“Histórias lindas de morrer”: como a certeza da morte transforma o valor da vida - Sextante
AUTOAJUDA

“Histórias lindas de morrer”: como a certeza da morte transforma o valor da vida

“Histórias lindas de morrer”: como a certeza da morte transforma o valor da vida

|

Compartilhe esse texto: Email
“Histórias lindas de morrer”: como a certeza da morte transforma o valor da vida

Em novo livro, autora de “A morte é um dia que vale a pena viver” recorda as lições de pacientes que enfrentaram graves doenças: “A presença iminente da morte foi capaz de despertar o melhor de cada um”

O livro A morte é um dia que vale a pena viver ajudou a lançar um renovado facho de luz sobre a trajetória de Ana Claudia Quintana Arantes, médica especializada no cuidado de pessoas em processo de morrer. O olhar mais humanizado é a base dos chamados Cuidados Paliativos, endereçado tanto ao paciente quanto ao núcleo que o protege e acompanha (familiares e amigos). Se a finitude é irreversível, profissionais como Ana Claudia defendem que a despedida seja menos abrupta e corrosiva, desvinculada da dor e do sofrimento; que seja possível viver bem, com consciência da própria vida, até o inevitável fim. A obra foi uma das inspirações para “Bom Sucesso”, recente novela da TV Globo na qual Antonio Fagundes viveu um editor que descobre uma doença terminal. No último capítulo, o personagem morreu sorrindo, em paz, reconfortado pela medicina e pelos familiares.

Pois bem, Histórias lindas de morrer amplia a delicadeza que A morte é um dia que vale a pena viver apresentou. Dessa vez, Ana Claudia se concentra no processo vivido por homens e mulheres diante desse mistério que nos conduz ao fim da vida… ao menos da vida como a conhecemos. São mais de dez histórias destrinchadas pela médica. Como pode se supor, trata-se de uma leitura guiada pela emoção. Mas quem estiver embarcando pela primeira vez no mergulho que Ana Claudia propõe vai se surpreender ao constatar o quanto essa jornada também pode ser modelada pelo humor, pela alegria e pela felicidade.

A importância dos Cuidados Paliativos fica mais evidente quando a progressão da doença atinge níveis elevados, ressalta a médica, há mais de duas décadas envolvida nesse tipo de prática. Habilidades técnicas, como avaliar histórico clínico e escolher remédios, apenas compõem um processo muito mais abrangente. Aqui, a diferença se faz também na disposição e no interesse real na vida do outro.

À medida que costura as experiências de vida, Ana Claudia reflete sobre o exercício da medicina e encoraja profissionais a se aproximarem mais das histórias de seus pacientes. “Estudos mostram que os pacientes querem falar. Falar sobre a morte deles, sobre como vai ser. Querem que respeitem o que falam. Mas ninguém quer escutar. Os médicos deveriam conversar sobre vida com seus pacientes, não sobre cura. Para que você quer a cura? A resposta para isso envolve a vida. É justo esconder a morte?”, questiona-se. A leitura ratifica que Histórias lindas de morreré resultado de um gesto contínuo de escuta, sem a qual a verdadeira empatia não se cumpre.

A morte mostra que viver é urgente

“Cada um dos personagens é um convidado de honra na minha existência como médica e como ser humano”, frisa ela, lembrando que as histórias reunidas no livro “contemplaram a diversidade de aprendizados que torna a vida tão bela e tão cheia de sentido exatamente porque termina”. Em seu novo livro, Ana Claudia partilha momentos em que “a presença iminente da morte foi capaz de despertar o melhor de cada um, transformando o final da existência em uma epifania, uma descoberta”. A despeito da fragilidade que os consome, esses personagens confirmam a certeza de que viver é urgente. Ao refletir sobre a experiência de relatar essas histórias, a médica conclui: “Cada uma delas me fez muito melhor. Mais do que a afeição que nos uniu, elas me habitam. Ocupam um espaço imenso no meu coração. Integram meus atos e pensamentos”.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Tags: AUTOAJUDA
Livro

Ana Claudia Quintana Arantes

Ana Claudia Quintana Arantes é médica formada pela USP, com residência em geriatria e gerontologia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Fez pós-graduação em Psicologia – Intervenções em Luto pelo Instituto 4 Estações de Psicologia e especialização em Cuidados Paliativos pelo Instituto Pallium e pela Universidade de Oxford. É sócia-fundadora da Associação Casa do Cuidar, onde coordena os cursos de formação avançada multiprofissional – Prática e Ensino em Cuidados Paliativos. Em 2012, publicou seu primeiro livro de poesia, Linhas pares, utilizado como base de pesquisa do impacto da poesia sobre a esperança de pessoas gravemente enfermas. Seu segundo livro, A morte é um dia que vale a pena viver, permanece entre os mais vendidos e recomendados desde a primeira edição, em 2016

VER PERFIL COMPLETO
Livro

AUTORA DO BEST-SELLER A MORTE É UM DIA QUE VALE A PENA VIVER. Com momentos tocantes, tensos e também divertidos, Histórias lindas de morrer nos relembra a importância das relações humanas e do respeito ao outro.   Como médica paliativa, Ana Claudia Quintana Arantes cuida de pacientes terminais há mais de vinte anos, em contato […]

Ana Claudia Quintana Arantes

Ana Claudia Quintana Arantes é médica formada pela USP, com residência em geriatria e gerontologia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Fez pós-graduação em Psicologia – Intervenções em Luto pelo Instituto 4 Estações de Psicologia e especialização em Cuidados Paliativos pelo Instituto Pallium e pela Universidade de Oxford. É sócia-fundadora da Associação Casa do Cuidar, onde coordena os cursos de formação avançada multiprofissional – Prática e Ensino em Cuidados Paliativos. Em 2012, publicou seu primeiro livro de poesia, Linhas pares, utilizado como base de pesquisa do impacto da poesia sobre a esperança de pessoas gravemente enfermas. Seu segundo livro, A morte é um dia que vale a pena viver, permanece entre os mais vendidos e recomendados desde a primeira edição, em 2016

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Neste Dia dos Pais, dê livros de presente: confira 15 sugestões especiais
DIA DOS PAIS

Neste Dia dos Pais, dê livros de presente: confira 15 sugestões especiais

Livros de autoajuda, espiritualidade e negócios estão entre as dicas reunidas pela Editora Sextante para presentear os pais. Que tipo de pai é o seu? Este ano, a data será comemorada no dia 11 de agosto.

LER MAIS