhashya, e também de um comentário posterior, de Vacaspati Mishra, chamado Tattva Vaisharadi.

Ele tratava também da autoria dos Yoga Sutras, pois a primeira referência conhecida a Patañjali como seu autor aparece num verso laudatório na introdução do comentário de Vyasa, mas não no comentário em si.

No entanto, a tradição diz que Pantañjali é o autor não só dos Yoga Sutras, como também do Mahabhashya, o grande comentário sobre a gramática de Panini, além de ter escrito comentários sobre textos de medicina Ayurveda.

Também há quem defenda que os Yoga Sutras são uma criação coletiva de muitos autores.

A autoria é uma preocupação ocidental, pois nossa cultura valoriza a contribuição do indivíduo, que tem implicações legais e financeiras. Mas numa tradição em que tudo é uma manifestação de uma ordem cósmica, a expressão dessa manifestação através de um indivíduo também faz parte dessa ordem. Nesse caso a autoria não é uma preocupação tão importante.

Mais tarde examinei outras traduções dos Yoga Sutras feitas por mestres de Yoga: Iyengar, Swami Satyananda, Swami Satchidananda e T.K.V. Desikachar.

O que há em comum em todas as traduções a que tive acesso é que são bastante diferentes. Concluí que são a expressão da experiência pessoal de cada autor na interpretação dos sutras. Não identifiquei uma tradição de ensinamento de mestre a discípulo que mantivesse uma unidade de pensamento, como se tem em Advaita Vedanta e em outras tradições de ensinamento.

Também examinei trabalhos acadêmicos: Yogasutrabhashyavivarana of Shankara, da Dra. T. S. Rukmani, e The Yoga Sutras of Patañjali, de Edwin Bryant.

Os sutras são uma maneira peculiar de transmissão de ensinamento da cultura indiana. Usam um mínimo de palavras para transmitir uma mensagem e facilitar sua memorização. Para seu entendimento completo é necessário acrescentar outras palavras.

Por isso não se prestam ao estudo individual. Woods os chama de regras mnemônicas. Bryant diz que são como os bullet points que um palestrante utiliza para guiá-lo numa apresentação.

Portanto, para o entendimento dos Yoga Sutras é necessária uma interpretação.

Para muitos, os Yoga Sutras seriam uma expressão do Sankhya, uma tradição ateísta dentro do hinduísmo. Provavelmente por causa dos comentários de Vyasa, que seguiram essa tradição e serviram de base para os comentários posteriores.

Não vejo assim, pois há muitas referências a Ishvara (Aquele que governa). Portanto, uma tradução dos Yoga Sutras à luz de Vedanta me parece bem-vinda.

Estudei Advaita Vedanta com Gloria Arieira por 35 anos, desde que ela começou a ensinar, em 1979, após cinco anos de estudo intenso e dedicação total na Índia. Sou testemunha de seu empenho em viver uma vida de yoga. Optou por levar uma vida dentro da sociedade, com seus problemas e ensinamentos. Criou e educou três filhos. Escolheu não levar uma vida de renunciante, como muitos de seus colegas de ashram escolheram, mas todos que conheci têm enorme respeito por ela.

Portanto Gloria Arieira, pelo seu conhecimento profundo de Advaita Vedanta e sânscrito e pela sua experiência de levar uma vida de yoga, é a pessoa certa para nos apresentar essa tradução dos Yoga Sutras de Patañjali à luz de Vedanta.

João Mazza

PREFÁCIO

Comecei a me interessar por yoga em 1966, quando estava fazendo um curso de intercâmbio nos Estados Unidos e assisti, na escola, a uma demonstração de um ginasta profissional que se tornara praticante e divulgador do yoga. Não me lembro de muita coisa do que ele disse, mas me lembro de alguns slides com posturas, especialmente uma em que ele fazia shirshasana (o pouso sobre a cabeça) num posto de gasolina, ao lado de seu carro, enquanto o abastecia de combustível. Também disse que a prática de yoga supria todas as necessidades de exercício para sua atividade profissional e, ao sair do palco, deu um salto mortal com tal leveza e aparente facilidade que deixou a todos maravilhados.

