Oportunidades disfarçadas 2 - Sextante
Livro
Livro
NEGÓCIOS

Oportunidades disfarçadas 2

Oportunidades disfarçadas 2

CARLOS DOMINGOS

HISTÓRIAS REAIS DE PESSOAS E EMPRESAS QUE TRANSFORMARAM PROBLEMAS EM GRANDES OPORTUNIDADES.

“No mundo dos negócios, devemos procurar os problemas, e não fugir deles.” – Carlos Domingos

 

Depois do sucesso de Oportunidades disfarçadas, com mais de 100 mil exemplares vendidos, Carlos Domingos volta a analisar a poderosa mentalidade de empresas e empresários que enxergaram, em momentos de crise, formas de revolucionar seu mercado e impulsionar sua trajetória pessoal.

Surpreendente e inspirador, este novo livro amplia o tema, trazendo também histórias de invenções transformadoras para a humanidade, reconstrução de grandes cidades e muito mais.

São quase 200 novos casos de soluções nascidas de pequenos obstáculos ou mesmo de grandes tragédias – um verdadeiro catálogo de ideias criativas e originais para as mais variadas dificuldades vividas por empresas de todos os tamanhos.

Aqui você vai descobrir que:

  • Uber, Netflix e Nubank foram criadas por clientes insatisfeitos
  • Las Vegas e a IBM cresceram impulsionadas por crises econômicas O drone foi desenvolvido por um jovem desempregado
  • O Instagram, a Super Bonder e o Teflon são resultado de erros Adidas,
  • Puma e Volkswagen se beneficiaram da concorrência feroz

Novos negócios, caminhos de inovação, brechas de mercado, produtos a serem aperfeiçoados: tudo isso pode estar a um problema de distância de você. Oportunidades disfarçadas 2 é leitura indispensável para quem deseja estimular a criatividade e ser bem-sucedido no mundo competitivo em que vivemos.

 

HISTÓRIAS REAIS DE PESSOAS E EMPRESAS QUE TRANSFORMARAM PROBLEMAS EM GRANDES OPORTUNIDADES.

“No mundo dos negócios, devemos procurar os problemas, e não fugir deles.” – Carlos Domingos

 

Depois do sucesso de Oportunidades disfarçadas, com mais de 100 mil exemplares vendidos, Carlos Domingos volta a analisar a poderosa mentalidade de empresas e empresários que enxergaram, em momentos de crise, formas de revolucionar seu mercado e impulsionar sua trajetória pessoal.

Surpreendente e inspirador, este novo livro amplia o tema, trazendo também histórias de invenções transformadoras para a humanidade, reconstrução de grandes cidades e muito mais.

São quase 200 novos casos de soluções nascidas de pequenos obstáculos ou mesmo de grandes tragédias – um verdadeiro catálogo de ideias criativas e originais para as mais variadas dificuldades vividas por empresas de todos os tamanhos.

Aqui você vai descobrir que:

  • Uber, Netflix e Nubank foram criadas por clientes insatisfeitos
  • Las Vegas e a IBM cresceram impulsionadas por crises econômicas O drone foi desenvolvido por um jovem desempregado
  • O Instagram, a Super Bonder e o Teflon são resultado de erros Adidas,
  • Puma e Volkswagen se beneficiaram da concorrência feroz

Novos negócios, caminhos de inovação, brechas de mercado, produtos a serem aperfeiçoados: tudo isso pode estar a um problema de distância de você. Oportunidades disfarçadas 2 é leitura indispensável para quem deseja estimular a criatividade e ser bem-sucedido no mundo competitivo em que vivemos.

 

Compre agora:

Compartilhe: Email
Ficha técnica
Lançamento 08/10/2019
Título original
Tradução
Formato 16 x 23 cm
Número de páginas 224
Peso 340 g
Acabamento brochura
ISBN 978-85-431-0826-1
EAN 9788543108261
Preço R$ 49,90
Ficha técnica e-book
eISBN 978-85-431-0827-8
Preço R$ 29,99
Lançamento 08/10/2019
Título original
Tradução
Formato 16 x 23 cm
Número de páginas 224
Peso 340 g
Acabamento brochura
ISBN 978-85-431-0826-1
EAN 9788543108261
Preço R$ 49,90

E-book

eISBN 978-85-431-0827-8
Preço R$ 29,99

Leia um trecho do livro

Introdução

Quando introduzi o tema Oportunidades Disfarçadas no Brasil, em 2001, através de artigos publicados no jornal Valor Econômico, e posteriormente na forma de livro, em 2009, não imaginava que abordava um conceito secular.

