A poesia encontra o zen-budismo em momento de rara beleza - Sextante
POESIA

A poesia encontra o zen-budismo em momento de rara beleza

|

Compartilhe esse texto: Email
A poesia encontra o zen-budismo em momento de rara beleza

Um verdadeiro diálogo poético que nos faz refletir a cada instante sobre a imensidão de estarmos vivos.

Poesia para inspirar a alma e sabedoria para refletir sobre as grandes questões da existência. O encontro entre a Monja Coen e o escritor Allan Dias Castro marca um daqueles raros momentos de perfeita comunhão. A arte e a sensibilidade do poeta se unem ao profundo conhecimento do zen-budismo da líder espiritual. Juntos, eles ampliam a visão e permitem colocar os grandes temas que rondam a humanidade sob outras perspectivas.

Monja Coen e Allan se conheceram em 2019 durante um retiro promovido pelo Instituto Hermógenes em Mendes, cidade da região serrana do Rio de Janeiro. O poeta já nutria uma imensa admiração pelo maior nome do budismo no Brasil – Monja Coen é adepta da tradição Sôtô Zenshû e considerada a principal difusora do pensamento do budismo zen japonês no país. A identificação entre eles foi imediata.

“Uma simplicidade difícil de alcançar. Confesso que já nesse momento nasceu a ideia de quem sabe um dia fazermos uma parceria literária”, registrou Dias Castro. “Um momento mágico e de grande sabedoria. Forte, seguro, verdadeiro, sincero”, definiu Monja Coen. Dessa ocasião fortuita, nasceu o embrião de A monja e o poeta, a obra literária que resulta do diálogo sensível entre a poesia e o zen-budismo.

Que todos os seres possam despertar

Onze poemas e 22 temas conduzem o livro e dão o tom para uma ampla reflexão sobre a vida em todas as suas nuances.  A edição inclui ainda textos inéditos do poeta em que ele revisita circunstâncias de sua vida e conta como o cotidiano inspira sua poesia. A eles se somam os comentários inspirados de Monja Coen, que contribui, com sua generosa leitura, para a expansão do significado de cada verso.

Sem pressa nem imposições, os autores colocam na mesa questões fundamentais que nos cercam, como o amor, o perdão, a raiva, o medo, a gratidão, o ego, além da própria transitoriedade da vida. Tudo é profundamente simples e extremamente complexo.

Em seu texto de apresentação, o poeta dá as boas-vindas aos que desejam se aventurar: “Já que a vida é um mergulho profundo, para que possamos perceber através de palavras e gestos simples a imensidão de estarmos vivos, deixo este convite: vamos mergulhar?”

Sorrir e recomeçar

Diante dos desafios do mundo contemporâneo, investigar a fundo como desejamos experimentar a existência é tão fundamental quanto nos prepararmos tecnicamente para as disputas que o mundo nos impõe. E a construção de quem realmente somos se consolida a cada dia, ou melhor, dia após dia.

Sobre essa eterna construção de si e os altos e baixos que todos nós visitamos em nossas jornadas, Monja Coen avalia a partir da leitura do poema “Só por hoje“: “Cada dia é o que é. Podemos atravessar momentos de alegria, euforia, tristeza, dor, luto, nascimento, morte. Tudo é possível. O bem e o mal, o certo e o errado. Tudo faz parte e tudo está mudando. Tudo Zen e a qualquer momento pode mudar. O desmoronar também é o Zen.”

“Se tudo que a gente planejou tivesse dado certo, muitos dos nossos melhores momentos não teriam acontecido.”, pondera Dias Castro nos versos que introduzem “Seja areia, ou seja amor“. O poema nasceu ao acaso, em um dia de praia, enquanto o escritor observava uma mãe e um filho brincando à beira-mar em um esforço duplo para erguer uma escultura perfeita. “Quando conseguiam, vinha a onda e a derrubava. E eles riam e recomeçavam”, recorda.