Quando voltei dos Estados Unidos, trouxe dois livros que depois se mostraram muito importantes na minha vida: The Study and Practice of Yoga, de Harvey Day, e The Song of God: Bhagavad-Gita, numa tradução de Swami Prabhavananda e Christopher Isherwood.

O livro de Day, escrito nos anos 1950, era muito prático e agradável de ler, cobrindo muitos temas: posturas, respiração, fisiologia, meditação e alimentação. Assim começou minha aventura no mundo do yoga: tentando aplicar o que aprendera de um livro, como tantos outros naquela época.

Mais tarde entrei para uma academia de yoga e comecei a praticar sob a orientação de uma professora.

Em 1979, quando praticava na academia de yoga de Victor Binot, Paulo Guerra, meu professor, trouxe alguns livros do The Yoga Institute, o centro de yoga organizado mais antigo do mundo, fundado por Shri Yogendra em 1918, em Mumbai. Um deles era Yoga Sutra – Classic Yoga of Patanjali, na tradução do próprio Shri Yogendra. Esse foi meu primeiro contato com a obra de Patañjali.

Na introdução, Shri Yogendra conta que, enquanto praticava as técnicas do yoga sob as orientações de seu guru, ele não foi apresentado ao sistema de Patañjali. Como de um discípulo não era esperado que questionasse seu mestre, apenas o seguisse, ele decidiu coletar toda informação teórica que pudesse por si mesmo, de livros. Em 1921, quando estava no seu período de divulgação do yoga no Ocidente (1919-1922), recebeu da Índia o texto dos Yoga Sutras com comentários de Vyasa e Vacaspati, em sânscrito com tradução em inglês. Enquanto examinava o texto, resolveu traduzir os sutras com base na sua experiência em yoga. Por muitos anos continuou esse trabalho, inclusive coletando outros comentários dos Yoga Sutras, até que conseguiu assimilar e corroborar seu espírito com as técnicas que aprendera de seu mestre Madhavadasa. Esse trabalho foi publicado em 1978.

Em 1981 encomendei vários livros da Índia na Livraria Laissue, de Francisco Juan Laissue, um argentino de ascendência francesa, que durante muitas décadas foi a mais importante fonte de livros sobre o Oriente no Rio de Janeiro.

Um desses livros foi The Yoga-System of Patañjali, de James Haughton Woods, publicado em 1914 pela Universidade Harvard, onde era professor. Era, portanto, um trabalho acadêmico. Já existiam traduções dos sutras em si, mas Woods fez a primeira tradução para uma língua ocidental dos comentários de Vyasa sobre os Yoga Sutras, chamado Yoga Bhashya, e também de um comentário posterior, de Vacaspati Mishra, chamado Tattva Vaisharadi.

Ele tratava também da autoria dos Yoga Sutras, pois a primeira referência conhecida a Patañjali como seu autor aparece num verso laudatório na introdução do comentário de Vyasa, mas não no comentário em si.

No entanto, a tradição diz que Pantañjali é o autor não só dos Yoga Sutras, como também do Mahabhashya, o grande comentário sobre a gramática de Panini, além de ter escrito comentários sobre textos de medicina Ayurveda.

Também há quem defenda que os Yoga Sutras são uma criação coletiva de muitos autores.

A autoria é uma preocupação ocidental, pois nossa cultura valoriza a contribuição do indivíduo, que tem implicações legais e financeiras. Mas numa tradição em que tudo é uma manifestação de uma ordem cósmica, a expressão dessa manifestação através de um indivíduo também faz parte dessa ordem. Nesse caso a autoria não é uma preocupação tão importante.

Mais tarde examinei outras traduções dos Yoga Sutras feitas por mestres de Yoga: Iyengar, Swami Satyananda, Swami Satchidananda e T.K.V. Desikachar.

O que há em comum em todas as traduções a que tive acesso é que são bastante diferentes. Concluí que são a expressão da experiência pessoal de cada autor na interpretação dos sutras. Não identifiquei uma tradição de ensinamento de mestre a discípulo que mantivesse uma unidade de pensamento, como se tem em Advaita Vedanta e em outras tradições de ensinamento.

