EDITORA SEXTANTE

Sextante celebra novo site com II Ciclo de Palestras, que reuniu onze autores publicados pela editora

Sextante celebra novo site com II Ciclo de Palestras, que reuniu onze autores publicados pela editora

|

Compartilhe esse texto: Email
0
Sextante celebra novo site com II Ciclo de Palestras, que reuniu onze autores publicados pela editora

A conversa entre Nathalia Arcuri, Gustavo Cerbasi e Bráulio Bessa sobre vida financeira foi um dos destaques do evento, que também promoveu uma reflexão sobre a vida contemporânea e ressaltou a importância do passado para entender o presente

Para comemorar a criação de um novo site – espaço ainda mais interativo que hospeda esse simpático blog e concentra as redes sociais da editora -, a Sextante promoveu o seu II Ciclo de Palestras Sextante. A primeira edição, realizada ano passado, teve como objetivo a celebração das duas décadas da marca, fundada em 1998. O evento foi tão bem avaliado que engatilhou essa nova rodada, numa dinâmica que, como da primeira vez, privilegiou o encontro entre escritores e público. O Teatro Gazeta, em São Paulo, abrigou os bate-papos nos dias 8 e 9 de junho, com a presença inspirada de onze autores cujos livros fisgaram leitores em diversos cantos do país.  Para quem não pôde comparecer, uma boa notícia: brevemente, todas as palestras estarão disponíveis no canal da Sextante no YouTube.

Os sócios-fundadores Marcos e Tomás da Veiga Pereira ressaltaram a importância do evento e o compromisso da editora, inabalável nos mais de 20 anos de atuação. “A Sextante nasce com a ideia de tornar o livro acessível”, sintetizou Marcos, lembrando que o nome diz respeito a um instrumento de navegação. “Quanto mais a gente pensa, mais a gente fica feliz com essa escolha, porque o que nos motiva é oferecer boas referências para se viver bem, com o desejo genuíno de tornar boas as relações com o mundo, com o nosso trabalho, com a nossa saúde, com nós mesmos”, complementou Tomás.

Nathalia Arcuri, Gustavo Cerbasi, Bráulio Bessa, Mary Del Priore, Eduardo Bueno, Rosana Hermann, Daiana Garbin, Ana Claudia Quintana Arantes, Pedro Siqueira, Iberê Thenório e Mariana Fulfaro estavam entre os convidados da celebração.

Poupar, investir e sonhar

No primeiro dia de evento, Nathalia Arcuri e Gustavo Cerbasi foram recebidos com aplausos calorosos da plateia. Natural. Ela é o nome por trás do fenômeno Me Poupe!, parte do combo livro + canal no YouTube com  três milhões de seguidores. “Quem compareceu a essa sessão tem mais 100% de chance de enriquecer”, disse ela, para o delírio da galera. Ele é especialista em inteligência financeira, autor de A riqueza da vida simples e Casais inteligentes enriquecem juntos, entre outros títulos de sucesso. Como não poderia deixar de ser, o dinheiro guiou o bate-papo, ancorado na seguinte pergunta: “O que é riqueza, afinal?”. Assunto recorrente nos principais noticiários do país e, hoje mais do que antes, motivo de críticas e dúvidas, a aposentadoria foi tema de uma pergunta enviada pelo público: “Dá tempo de se preparar para uma aposentadoria tranquila com 34 anos?”.

Cerbasi garantiu que sempre dá tempo, mesmo se você tiver acabado de se aposentar e não está satisfeito com a renda. “Até nessa situação, você pode contar com aquele saldo do plano de previdência ou, numa estratégia ousada,  usar a casa que você tem. Com algo bem organizado, você pode colocar esse patrimônio para acelerar a aposentadoria. É uma combinação de estratégias que envolve trabalhar num negócio que o sustente, usar parte do dinheiro para pagar o aluguel e usar aquela massa intermediária e colocar para multiplicar. Com isso, consigo recuperar o atraso. Estou falando de uma pessoa aposentada. Com 34 anos, dá para fazer muita coisa. Em 15 anos, com esforço, conversa, criatividade e envolvimento, você tem uma vida de independência financeira”, garantiu.

