"Frida Kahlo para inconformistas"
AUTOAJUDA

“Frida Kahlo para inconformistas”: um sopro de inspiração a partir da vida de uma das mulheres mais influentes da história

“Frida Kahlo para inconformistas”: um sopro de inspiração a partir da vida de uma das mulheres mais influentes da história

|

Compartilhe esse texto: Email
“Frida Kahlo para inconformistas”: um sopro de inspiração a partir da vida de uma das mulheres mais influentes da história

Livro de Allan Percy destaca 60 citações de Frida que ajudam a contextualizar o percurso da artista e, ao mesmo tempo, servem como inspiração para repensar a vida. “Ela nos ensina a viver de forma genuína”, ressalta o autor

Frida Kahlo transpôs a morte. Artista potente e plural, permanece como uma das mulheres mais influentes do mundo. São tantas as referências às cores e aos temas de sua vida que é curioso pensar em Frida como uma personagem do começo do século 20. Sim, a mexicana nasceu em 1907 e morreu muito jovem, aos 47 anos. As décadas seguintes, especialmente a partir dos anos 70, ampliaram os gritos e as sutilezas de sua arte, abarcando nesse movimento de (re)descoberta detalhes de uma trajetória apaixonante e libertária. Por vezes, trágica. Frida, afinal, é a mulher marcada pela poliomielite na infância – por isso, mancava – e pelo acidente que, na juventude, a colocou à beira da morte. Também é a mulher dos autorretratos, das sobrancelhas que, unidas, davam mais personalidade ao rosto; a mulher de Diego Rivera e de Leon Trotski; a mulher de ninguém; a mulher sem filhos.

Frida Kahlo para inconformistas, de Allan Percy, reforça a cada página: é também a mulher-inspiração, entregue à vida e, justamente por isso, com muito a ensinar. “Sua personalidade única e seus escritos são um farol que afasta as sombras da mediocridade e da resignação e nos ensina a viver de forma genuína”, endossa o autor, o mesmo de “Pensar com os pés” e “As vantagens de ser otimista”.

A arte e a vida de Frida

O livro recorda o percurso de Frida a partir de 60 citações que abarcam temas diversos, da arte à morte, funcionando como estímulos para os leitores. Ao mesmo tempo, apresenta e contextualiza elementos importantes da carreira da artista. Faz isso sem nunca esquecer que Frida é a mulher que em seu último quadro – pintado dias após uma cirurgia para amputar parte inferior da perna direita – escreveu: “viva la vida”.

Embora a arte de Frida encontre raízes na cultura popular do México, suas pinturas extrapolaram o país e o continente do qual faz parte. Alguns de seus trabalhos mais conhecidos são autorretratos. “Pinto a mim mesma porque sou o assunto que conheço melhor”, declarou certa vez sobre essa característica.

A respeito das limitações físicas com as quais conviveu desde menina, ela questionou: “Pés, para que os quero, se tenho asas para voar?”. Ao que Percy instiga: “E se transformarmos nossas limitações em trampolins para conseguir tudo o que desejamos? E se transformarmos aquilo que tememos ou que nos paralisa no estímulo necessário para seguir adiante?”.

Como já é sabido, Frida Kahlo enfrentou muitas dores ao longo de sua breve vida. O relacionamento com Rivera, marcado por maus-tratos e traições, foi um gerador de crises e sofrimentos vividos até o limite. O livro recupera essa história para frisar que “temos apenas um coração que nos acompanhará até o fim de nossos dias. Por isso, precisamos cuidar dele. Também devemos escutar a nós mesmos, procurar nos cercar de pessoas boas e nos proteger de histórias destrutivas”.

Viver a vida segundo Frida

É possível inventar verbos? Quero te dizer um: eu te céu. Assim, minhas asas se estendem, enormes, para te amar sem medida”. Com essa frase de Frida, Percy lembra da natureza avessa às convenções da artista. Daí o ato de inventar verbos parecer tão necessário. Por que você não inventa suas próprias palavras?, o autor pergunta.

É essa a dinâmica que o livro propõe, engatilhando passagens da vida de Frida com pílulas que estimulam um olhar sobre nossas ações e atitudes, numa costura amparada pela leitura de outros autores e pensadores. São fontes de inspiração. A seguir, você conhece novas citações e comentários a respeito desse universo que foi – e é – Frida Kahlo:

Tudo pode ter beleza, até o mais horrível”

Para Percy, é preciso se libertar dos padrões que nos acorrentam e nos impedem de viver a vida por nós mesmos: “Era a isso que Frida se referia quando, em centenas de ocasiões, pintou seu corpo maculado, resgatando sua beleza”.

Nada é mais valioso do que o riso. É preciso ter força para rir e abandonar a si mesmo, para ser leve. A tragédia é ridícula”.

O livro destaca alguns dos benefícios comprovados do bom-humor: aumento das defesas; melhora na oxigenação; sensação de bem-estar; aumento da autoestima e rejuvenescimento.

Eu, que me apaixonei por suas asas, jamais irei cortá-las”.

Amor e liberdade precisam andar juntos. “Se Frida cortasse as asas de Diego, não estaria fazendo com que o homem forte e livre por quem se apaixonou deixasse de existir? Talvez ele continuasse a seu lado por mais tempo, porém não seria a mesma pessoa”.

Emparedar o próprio sofrimento é arriscar-se a ser devorado por ele de dentro para fora”.

A lição é urgente: não devemos jamais permitir que a dor tome as rédeas de nossas vidas.

Nossa passagem pelo mundo é tão absurda e fugaz que o que me tranquiliza é saber que fui autêntica, que consegui ser o mais parecida possível comigo mesma”.

Perseverar em seus caminhos e se manter firmes são características de pessoas autênticas como Frida, destaca Percy.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Tags: AUTOAJUDA
Livro

Allan Percy

Allan Percy é especialista em coaching e em literatura de autoajuda e desenvolvimento pessoal. Autor premiado, já trabalhou como editor, tradutor e ghost-writer, além de atuar como consultor editorial para várias editoras espanholas. Seus livros já venderam cerca de 800 mil exemplares no Brasil.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

60 PÍLULAS DE INSPIRAÇÃO PARA DESENHAR A VIDA DO SEU JEITO. Os livros de Allan Percy já venderam cerca de 800 mil exemplares no Brasil.   Frida Kahlo para inconformistas traça o retrato inspirador de uma artista autêntica e plural, conhecida mundialmente por seus quadros coloridos, pungentes, sofridos. Além de sua pintura poderosa, Frida deixou […]

Allan Percy

Allan Percy é especialista em coaching e em literatura de autoajuda e desenvolvimento pessoal. Autor premiado, já trabalhou como editor, tradutor e ghost-writer, além de atuar como consultor editorial para várias editoras espanholas. Seus livros já venderam cerca de 800 mil exemplares no Brasil.

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Relacionados