Só fui me dar conta disso ao realizar as pesquisas para este segundo volume. Como estava morando em Londres na época, pude comprovar que o tópico é conhecido na Europa e nos Estados Unidos.

É claro que não me refiro apenas à ideia de transformar problemas em oportunidades – que é tão antiga quanto o homem –, falo é da expressão exata “opportunity in disguise”. Ao estudar sua origem, cheguei a meados do século 18, um período tão efervescente nas esferas econômica e política que provavelmente jamais se repetirá: início do capitalismo e da Revolução Industrial e fundação dos Estados Unidos.

A célebre frase “Todo problema é uma oportunidade disfarçada” (“Every problem is an opportunity in disguise”) é atribuída tanto a John Adams quanto a Benjamin Franklin. Não há uma fonte histórica que comprove a autoria, mas o curioso é que Adams e Franklin foram contemporâneos e conviveram por cerca de 11 anos, entre 1774 e 1785.1 Tendo lutado juntos pela independência americana, ambos são considerados pais fundadores dos Estados Unidos. Adams foi ainda o segundo presidente do país.

Se fosse para apostar em um dos dois, eu escolheria Benjamin Franklin. Além de espirituoso frasista, Franklin é considerado o primeiro empreendedor americano. Fundou inúmeras empresas, como editora, companhia de seguros, hospital, serviço postal, biblioteca pública e até a Universidade da Pensilvânia. Concebeu invenções importantes, como as lentes bifocais, o serviço meteorológico e o aquecedor doméstico. E foi ainda embaixador, jornalista, cientista e o político “mais influente em moldar o tipo de sociedade que a América se tornaria”.2 É ele quem estampa a nota de 100 dólares.

Independentemente de quem tenha cunhado a frase em si, a mentalidade Oportunidades Disfarçadas, nascida num momento tão seminal, impregnou-se na cultura americana e influenciou fortemente líderes e empreendedores. John Rockefeller, Thomas Edison, Andrew Carnegie, Abraham Lincoln, Henry J. Kaiser, George Eastman e John Kelloggs, entre outros nomes importantes do século 19, inspiraram-se no legado e no exemplo dos pais fundadores para transformar problemas em oportunidades, através do esforço. Como afirmou Thomas Edison:

“Reconhecer oportunidades é difícil porque elas andam disfarçadas de trabalho.”3

No século 20, o conceito difundiu-se pelo mundo. Avançou pela Europa, como veremos nos casos das empresas Volkswagen, Lego, Ikea, Vitra, Adidas e Puma, e chegou ao Japão. Taiichi Ohno, fundador do Sistema Toyota de Produção, método que revolucionou a indústria mundial, declarou:

“Um problema é uma oportunidade disfarçada de kaizen (melhoria contínua).”4

Nos Estados Unidos, a ideia de transformar limão em limonada seguia ainda mais forte. IBM, McDonald’s, Best Buy, Johnson & Johnson e Nike, além da cidade de Las Vegas, são alguns dos exemplos aqui relatados. No meu primeiro livro sobre o tema das oportunidades disfarçadas, lançado há dez anos, conto como Lee Iacocca salvou a Chrysler da falência nos anos 1980. É dele a frase:

“Somos continuamente desafiados por grandes oportunidades brilhantemente disfarçadas de problemas insolúveis.”5

Líderes, teóricos, consultores e gurus como Jack Welch, Ram Charan e Jim Collins sustentam que devemos aproveitar crises e recessões para avançar. Era o que pensava também Peter Drucker, o pai da administração moderna:

“Cada problema social e global é uma oportunidade de negócio disfarçada.”6

Se essa filosofia foi importante no passado, no século 21 se tornou crucial. A automação e a inteligência artificial ameaçam eliminar 50% dos empregos;7 o mercado está saturado em praticamente todas as áreas; num futuro próximo, não restará aos profissionais alternativa a não ser criar suas ocupações.

E nada melhor do que erros, limitações, crises, fatalidades, concorrências, fracassos e insatisfação de clientes para nos indicar oportunidades de negócio e de inovação, brechas de mercado, empresas que devem ser abertas, processos e produtos que devem ser aperfeiçoados etc.

