VULNERABILIDADE

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima: a incrível arte de se reerguer

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima: a incrível arte de se reerguer

|

Compartilhe esse texto: Email
Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima: a incrível arte de se reerguer
“Se queremos dar a cara a tapa e amar de todo o coração, é inevitável vivenciar perdas. Se queremos experimentar coisas novas e inovadoras, é inevitável fracassar. Se queremos correr o risco de nos importar e nos comprometer, é inevitável passar por desilusões. Não importa se nossa dor será causada por um rompimento complicado ou por uma dificuldade menor, como uma discussão com um parente. Se aprendermos a superar essas experiências, poderemos escrever nosso final feliz” – Brené Brown

O que fazemos quando o que pareceria uma vitória importante se torna um fracasso retumbante? Ou quando, devido a um erro, somos tomados por uma angústia que nos paralisa e nos impede de tentar? Mais forte do que nunca se concentra na vida após a queda, quando a perspectiva do futuro embaça e a volta por cima parece distante demais. A fraqueza se entrelaça ao medo e à vergonha de insistir no incerto. Alguns o chamam de fundo do poço e, possivelmente, todos nós o conhecemos, ainda que possamos dar a ele outro nome. Não importa. É só uma sensação ruim. Diante dela, a ordem é levantar-se. No livro, Brené Brown investiga justamente o processo de se reerguer e dar a volta por cima. Faz isso partir de estudos sobre o tema e de relatos de homens e mulheres que passaram por um momento de transformação em suas vidas.

É como está no famoso samba já cantado por Beth Carvalho e Elza Soares: “Reconhece a queda e não desanima. Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”. Aqui, Brown avança nos conceitos já trabalhados nos livros “A arte da imperfeição” e “A coragem de ser imperfeito” (um texto sobre este pode ser lido aqui) e ressalta, mais uma vez, a importância da vulnerabilidade, uma espécie de pré-requisito da coragem. Esse é o ponto de partida do livro. A seguir,  você confere alguns tópicos importantes desenvolvidos pela autora.

A importância da vulnerabilidade

Brown sustenta que o desafio é “manter a coragem e descobrir como se levantar”. A vulnerabilidade é uma condição para esse movimento acontecer. Logo no início, a autora define o substantivo que lhe é tão caro: “ter a coragem de se mostrar e ser visto quando não se tem o controle algum sobre o resultado”. É uma afirmação essencial para compreender a ligação que ela costura nesse processo social de crescimento.

Embora aponte uma progressão do comportamento no caminho que nos leva a crescer e a se firmar no mundo, Brown deixa claro que não se trata de uma fórmula fácil para superar a dor. Cada indivíduo será testado de formas diferentes, levando em conta as dificuldades de sua vida. Ainda assim, apesar das diferenças que nos cercam, ela considera o processo de se reerguer uma prática espiritual, não no sentido religioso, mas fundamentada na crença de que somos ligados uns aos outros por uma força maior. “Para se reerguer, é necessário acreditar nos vínculos entre pessoas e lutar com perspectiva, sentido e propósito”, ensina.

Você e sua história

O processo tem como pilar a investigação de nossa vidas, com dores e delícias, sendo dividido em três etapas: reconhecimento, descoberta e revolução. Ou seja, reconhecer que sentimos algo, mergulhar fundo na nossa história (o que inclui reexaminar o que mais nos perturba, com sinceridade) e assumir a verdade de quem somos. Para deixar mais claro o objetivo, vale destacar como Brown o resume: “Ou você entra na sua história e assume sua verdade ou vive fora da sua história, negociando seu amor-próprio”.

Um dos grandes obstáculos de entrada desse processo é justamente lidar com emoções adversas, muitas das quais preferimos esquecer. Mas esse sentimento só confirma o quanto ainda não sabemos lidar com o desconforto e a vulnerabilidade, já que o instinto nos leva a querer fugir da dor. Adianta fingir que nada está acontecendo? Apesar do temor, a autora reforça os ganhos de se acolher a incerteza como norte, um estado de dúvidas alimentado por perguntas. Você precisa ser curioso sobre si. “Como podemos chegar àqueles momentos de virada se não nos dispusermos a explorar e a fazer perguntas? As novas informações não vão transformar nosso modo de pensar, e muito menos nossas vidas, se simplesmente caírem do céu”, destaca ela. É preciso conhecer e reconhecer para descobrir e redescobrir.

