AUTOAJUDA

Empatia, compaixão e autocuidado movem “Amor pelas coisas imperfeitas”, novo livro do monge Haemin Sunim

Empatia, compaixão e autocuidado movem “Amor pelas coisas imperfeitas”, novo livro do monge Haemin Sunim

|

Compartilhe esse texto: Email
Empatia, compaixão e autocuidado movem “Amor pelas coisas imperfeitas”, novo livro do monge  Haemin Sunim

“Porque a vida é preciosa demais para ser desperdiçada ridicularizando e odiando o que não nos agrada, o que não entendemos”, escreve o monge zen-budista Haemin Sunin.

A frase é o motor do seu mais novo livro, “Amor pelas coisas imperfeitas”, um elogio à empatia, à compaixão e à aceitação de si. Esses valores acompanham a leitura de ponta a ponta – ou de palavra a palavra -, abarcando os oito capítulos nos quais ele aborda a natureza das relações. A costura dá espaço também para ilustrações, citações de outros autores e pequenas reflexões poéticas.

O princípio dessa conversa é você: como você se sente, se enxerga e se percebe no mundo. Sunin lembra que, muitas vezes, agimos de acordo com a vontade dos outros e o resultado é o achatamento dos nossos desejos. É importante não confundir essa ideia como uma via torta para alimentar o ego. Há algo anterior e mais precioso nesse pensamento, segundo o monge, que é a consciência de que nossos sentimentos são importantes. “Antes de concordar com o que os outros querem fazer, por favor escute a voz aí dizendo o que você quer de verdade”, ensina ele. Encare isso como uma responsabilidade.

Parte do mundo social hoje se debate diante de um ideal de perfeição. Certamente é uma miragem amplificada por redes sociais de toda a sorte que, juntas, modelam uma vida filtrada e eventualmente desconectada da realidade. A ideia de ser bem-sucedido a qualquer custo persegue vidas inteiras e ajuda a criar uma geração de descontentes e ansiosos crônicos, críticos impiedosos de si. É também a eles que Sunin dirige suas palavras. 

“Se você está triste, tudo bem admitir que está. Se tem uma dor que o deixa perdido, tudo bem falar sobre ela. A razão por que você tem dificuldades é o fato de ser incapaz de aceitar as coisas que não podem ser mudadas. Deixe que sejam como são e veja o que acontece”, frisa.

O monge também é personagem importante da sua narrativa. Muitos capítulos são construídos a partir de suas vivências, como o dedicado à família, no qual recorda a sensação de descobrir que a mãe estava doente e havia omitido a informação para não preocupá-lo. “Embora, felizmente,  sua doença fosse tratável, fiquei com ela o mês inteiro. Pensar que acabei negligenciando meus próprios pais  enquanto me ocupava tentando ajudar desconhecidos fez meu coração arder de vergonha”, admite o monge e professor, acostumado a oferecer camadas de proteção às pessoas. Em outro momento, ele lembra dos primeiros fracassos e da sensação de que sempre deveria provar seu valor, algo latente em sua juventude.

Em “Amor pelas coisas imperfeitas”, Sunin chama atenção para gestos e atitudes capazes de tornar a vida do outro melhor. Ouvir, por exemplo. De certa forma, o capítulo sobre o tema sintetiza o pensamento compartilhado nas páginas anteriores. Para o monge sul-coreano, o processo de cura começa quando abrimos o coração e ouvimos com empatia. “Somos capazes de ajudar as pessoas não porque conhecemos a solução para os problemas delas, mas porque nos importamos o suficiente para ficar e lhes emprestar nossos ouvidos”, ressalta.

Outras lições de “Amor pelas coisas imperfeitas”

– “Não pense que você só merece ser amado quando é bem-sucedido naquilo que o mundo exige. Você já é digno de amor”.
– “Quando as ondas de uma situação difícil se aproximarem, não tome nenhuma atitude desesperada. Em vez disso, vá para um lugar tranquilo e se demore no silêncio dentro de você. Quando a sua mente toca seu silêncio profundo, você se dá conta de que tem força e sabedoria interior suficientes para seguir em frente”.
– “Frustração e fracasso são parte da vida. Se, em vez de fugirmos deles, passarmos a aceitá-los com tranquilidade, começaremos a saber o que precisamos fazer em seguida”.
– “A sua vida é difícil não porque o passado esteja segurando você, mas porque você fica pensando sobre o passado e permanece nele. Em vez de tentar negociar com o que passou, deixe-o em paz, para que ele possa fluir como um rio. O seu verdadeiro eu não é o rio de memórias, mas aquele que fica à margem do rio, silenciosamente observando seu fluxo”.
– “Não nos tornamos sábios pensando mais. Quando nossa mente relaxa e se abre, de repente temos uma nova ideia brilhante. Confie na sabedoria que existe no silêncio e descanse um pouco  sua mente ativa”.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Tags: AUTOAJUDA
Livro

Haemin Sunim

Escritor e um dos professores de zen budismo mais influentes da Coreia do Sul, país onde seus livros venderam mais de 3 milhões de exemplares e são considerados obras populares não apenas para meditação, mas para superar os desafios da vida cotidiana.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

Haemin Sunim

Escritor e um dos professores de zen budismo mais influentes da Coreia do Sul, país onde seus livros venderam mais de 3 milhões de exemplares e são considerados obras populares não apenas para meditação, mas para superar os desafios da vida cotidiana.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

LIVRO-PRESENTE EM CAPA DURA E RICAMENTE ILUSTRADO. O novo livro do autor de As coisas que você só vê quando desacelera, que já vendeu mais de 70 mil exemplares no Brasil.   “O mundo está precisando de um pouco mais de amor, compaixão e sabedoria. Haemin Sunim nos ensina a cultivar tudo isso e a encontrar […]

Haemin Sunim

Escritor e um dos professores de zen budismo mais influentes da Coreia do Sul, país onde seus livros venderam mais de 3 milhões de exemplares e são considerados obras populares não apenas para meditação, mas para superar os desafios da vida cotidiana.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

Mais de 3 milhões de livros vendidos no mundo. “Cheio de pérolas de sabedoria, este livro vai animar seu coração e elevar sua alma.” Tara Brach “Um livro para os dias de hoje, repleto de verdades universais, lindamente escrito e ilustrado. Cada parágrafo possui a própria semente, que cria raízes para a sabedoria mais profunda e […]

Haemin Sunim

Escritor e um dos professores de zen budismo mais influentes da Coreia do Sul, país onde seus livros venderam mais de 3 milhões de exemplares e são considerados obras populares não apenas para meditação, mas para superar os desafios da vida cotidiana.

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Relacionados