Felizmente, a revolução tecnológica tornou mais acessível a concepção de negócios inovadores a partir de problemas do cotidiano. É o que comprovam as histórias da Netflix, da Uber, do Airbnb, do Instagram, do Nubank, do BuzzFeed e do Alibaba, presentes nesta obra.

Depois de conferir quase duas centenas de casos, você concluirá que, nos dias atuais, devemos procurar os problemas, e não fugir deles. Só quem for capaz de resolver conflitos, preencher lacunas, propor soluções criativas para situações complexas e fazer mais com menos terá lugar assegurado nesta nova realidade.

A mentalidade Oportunidades Disfarçadas deixou de ser privilégio de grandes líderes e empreendedores para ser atributo necessário a todo executivo. Pela razão darwiniana de sobrevivência.

É por isso que, no último capítulo, descrevo formas de incorporar essa mentalidade no seu dia a dia. Se, como disse Aristóteles, a excelência é um hábito, a atitude de buscar oportunidades nos problemas também é.

Convido você, agora, a entrar no fascinante mundo das Oportunidades Disfarçadas. Conheça esse poderoso modo de pensar que há 240 anos impulsiona o mundo dos negócios.

Introdução

Quando introduzi o tema Oportunidades Disfarçadas no Brasil, em 2001, através de artigos publicados no jornal Valor Econômico, e posteriormente na forma de livro, em 2009, não imaginava que abordava um conceito secular.

Só fui me dar conta disso ao realizar as pesquisas para este segundo volume. Como estava morando em Londres na época, pude comprovar que o tópico é conhecido na Europa e nos Estados Unidos.

É claro que não me refiro apenas à ideia de transformar problemas em oportunidades – que é tão antiga quanto o homem –, falo é da expressão exata “opportunity in disguise”. Ao estudar sua origem, cheguei a meados do século 18, um período tão efervescente nas esferas econômica e política que provavelmente jamais se repetirá: início do capitalismo e da Revolução Industrial e fundação dos Estados Unidos.

A célebre frase “Todo problema é uma oportunidade disfarçada” (“Every problem is an opportunity in disguise”) é atribuída tanto a John Adams quanto a Benjamin Franklin. Não há uma fonte histórica que comprove a autoria, mas o curioso é que Adams e Franklin foram contemporâneos e conviveram por cerca de 11 anos, entre 1774 e 1785.1 Tendo lutado juntos pela independência americana, ambos são considerados pais fundadores dos Estados Unidos. Adams foi ainda o segundo presidente do país.

Se fosse para apostar em um dos dois, eu escolheria Benjamin Franklin. Além de espirituoso frasista, Franklin é considerado o primeiro empreendedor americano. Fundou inúmeras empresas, como editora, companhia de seguros, hospital, serviço postal, biblioteca pública e até a Universidade da Pensilvânia. Concebeu invenções importantes, como as lentes bifocais, o serviço meteorológico e o aquecedor doméstico. E foi ainda embaixador, jornalista, cientista e o político “mais influente em moldar o tipo de sociedade que a América se tornaria”.2 É ele quem estampa a nota de 100 dólares.

Independentemente de quem tenha cunhado a frase em si, a mentalidade Oportunidades Disfarçadas, nascida num momento tão seminal, impregnou-se na cultura americana e influenciou fortemente líderes e empreendedores. John Rockefeller, Thomas Edison, Andrew Carnegie, Abraham Lincoln, Henry J. Kaiser, George Eastman e John Kelloggs, entre outros nomes importantes do século 19, inspiraram-se no legado e no exemplo dos pais fundadores para transformar problemas em oportunidades, através do esforço. Como afirmou Thomas Edison:

“Reconhecer oportunidades é difícil porque elas andam disfarçadas de trabalho.”3

No século 20, o conceito difundiu-se pelo mundo. Avançou pela Europa, como veremos nos casos das empresas Volkswagen, Lego, Ikea, Vitra, Adidas e Puma, e chegou ao Japão. Taiichi Ohno, fundador do Sistema Toyota de Produção, método que revolucionou a indústria mundial, declarou:

“Um problema é uma oportunidade disfarçada de kaizen (melhoria contínua).”4

Nos Estados Unidos, a ideia de transformar limão em limonada seguia ainda mais forte. IBM, McDonald’s, Best Buy, Johnson & Johnson e Nike, além da cidade de Las Vegas, são alguns dos exemplos aqui relatados. No meu primeiro livro sobre o tema das oportunidades disfarçadas, lançado há dez anos, conto como Lee Iacocca salvou a Chrysler da falência nos anos 1980. É dele a frase:

“Somos continuamente desafiados por grandes oportunidades brilhantemente disfarçadas de problemas insolúveis.”5

Líderes, teóricos, consultores e gurus como Jack Welch, Ram Charan e Jim Collins sustentam que devemos aproveitar crises e recessões para avançar. Era o que pensava também Peter Drucker, o pai da administração moderna:

“Cada problema social e global é uma oportunidade de negócio disfarçada.”6

Se essa filosofia foi importante no passado, no século 21 se tornou crucial. A automação e a inteligência artificial ameaçam eliminar 50% dos empregos;7 o mercado está saturado em praticamente todas as áreas; num futuro próximo, não restará aos profissionais alternativa a não ser criar suas ocupações.

E nada melhor do que erros, limitações, crises, fatalidades, concorrências, fracassos e insatisfação de clientes para nos indicar oportunidades de negócio e de inovação, brechas de mercado, empresas que devem ser abertas, processos e produtos que devem ser aperfeiçoados etc.

Felizmente, a revolução tecnológica tornou mais acessível a concepção de negócios inovadores a partir de problemas do cotidiano. É o que comprovam as histórias da Netflix, da Uber, do Airbnb, do Instagram, do Nubank, do BuzzFeed e do Alibaba, presentes nesta obra.

Depois de conferir quase duas centenas de casos, você concluirá que, nos dias atuais, devemos procurar os problemas, e não fugir deles. Só quem for capaz de resolver conflitos, preencher lacunas, propor soluções criativas para situações complexas e fazer mais com menos terá lugar assegurado nesta nova realidade.

A mentalidade Oportunidades Disfarçadas deixou de ser privilégio de grandes líderes e empreendedores para ser atributo necessário a todo executivo. Pela razão darwiniana de sobrevivência.

É por isso que, no último capítulo, descrevo formas de incorporar essa mentalidade no seu dia a dia. Se, como disse Aristóteles, a excelência é um hábito, a atitude de buscar oportunidades nos problemas também é.

Convido você, agora, a entrar no fascinante mundo das Oportunidades Disfarçadas. Conheça esse poderoso modo de pensar que há 240 anos impulsiona o mundo dos negócios.

LEIA MAIS

Carlos Domingos

Sobre o autor

Carlos Domingos

Empresário, publicitário e palestrante. Depois de construir uma brilhante carreira como publicitário, fundou em 2000 sua própria agência, a age. – atualmente uma das mais admiradas e respeitadas do país, atendendo marcas do porte de Adidas, Adria, Bradesco, Mattel, Ultragaz e PricewaterHouse. Domingos foi colunista do jornal Valor Econômico e membro do Conar (Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária). É autor do livro Criação sem pistolão e ganhador de diversos prêmios, entre eles o Profissionais do Ano, da Rede Globo; o Grand Prix de Criação, do Prêmio Abril de Publicidade; o de Melhor Anúncio do Mundo, da Advertising Age, além de 12 leões em Cannes.

VER PERFIL COMPLETO

Turnê de lançamento

Veja no Blog da Sextante

“Oportunidades disfarçadas 2”: devemos procurar os problemas e não fugir deles
NEGÓCIOS

“Oportunidades disfarçadas 2”: devemos procurar os problemas e não fugir deles

Você sabia que Netflix e Uber foram criados por clientes insatisfeitos com serviços semelhantes? Livro recupera quase 200 casos de empresas que transformaram problemas em sucesso

LER MAIS

Outros títulos de Carlos Domingos

Gosta da Editora Sextante?

Assine a nossa newsletter e receba as novidades.

Administração, negócios e economia
Autoajuda
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness
Biografias, crônicas e histórias reais
Lançamentos do mês
Mais vendidos
Audiolivros
Selecionar todas
Administração, negócios e economia Lançamentos do mês
Autoajuda Mais vendidos
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness Audiolivros
Biografias, crônicas e histórias reais Selecionar todas