Fiel a seu estilo, mais direto e sem melindres, Arcuri propôs uma mudança na mentalidade em relação à aposentadoria e arrematou: “A ideia de aposentadoria é muito ultrapassada. No momento em que você parar de pensar nela, você estará mais próxima de conseguir a independência financeira. A aposentadoria está muito conectada a algo do tipo: ‘Ah, eu sou passivo e começo a receber dinheiro de algum lugar que vem para mim’. Desculpe, mas isso não vai acontecer. Você tem que mudar a chave”. Para a jornalista, é importante ter em mente que é possível ganhar dinheiro não importa a sua área de atuação.

Num desdobramento da conversa, dessa vez com o assunto abotoado à poesia, Bráulio Bessa se juntou à dupla. Responsável pela “Poesia com rapadura”, quadro do programa “Encontro com Fátima Bernardes”, da TV Globo, e autor de Poesia que transforma, ele explicou que jamais pensou em ganhar dinheiro com a profissão: “Todo poeta que conhecia era lascado igual a mim, especialmente os que escreviam literatura de cordel, pois nosso país não valoriza a cultura popular de raiz”, afirmou ele, nascido no interior do Ceará. Desde os 14 anos, Bessa conservou o sonho de ser escritor e lançar um livro. Hoje, com a conquista plena do desejo, ele se emociona ao constatar que suas palavras alcançaram tantas pessoas: “Realizo os meus sonhos todos os dias”.

Já Arcuri afirmou não ter mais sonhos, mas, sim, metas. “Não tenho filhos nem pretendo ter. Meu filho é o Me Poupe! Todas as minhas energias estão nele, que considero uma ferramenta de transformação. Minha meta é transformar cada cidadão brasileiro em investidor. Não sei se vou viver para ver isso acontecer, mas tenho certeza que vou deixar uma empresa capaz de contribuir para isso”.

O lugar da história

Outra conversa importante ocorreu entre Mary Del Priore e Eduardo Bueno. O tema: colocando o passado em pratos limpos. Chamada por Marcos da Veiga Pereira de “a grande dama da historiografia brasileira”, Del Priore lançou há pouco tempo a biografia As vidas de José Bonifácio. Bueno, por sua vez, é o autor de Coleção Brasilis, entre outros títulos, sendo responsável por popularizar os livros de história. Atualmente, ele prepara uma obra inédita sobre a cidade do Rio de Janeiro, como revelou Pereira na ocasião.

A visão sobre o que é história e o papel da disciplina nas escolas marcou a troca de ideias dos escritores: “Sempre que me perguntam quem são os heróis brasileiros, se Tiradente ou Dom Pedro, eu digo: são os professores de História, que estão em sala de aula e lidam com enormes dificuldades”,  argumentou Del Priore, que também falou sobre o processo de pesquisa e escrita do livro sobre Bonifácio.

Bueno, por sua vez, ratificou a importância do passado para se compreender o presente atravessado pelo país. “Para alguns, a história é um suplício, uma sucessão de datas e nomes. Mas ela está muito longe de ser só isso. A história vive e pulsa. Cada povo tem a trajetória que merece, porque foi ele que construiu. E por termos um vínculo tão frágil com a história, a gente esquece disso. Sempre culpamos os políticos pelos problemas do país, mas a culpa é nossa, já que é o povo que constrói a história”. Aos interessados em seguir a carreira de historiador, ele dá boas-novas: “O Brasil é uma pauta inesgotável. E tem mercado para isso. O livro não morreu”.

Nós e o mundo

Rosana Hermann, Daiana Garbin e Del Priore conversaram sobre autoconhecimento e desafios do mundo contemporâneo em mais um dos encontros promovidos pelo ciclo. Autora de Celular, doce lar, Hermann refletiu justamente sobre o aparelho que ocupou lugar central na vida da maioria das pessoas, modificando a maneira de nos relacionarmos. “As pessoas começaram a achar que a terra é plana, porque a única informação que temos hoje vem via tela, esta, sim, plana. Acho o mundo maravilhoso. Jamais demonizaria o celular ou qualquer outro avanço do homem. Mas é curioso que, ao ter acesso a todas as informações produzidas, você mesmo se reduza e só utilize cinco ou seis aplicativos. A gente se restringe àquele mundo pequeno. Quando a gente tem a tecnologia que pode ser libertadora, a gente cai na armadilha de ser escravizado, cai no algorítmo que é feito para nos desviar”, frisou a escritora, que completa: “A gente está morando nesse lugar, na rede social, e cria uma realidade alternativa ali”.