A aparente banalidade da cena ganha novas cores quando ampliada como a reflexão sobre o significado de estar no mundo. “A beleza da vida é viver”, filosofa Monja Coen em seu texto-comentário do poema, acrescentando pouco adiante que “há doçura na construção do castelo de areia na praia, no sorrir da mãe e do filho, vendo seu castelo se formar e se desfazer. Sem birras, sem braveza, sem reclamar e com a certeza de que sempre é possível recomeçar.”

Doçura, emoção, poesia, espiritualidade e sabedoria coabitam nesse livro que uniu, para o nosso deleite, a monja e o poeta, dois saberes que se entrelaçam e se amalgamam. Ingresse nessas páginas sem bater na porta e viva um momento de rara beleza.

Este post foi escrito por:

Felipe Maciel

Jornalista com 20 anos de experiência no mercado e pós-graduação em Mercado Editorial e em Tradução, trabalhou em jornais, revistas e agências de comunicação. Foi coordenador de comunicação do Sesc Rio. Desde 2010, trabalha no mercado editorial com passagens por algumas das principais editoras do país.

Tags: POESIA
Livro

Monja Coen

Monja zen-budista brasileira, fundadora da Comunidade Zendo Brasil e autora best-seller, MONJA COEN teve sua formação inicial em Los Angeles e completou o mestrado no Mosteiro Feminino de Nagoya. Seu estilo carismático conquista o público no Brasil e no mundo. Seus ensinamentos têm inspirado a busca pela paz interior e por uma vida com mais felicidade e apreciação.

VER PERFIL COMPLETO

Allan Dias Castro

Poeta, escritor e compositor, ALLAN DIAS CASTRO lançou seu primeiro livro, O Zé-Ninguém (Ibis Libris), em 2014. Em 2019, publicou pela Sextante Voz ao verbo, que entrou na lista de mais vendidos da Veja e do jornal O Globo. Voz ao verbo teve origem no projeto homônimo de poesia falada na internet, cujos vídeos geraram enorme identificação com o público e ultrapassaram a marca de 100 milhões de visualizações nas redes sociais.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

A monja e o poeta é um verdadeiro diálogo poético que nos faz refletir a cada instante sobre a imensidão de estarmos vivos. “Uma das ideias do budismo é conseguir olhar além da aparência das coisas. Um traço da poesia é penetrar em sentidos que escapam aos olhos materiais imediatos. Ambos buscam nexos complexos além […]

Monja Coen

Monja zen-budista brasileira, fundadora da Comunidade Zendo Brasil e autora best-seller, MONJA COEN teve sua formação inicial em Los Angeles e completou o mestrado no Mosteiro Feminino de Nagoya. Seu estilo carismático conquista o público no Brasil e no mundo. Seus ensinamentos têm inspirado a busca pela paz interior e por uma vida com mais felicidade e apreciação.

VER PERFIL COMPLETO

Allan Dias Castro

Poeta, escritor e compositor, ALLAN DIAS CASTRO lançou seu primeiro livro, O Zé-Ninguém (Ibis Libris), em 2014. Em 2019, publicou pela Sextante Voz ao verbo, que entrou na lista de mais vendidos da Veja e do jornal O Globo. Voz ao verbo teve origem no projeto homônimo de poesia falada na internet, cujos vídeos geraram enorme identificação com o público e ultrapassaram a marca de 100 milhões de visualizações nas redes sociais.

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Sextante celebra novo site com II Ciclo de Palestras, que reuniu onze autores publicados pela editora
EDITORA SEXTANTE

Sextante celebra novo site com II Ciclo de Palestras, que reuniu onze autores publicados pela editora

A conversa entre Nathalia Arcuri, Gustavo Gerbasi e Bráulio Bessa sobre vida financeira foi um dos destaques do evento, que também promoveu uma reflexão sobre a vida contemporânea e ressaltou a importância do passado para entender o presente

LER MAIS
Sobre o uso de cookie neste site: usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.