Você escolhe ser livre? - Sextante
AUTOAJUDA

Você escolhe ser livre?

Você escolhe ser livre?

|

Compartilhe esse texto: Email
Você escolhe ser livre?

Em uma conversa franca e afetiva, Edith Eva Eger aborda, em novo livro, as crenças que limitam nossa liberdade e mostra como podemos deixar o passado para trás.

Edith Eva Eger emocionou leitores de todo o mundo quando publicou A bailarina de Auschwitz, que só no Brasil vendeu mais de 50 mil exemplares. Aos 93 anos, ela acaba de lançar A liberdade é uma escolha, uma obra em que reúne ensinamentos práticos que ajudam a identificar as armadilhas mentais que nos aprisionam e a desenvolver as estratégias necessárias para nos libertarmos delas.

“A base da liberdade é o poder de escolha.”, recorda a escritora, que sobreviveu ao holocausto e é, hoje, doutora em psicologia. Diante de tempos tão sombrios, suas palavras são uma lição de esperança e de superação – uma afirmação do poder que temos sobre nossa própria felicidade e um oportuno lembrete de que a liberdade é uma escolha que podemos fazer todos os dias, independentemente das circunstâncias.

A autora descreve 12 crenças aprisionadoras mais recorrentes – incluindo o medo, a tristeza, a raiva, o estresse, a culpa e a vergonha. A cada capítulo, ela analisa uma prisão mental, ilustrando seus efeitos devastadores e recorrendo à sua trajetória pessoal de aprendizado e a casos selecionados a partir da experiência clínica. Depois, apresenta estratégias que utiliza para provocar uma efetiva mudança de perspectiva.

Com empatia e uma boa dose de humor, Edith captura a vulnerabilidade e os desafios comuns a todos, estabelecendo com os leitores um diálogo cúmplice e afetivo. É como se estivéssemos todos em seu consultório diante de perguntas e sugestões instigantes. O ponto de partida são três orientações que devem nortear os primeiros passos no caminho da liberdade plena.

– Ninguém muda até estar pronto.

– Mudar é interromper hábitos e padrões que não nos servem mais.

– Você muda para assumir o seu verdadeiro eu.


Liberte-se de suas prisões mentais

Em seu texto de introdução, Edith recorda sua primeira noite em Auschwitz, quando foi forçada a dançar para Josef Mengele, o oficial nazista conhecido como Anjo da Morte. “Dance para mim”, ele ordenou, enquanto a orquestra do campo tocava a valsa “Danúbio azul”.

A intimação provocou em Edith um terrível sentimento de paralisia e, para superá-lo, recorreu ao conselho dado por sua mãe: “Ninguém pode tirar de você o que você colocar na sua mente. Na minha imaginação, eu não era mais a prisioneira morta de frio e de fome e arrasada pela perda. Eu estava no palco da Ópera de Budapeste interpretando a Julieta do balé de Tchaikovsky.”

Sua experiência de intimidade com o sofrimento e o medo ilustra um ensinamento fundamental: não podemos escolher o que nos acontece, mas podemos escolher como reagir às experiências.  O que importa não é o que já ocorreu, mas o que pode ser feito de agora em diante e de que maneira é possível encontrar na dor o aprendizado para fortalecer nossa perseverança.

“Como psicóloga, mãe, avó e bisavó, como observadora de meu próprio comportamento e do dos outros, além de sobrevivente de Auschwitz, posso dizer que minha pior prisão não foi aquela em que os nazistas me colocaram, mas a que eu construí para mim mesma.”, reflete Edith.

Este post foi escrito por:

Felipe Maciel

Jornalista com 20 anos de experiência no mercado e pós-graduação em Mercado Editorial e em Tradução, trabalhou em jornais, revistas e agências de comunicação. Foi coordenador de comunicação do Sesc Rio. Desde 2010, trabalha no mercado editorial com passagens por algumas das principais editoras do país.

Este post foi escrito por:

Felipe Maciel

Jornalista com 20 anos de experiência no mercado e pós-graduação em Mercado Editorial e em Tradução, trabalhou em jornais, revistas e agências de comunicação. Foi coordenador de comunicação do Sesc Rio. Desde 2010, trabalha no mercado editorial com passagens por algumas das principais editoras do país.

Tags: AUTOAJUDA
Livro

Edith Eva Eger

EDITH EVA EGER Foi bailarina e ginasta até os 16 anos, quando foi enviada a Auschwitz com sua família. Após sobreviver ao Holocausto, sofreu diversos sintomas de estresse pós-traumático até os 50 anos, quando iniciou um longo processo de cura. Hoje é doutora em psicologia e já trabalhou com veteranos de guerra e vítimas de trauma físico e emocional. Aos 90 anos escreveu A bailarina de Auschwitz e continua atendendo pacientes na sua clínica, na Califórnia.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

  Da autora do best-seller A bailarina de Auschwitz, mais de 50.000 exemplares vendidos no Brasil. Com a delicadeza e a força inspiradora que se tornaram sua marca registrada, a Dra. Eger joga luz sobre as principais crenças que limitam nossa liberdade e nos ensina a mudar os pensamentos e comportamentos que nos mantêm presos […]

Edith Eva Eger

EDITH EVA EGER Foi bailarina e ginasta até os 16 anos, quando foi enviada a Auschwitz com sua família. Após sobreviver ao Holocausto, sofreu diversos sintomas de estresse pós-traumático até os 50 anos, quando iniciou um longo processo de cura. Hoje é doutora em psicologia e já trabalhou com veteranos de guerra e vítimas de trauma físico e emocional. Aos 90 anos escreveu A bailarina de Auschwitz e continua atendendo pacientes na sua clínica, na Califórnia.

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Juntos e shallow now? Saia do raso e dê livros de presente no Dia dos Namorados. Confira as dicas da Sextante
PRESENTES

Juntos e shallow now? Saia do raso e dê livros de presente no Dia dos Namorados. Confira as dicas da Sextante

Descubra sugestões para presentear a pessoa amada. As dicas estão divididas por categorias: namorados empreendedores, emotivos, contestadores e contemplativos. A data é só uma desculpa. Isso aqui vale para o ano todo.

LER MAIS
Sobre o uso de cookie neste site: usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.