Muito amor, por favor - Sextante
Livro
Livro
CRÔNICAS

Muito amor, por favor

Muito amor, por favor

ARTHUR AGUIAR, FREDERICO ELBONI, IQUE CARVALHO E MATHEUS ROCHA

Um sentimento em quatro elementos

Um sentimento em quatro elementos

Este livro reúne textos que mostram o amor do ponto de vista de quatrojovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais, que souberam se reinventar. Sem medo de expressar seus sentimentos, deixam para trás estereótipos já obsoletos – como o controlador machista ou o piegas choroso – e falam sobre viver a dois e sobre a natureza das relações em todos os seus aspectos.

Assim, cada autor reflete sobre o amor representado por um elemento: Arthur Aguiar escreve que “O amor é água”, dizendo que ele é fluido, mas por vezes gelado; ora tempestade, ora profundo. Fred Elboni explica que

“O amor é ar”, mostrando a leveza de se amar sem sofrer, da brisa que envolve os apaixonados, mas que por vezes torna-se furacão. Ique Carvalho se debruça sobre quando “O amor é fogo”, que arde, aquece a alma, mas que também pode incendiar até doer. E Matheus Rocha conta que “O amor é terra”, estável, tranquilo, mas que não escapa dos terremotos da vida, que tiram tudo do lugar para que a rotina não o extermine.

Um livro apaixonante, para quem ama e para quem quer amar um dia… e sempre.

O AMOR É ÁGUA

Arthur Aguiar escreve sobre o amor quando ele é como a água: pode ser agradavelmente quente ou ferir se ficar gelado e rígido. Por vezes é tempestade, por vezes, calmaria. Mas quando é fluido, torna-se profundo e amolda-se a tudo.

O AMOR É AR

Frederico Elboni fala sobre o amor ar, aquele que é leve, que eleva, faz flutuar. Mostra como é amar sem peso, sem amarras. Mesmo quando vem um vendaval, logo volta a ser a brisa, envolvendo os apaixonados com carinho e cuidado.

O AMOR É FOGO

Ique Carvalho escreve sobre o amor quando ele é fogo, que arde, arrebata, aquece a alma, mas às vezes incendeia até doer. Pode se manter como brasa por muito tempo, aguardando a chance de ser chama de novo, ou até renascer das cinzas

O AMOR É TERRA

Matheus Rocha fala sobre do amor do tipo terra, aquele estável, certo, que traz segurança, mas que pode, de vez em quando, provocar terremotos que abalam estruturas, tiram tudo do lugar e viram a rotina de ponta-cabeça.

Este livro reúne textos que mostram o amor do ponto de vista de quatrojovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais, que souberam se reinventar. Sem medo de expressar seus sentimentos, deixam para trás estereótipos já obsoletos – como o controlador machista ou o piegas choroso – e falam sobre viver a dois e sobre a natureza das relações em todos os seus aspectos.

Assim, cada autor reflete sobre o amor representado por um elemento: Arthur Aguiar escreve que “O amor é água”, dizendo que ele é fluido, mas por vezes gelado; ora tempestade, ora profundo. Fred Elboni explica que

“O amor é ar”, mostrando a leveza de se amar sem sofrer, da brisa que envolve os apaixonados, mas que por vezes torna-se furacão. Ique Carvalho se debruça sobre quando “O amor é fogo”, que arde, aquece a alma, mas que também pode incendiar até doer. E Matheus Rocha conta que “O amor é terra”, estável, tranquilo, mas que não escapa dos terremotos da vida, que tiram tudo do lugar para que a rotina não o extermine.

Um livro apaixonante, para quem ama e para quem quer amar um dia… e sempre.

O AMOR É ÁGUA

Arthur Aguiar escreve sobre o amor quando ele é como a água: pode ser agradavelmente quente ou ferir se ficar gelado e rígido. Por vezes é tempestade, por vezes, calmaria. Mas quando é fluido, torna-se profundo e amolda-se a tudo.

O AMOR É AR

Frederico Elboni fala sobre o amor ar, aquele que é leve, que eleva, faz flutuar. Mostra como é amar sem peso, sem amarras. Mesmo quando vem um vendaval, logo volta a ser a brisa, envolvendo os apaixonados com carinho e cuidado.

O AMOR É FOGO

Ique Carvalho escreve sobre o amor quando ele é fogo, que arde, arrebata, aquece a alma, mas às vezes incendeia até doer. Pode se manter como brasa por muito tempo, aguardando a chance de ser chama de novo, ou até renascer das cinzas

O AMOR É TERRA

Matheus Rocha fala sobre do amor do tipo terra, aquele estável, certo, que traz segurança, mas que pode, de vez em quando, provocar terremotos que abalam estruturas, tiram tudo do lugar e viram a rotina de ponta-cabeça.

Compartilhe: Email
Ficha técnica
Lançamento 02/09/2016
Título original MAIS AMOR, POR FAVOR
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 240
Peso 270 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0406-5
EAN 9788543104065
Preço R$ 29,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788543104072
Preço R$ 19,99
Conteúdos especiais
Lançamento 02/09/2016
Título original MAIS AMOR, POR FAVOR
Tradução
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 240
Peso 270 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0406-5
EAN 9788543104065
Preço R$ 29,90

E-book

eISBN 9788543104072
Preço R$ 19,99

Leia um trecho do livro

Apresentação

Este livro é a expressão do sentimento de amor do ponto de vista de quatro jovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais, que souberam se reinventar, sem o medo de mergulhar profundamente em todo tipo de emoção que a experiência traz. Ultrapassando estereótipos já obsoletos – como o controlador machista ou o piegas choroso –, falam sobre viver a dois com intensidade e peito aberto, abraçando igualmente a dor e a felicidade.