Um dos atrativos das palestras foi possibilitar a interação entre escritores, o que tornou a dinâmica sempre muito fluida. Hermann, por exemplo, revelou a emoção que sentiu ao ler a passagem em que Garbin detalha o desconforto em relação ao peso vivido às vésperas e durante a festa de casamento, um dos momentos mais marcantes de Fazendo as pazes com o corpo. A jornalista sofreu por mais de 20 anos de transtorno alimentar. “Tinha uma relação completamente obsessiva com a minha alimentação. A comida mandava na minha vida. Eu abria os olhos de manhã  e pensava: ‘eu quero comer o mundo, mas não posso comer porque vou engordar’. O sofrimento era grande e, muitas vezes, causado pela comparação e pelo sentimento de inadequação”, recordou.  Garbin contou ter se surpreendido com as recorrentes mensagens de mulheres maduras que conviveram com esse transtorno silenciosamente: “Entendi que quando a gente abre o coração e fala das nossas dores, a gente faz uma conexão com outras pessoas”.

No segundo dia de palestras, Ana Claudia Quintana Arantes (de A morte é um dia que vale a pena viver) e Pedro Siqueira (de “Senhora do sol”, entre outros) conversaram sobre o sentido da vida, reforçando o papel fundamental dos laços que fazemos durante nossa trajetória. A importância do outro, a ilusão de autossuficiência e o sentimento de solidão, tão recorrente em nossa sociedade, também foram debatidos, bem como as possibilidades de lidar com a perspectiva da morte de uma maneira menos dolorosa.

Em seguida, Iberê Thenório e Mariana Fulfaro, responsáveis pelo Manual do Mundo, canal no YouTube que explica a ciência de forma clara e divertida, contaram detalhes sobre a iniciativa. A dupla lançou no final do ano passado o segundo livro, “Dúvida Cruel”, que apresenta respostas para 80 questões curiosas.

Agora, é torcer para que o ciclo se repita ano que vem!

Confira a primeira palestra do II Ciclo de Palestras da Sextante na íntegra.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Este post foi escrito por:

Filipe Isensee

Filipe é jornalista, especialista em jornalismo cultural e mestrando do curso de Cinema e Audiovisual da UFF. Nasceu em Salvador, foi criado em Belo Horizonte e há oito anos mora no Rio de Janeiro, onde passou pelas redações dos jornais Extra e O Globo. Gosta de escrever: roteiros, dramaturgias, outras prosas e alguns poucos versos estão em seu radar.

Livro

Nathalia Arcuri

Jornalista, educadora e coach financeira. Aos 7 anos começou a poupar para comprar um carro quando fizesse 18. Com 23 comprou o primeiro apartamento à vista. Aos 30 pediu demissão do emprego de repórter de TV e montou o canal Me Poupe!, no YouTube, que já conta com mais de 1,5 milhão de inscritos e é pioneiro na criação do conceito de entretenimento financeiro. Aos 32 se tornou milionária e tem orgulho de dizer que, aos 35 anos, está perto de conquistar a independência financeira. Me Poupe! é o seu primeiro livro.

VER PERFIL COMPLETO
Livro

Como economizar no dia a dia? Como poupar mesmo ganhando pouco? Quais são os melhores (e os piores) investimentos? Como poupar para o futuro sem abrir mão dos desejos e necessidades do presente? Sei que você tem muitas dúvidas sobre o que fazer com o seu dinheiro. Sei também que muita gente simplesmente não faz […]

Nathalia Arcuri

Jornalista, educadora e coach financeira. Aos 7 anos começou a poupar para comprar um carro quando fizesse 18. Com 23 comprou o primeiro apartamento à vista. Aos 30 pediu demissão do emprego de repórter de TV e montou o canal Me Poupe!, no YouTube, que já conta com mais de 1,5 milhão de inscritos e é pioneiro na criação do conceito de entretenimento financeiro. Aos 32 se tornou milionária e tem orgulho de dizer que, aos 35 anos, está perto de conquistar a independência financeira. Me Poupe! é o seu primeiro livro.

VER PERFIL COMPLETO

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados