Da marchinha ao rap: uma lista para falar de música - Sextante
MÚSICA

Da marchinha ao rap: uma lista para falar de música

Da marchinha ao rap: uma lista para falar de música

|

Compartilhe esse texto: Email
Da marchinha ao rap: uma lista para falar de música

De Chiquinha Gonzaga a Marcelo D2. Ou, para abraçar gêneros, da vanguardista marchinha carnavalesca ao rap. Esses são o princípio e o fim de “101 canções que tocaram o Brasil”, de Nelson Motta. No robusto meio, há bossa, samba, rock, tropicália e, claro, MPB. Ao escritor, produtor e letrista coube garimpar e selecionar as músicas, um exercício saboroso e certamente ingrato. Não é difícil prever que algumas serão aplaudidas e endossadas pelos leitores enquanto outras… Bem, mas não reside aí a graça das listas, injustas e subjetivas por natureza? Nelson não se esquivou de se embolar nesse miolo sonoro ao incluir  “Dancin’ days” (de 1978, em parceria com Ruban Barra) e “Como uma onda” (de 1982, com Lulu Santos). Por que haveria?

Distribuída em ordem cronológica, a lista começa com “Ó abre alas” (1899), da revolucionária Chiquinha Gonzaga, uma das raras composições feitas por uma mulher a entrar nas seletas 101. Nelson direciona justos e notórios adjetivos a ela: “Abolicionista, republicana, feminista e pioneira pelos direitos autorais”, destaca ele, sublinhando a importância da artista, também consagrada como pianista e maestrina: “Ao lado de outro mestre, Joaquim Callado, foi uma das inventoras do choro”.  Como não poderia deixar de ser, cada recorte é sustentado pela já celebrada bagagem cultural do jornalista. Numa época caracterizada pela fluidez da internet, em que os fatos – e, inclusive, hits musicais – surgem com a mesma rapidez com que desaparecem, o livro apreende registros cristalizados pelo tempo.

Após percorrer a história da canção brasileira século adentro com nomes obrigatórios – Chico Buarque, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Cartola, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Roberto e Erasmo Carlos, entre outros -, a primeira década dos anos 2000 é saudada em três momentos distintos: com a contagiante “Deixa a vida me levar” (2002) que, cantada por Zeca Pagodinho, embalou a conquista da quinta Copa do Mundo pela seleção masculina de futebol; com a chiclete “Velha infância” (2003), eleita para representar o fenômeno Tribalistas, do trio Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte; e com a multifacetada “À procura da batida perfeita” (também de 2003), defendida por Marcelo D2.  Sobre a influência do vocalista do Planet Hemp na difusão do rap, Nelson atesta: “Foi com a malandragem e o balanço cariocas de D2 que o gênero ganhou sonoridade e sotaque diferenciado e se espalhou pelo Brasil”.

Ao menos nas páginas do livro, assim é encerrada essa jornada musical. A oficial, quer dizer. A leitura completa, todavia, esboça atalhos e possíveis desdobramentos para apreciar o vasto repertório que circula entre as muitas pontas de um país superlativo como o Brasil, com muitas possibilidades de princípios, fins e meios. No posfácio, o próprio Nelson entrega outras canções que poderiam compor o título e, de certa forma, explica por que elas afinal não estão lá: “Listas de músicas que marcam a vida de cada uma são como impressões digitais: não há duas iguais”. Já pensou como seria a sua?

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Tags: MÚSICA
Livro

Nelson Motta

Nasceu em São Paulo, em 1944, estudou design, mas começou como jornalista e crítico musical aos 20 anos. Em 1966 ganhou o I Festival Internacional da Canção com “Saveiros” (com Dori Caymmi). É letrista de 300 músicas e sucessos como “Dancin’ days” e “Como uma onda” (com Lulu Santos). Produziu discos de Elis Regina e Marisa Monte, escreveu os best-sellers Vale tudo: o som e a fúria de Tim Maia, Noites tropicais: solos, improvisos e memórias musicais e O canto da sereia, e o sucesso teatral Elis, a musical (com Patricia Andrade

VER PERFIL COMPLETO
Livro

Este livro é uma trilha sonora da História do Brasil. Quando a última letra se vai e vira-se a derradeira página, os sons ainda ecoam, convidando o leitor a entrar na parceria e recordar a trilha sonora de sua própria vida. – Eduardo Bueno, curador da Coleção 101 e autor da Coleção Brasilis   Seguindo […]

Nelson Motta

Nasceu em São Paulo, em 1944, estudou design, mas começou como jornalista e crítico musical aos 20 anos. Em 1966 ganhou o I Festival Internacional da Canção com “Saveiros” (com Dori Caymmi). É letrista de 300 músicas e sucessos como “Dancin’ days” e “Como uma onda” (com Lulu Santos). Produziu discos de Elis Regina e Marisa Monte, escreveu os best-sellers Vale tudo: o som e a fúria de Tim Maia, Noites tropicais: solos, improvisos e memórias musicais e O canto da sereia, e o sucesso teatral Elis, a musical (com Patricia Andrade

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Relacionados

101 atrações de TV que sintonizaram o Brasil: livro mistura memória e nostalgia em  bela homenagem à televisão nacional
TV

101 atrações de TV que sintonizaram o Brasil: livro mistura memória e nostalgia em bela homenagem à televisão nacional

Pessoas há mais de 3 horas na fila apesar do frio incessante. Estádio lotado. Tensão à flor da pele. Verdadeiras torcidas organizadas gritando desesperadamente o nome dos ídolos, esperando os minutos para a entrada no palco principal. Lendo a descrição da situação, tudo faz parecer uma final de Copa do Mundo, correto? No entanto, este […]

LER MAIS