Também examinei trabalhos acadêmicos: Yogasutrabhashyavivarana of Shankara, da Dra. T. S. Rukmani, e The Yoga Sutras of Patañjali, de Edwin Bryant.

Os sutras são uma maneira peculiar de transmissão de ensinamento da cultura indiana. Usam um mínimo de palavras para transmitir uma mensagem e facilitar sua memorização. Para seu entendimento completo é necessário acrescentar outras palavras.

Por isso não se prestam ao estudo individual. Woods os chama de regras mnemônicas. Bryant diz que são como os bullet points que um palestrante utiliza para guiá-lo numa apresentação.

Portanto, para o entendimento dos Yoga Sutras é necessária uma interpretação.

Para muitos, os Yoga Sutras seriam uma expressão do Sankhya, uma tradição ateísta dentro do hinduísmo. Provavelmente por causa dos comentários de Vyasa, que seguiram essa tradição e serviram de base para os comentários posteriores.

Não vejo assim, pois há muitas referências a Ishvara (Aquele que governa). Portanto, uma tradução dos Yoga Sutras à luz de Vedanta me parece bem-vinda.

Estudei Advaita Vedanta com Gloria Arieira por 35 anos, desde que ela começou a ensinar, em 1979, após cinco anos de estudo intenso e dedicação total na Índia. Sou testemunha de seu empenho em viver uma vida de yoga. Optou por levar uma vida dentro da sociedade, com seus problemas e ensinamentos. Criou e educou três filhos. Escolheu não levar uma vida de renunciante, como muitos de seus colegas de ashram escolheram, mas todos que conheci têm enorme respeito por ela.

Portanto Gloria Arieira, pelo seu conhecimento profundo de Advaita Vedanta e sânscrito e pela sua experiência de levar uma vida de yoga, é a pessoa certa para nos apresentar essa tradução dos Yoga Sutras de Patañjali à luz de Vedanta.

João Mazza

LEIA MAIS

Gloria Arieira

Sobre o autor

Gloria Arieira

Diretora-presidente do Centro de Estudos de Vedãnta e Sânscrito Vidya Mandir. Em janeiro de 1974 foi para a Índia se encontrar com Swami Dayananda, que se tornou seu mestre. Estudou com ele até julho de 1978, retornando então ao Brasil. Além de permanecer no Ashram Sandeepani Sadhanalaya, em Mumbai, um local de aprendizado e vivência com o mestre, também estudou em outros ashrams em Utarkashi e Rishikesh, no norte da Índia. Viajou também para várias outras regiões daquele país para participar de cursos, palestras e visitas a lugares sagrados, como os templos de Tamil Nadu e Kerala, conhecendo melhor a tradição cultural e religiosa dos Vedas. Desde seu retorno, vem ensinando Vedãnta e sânscrito no Rio de Janeiro, em outras cidades do Brasil e também em Portugal. Dedica-se também ao trabalho de tradução para o português dos principais textos de tradição védica, como a Bhagayadgitã, as Upanisads e vários outros. É responsável pela publicação em português dos livros de Swami Dayananda, editados pela Vidya Mandir Editorial.

VER PERFIL COMPLETO

Veja no Blog da Sextante

“O Yoga que conduz à plenitude”: o sentimento de carência e de limitação do ser humano é devido à ignorância de si mesmo
ESPIRITUALIDADE

“O Yoga que conduz à plenitude”: o sentimento de carência e de limitação do ser humano é devido à ignorância de si mesmo

“A mente necessita de um preparo, e este é alcançado através de um estilo de vida chamado Yoga”. Livro de Gloria Arieira apresenta conhecimentos milenares, base da cultura hinduísta, e ressalta como a prática é essencial para a conquista do autoconhecimento

LER MAIS

Gosta da Editora Sextante?

Assine a nossa newsletter e receba as novidades.

Administração, negócios e economia
Autoajuda
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness
Biografias, crônicas e histórias reais
Lançamentos do mês
Mais vendidos
Audiolivros
Selecionar todas
Administração, negócios e economia Lançamentos do mês
Autoajuda Mais vendidos
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness Audiolivros
Biografias, crônicas e histórias reais Selecionar todas