A história da descoberta

Em “Mais forte do que nunca”, Brown apresenta três perguntas-guia que ajudam a abrir caminhos para o processo de descoberta. Ela define descoberta como “o lugar em que a plenitude é cultivada e a mudança começa”. É o momento de ter consciência da história que contamos:
1) O que mais preciso aprender sobre essa situação?;
2) O que mais eu preciso aprender e entender sobre as outras pessoas da história?;
3) O que mais preciso aprender e entender sobre mim mesmo?.

A aproximação da verdade de quem somos é uma perspectiva interessante relacionada a esta etapa. A autora lembra que faz parte da nossa natureza buscar proteção e criar histórias sobre nós mesmos para conseguir driblar certos desconfortos.  Por fim, acreditamos nas nossas próprias mentiras. Por isso é preciso duvidar da história que contamos a nós mesmos, identificar as fabulações e fugas. “Quando dependemos muito de narrativas autoprotetoras, elas se tornam nossas narrativas-padrão. Não devemos esquecer que contar histórias é um poderoso instrumento de integração. Começamos a entremear em nossa vida esses enredos ocultos e falsos, e logo estamos distorcendo quem somos e nosso modo de nos relacionar com os outros”, explica Brown. O processo de descoberta, portanto, é um desprendimento dessa falsa rede. Assim, voltamos a falar da importância da vulnerabilidade e como optar por revelá-la em nós é também um ato de coragem. Difícil, embora necessário.

A revolução começa por dentro

O caminho para se chegar à revolução anunciada por Brown envolve necessariamente tomar as rédeas da nossa história. A autora dimensiona essas etapas ao longo dos capítulos e aborda questões fundamentais com as quais precisamos lidar – expectativas, decepções, autoestima, privilégios, fracassos, vergonha etc – para iniciarmos uma mudança definitiva, capaz de modificar também os que estão ao nosso redor. Isso significa assumir para nós mesmos que somos os autores da nossa vida. Parece óbvio e simples, mas imagine a quantidade de voltas dadas para entender o sentido dessa sentença e colocá-la em prática. “A revolução começa quando assumimos e incorporamos o que está no cerne da volta por cima – a descoberta de nossas histórias – ao nosso cotidiano”, ela frisa. O olhar renovado sobre si provoca a descoberta de novas histórias em casa, no trabalho e na comunidade onde estamos. Histórias ancoradas na verdade de quem somos esvaziam as fugas e possibilitam conexões mais verdadeiras. “E se nos dispuséssemos a reconhecer nossa mágoa e nosso sofrimento e, ao fazê-lo, procurássemos ter certeza de não menosprezar a mágoa e o sofrimento dos outros? Poderíamos dar a volta por cima juntos”, conclui Brown. A mudança mais profunda passa por aí.

Este post foi escrito por:

Editora Sextante

Este post foi escrito por:

Editora Sextante

Livro

Brené Brown

Professora e pesquisadora na Universidade de Houston, há 16 anos estuda a coragem, a vulnerabilidade, a vergonha e a empatia. Ela também é autora de A coragem de ser imperfeito e Mais forte do que nunca, livros que ocuparam o primeiro lugar na lista do The New York Times. Brené é fundadora e CEO da organização Brave Leaders, Inc., que leva a equipes, líderes, empreendedores e promotores de mudanças programas baseados em evidências para fomentar a coragem. Sua palestra “O poder da vulnerabilidade” é uma das mais vistas de toda a série de conferências TED, tendo sido assistida por mais de 37 milhões de pessoas

VER PERFIL COMPLETO
Livro

Primeiro lugar na lista do The New York Times. Brené Brown ousou tocar em assuntos que costumam ser evitados por causarem grande desconforto. Sua palestra a respeito de vulnerabilidade, medo, vergonha e imperfeição já teve mais de 25 milhões de visualizações.   Viver é experimentar incertezas, riscos e se expor emocionalmente. Mas isso não precisa ser […]

Brené Brown

Professora e pesquisadora na Universidade de Houston, há 16 anos estuda a coragem, a vulnerabilidade, a vergonha e a empatia. Ela também é autora de A coragem de ser imperfeito e Mais forte do que nunca, livros que ocuparam o primeiro lugar na lista do The New York Times. Brené é fundadora e CEO da organização Brave Leaders, Inc., que leva a equipes, líderes, empreendedores e promotores de mudanças programas baseados em evidências para fomentar a coragem. Sua palestra “O poder da vulnerabilidade” é uma das mais vistas de toda a série de conferências TED, tendo sido assistida por mais de 37 milhões de pessoas

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Relacionados

Editora Sextante amplia o conteúdo de seus livros para o áudio
EDITORA SEXTANTE

Editora Sextante amplia o conteúdo de seus livros para o áudio

A editora carioca lança plataforma que visa aumentar o acesso dos brasileiros ao audiolivro

LER MAIS