Com textos que transbordam personalidade e estilos marcantes, cada autor reflete sobre como é amar, estar apaixonado, e experimentar a verdade das relações em todos os seus aspectos, representados nos elementos da natureza.

Arthur Aguiar escreve sobre o amor quando ele é como a água: pode ser agradavelmente quente ou ferir se ficar gelado e rígido. Por vezes é tempestade, por vezes, calmaria. Mas quando é fluido, torna-se profundo e amolda-se a todas as situações.

Frederico Elboni fala sobre o amor ar, aquele que é leve, que eleva, que faz flutuar. Mostra como é amar sem peso, sem amarras. Mesmo quando vem um vendaval, logo volta a ser a brisa, envolvendo os apaixonados com carinho e cuidado.

Ique Carvalho escreve sobre o amor quando ele é fogo, aquele que arde, arrebata, aquece a alma, mas às vezes in-cendeia até doer. Pode se manter como brasa por muito tempo, aguardando a chance de ser chama de novo, ou até renascer das cinzas.

Matheus Rocha fala sobre do amor do tipo terra, aquele estável, certo, que traz segurança, mas que pode, de vez em quando, provocar terremotos que abalam estruturas, tiram tudo do lugar e viram a rotina de ponta-cabeça.

Um livro apaixonante e intenso, para quem ama muito e para quem quer amar muito um dia… e sempre!

Apresentação

Este livro é a expressão do sentimento de amor do ponto de vista de quatro jovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais, que souberam se reinventar, sem o medo de mergulhar profundamente em todo tipo de emoção que a experiência traz. Ultrapassando estereótipos já obsoletos – como o controlador machista ou o piegas choroso –, falam sobre viver a dois com intensidade e peito aberto, abraçando igualmente a dor e a felicidade.

Com textos que transbordam personalidade e estilos marcantes, cada autor reflete sobre como é amar, estar apaixonado, e experimentar a verdade das relações em todos os seus aspectos, representados nos elementos da natureza.

Arthur Aguiar escreve sobre o amor quando ele é como a água: pode ser agradavelmente quente ou ferir se ficar gelado e rígido. Por vezes é tempestade, por vezes, calmaria. Mas quando é fluido, torna-se profundo e amolda-se a todas as situações.

Frederico Elboni fala sobre o amor ar, aquele que é leve, que eleva, que faz flutuar. Mostra como é amar sem peso, sem amarras. Mesmo quando vem um vendaval, logo volta a ser a brisa, envolvendo os apaixonados com carinho e cuidado.

Ique Carvalho escreve sobre o amor quando ele é fogo, aquele que arde, arrebata, aquece a alma, mas às vezes in-cendeia até doer. Pode se manter como brasa por muito tempo, aguardando a chance de ser chama de novo, ou até renascer das cinzas.

Matheus Rocha fala sobre do amor do tipo terra, aquele estável, certo, que traz segurança, mas que pode, de vez em quando, provocar terremotos que abalam estruturas, tiram tudo do lugar e viram a rotina de ponta-cabeça.

Um livro apaixonante e intenso, para quem ama muito e para quem quer amar muito um dia… e sempre!

LEIA MAIS

Arthur Aguiar

Sobre o autor

Arthur Aguiar

Nasceu em 1989 no Rio de Janeiro. É ator, cantor, compositor e ex-nadador brasileiro. Foi atleta até os 19 anos, conquistando o título de vice-campeão brasileiro nos 200 metros borboleta. Como ator, seu primeiro trabalho foi no teatro em 2010. Na TV, passou a ser reconhecido quando foi um dos protagonistas da telenovela Rebelde, da Record, e se tornou membro da banda de mesmo nome, em 2011. Depois integrou o elenco de várias novelas, entre elas Malhação, Em família e Êta mundo bom!, da Rede Globo, além de seriados e programas. Fez diversas peças de teatro e atuou também em cinema e publicidade. Como músico e compositor, depois de participar de algumas bandas, lançou O que te faz bem seu primeiro disco solo, em 2016, pela Sony.

VER PERFIL COMPLETO

Fred Elboni

Sobre o autor

Fred Elboni

Fred Elboni é publicitário por formação e escritor por vocação. Em 2009 começou a publicar textos em blog e desde então nunca parou de escrever. Criou crônicas, roteiros para televisão, peças e livros. É autor de 8 livros, entre eles: Você e outros pensamentos que provocam arrepios, Só a gente sabe o que sente e Coragem é agir com o coração. Além de escrever, Fred dá palestras em várias cidades do Brasil, faz peças de teatro e fez um TEDx Talk. Entre suas paixões estão viajar, ler e, sobretudo, conversar profundamente sobre vida, arte, sentimentos e tudo que engrandece a alma. Fred vive em São Paulo.

VER PERFIL COMPLETO

Ique Carvalho

Sobre o autor

Ique Carvalho

Nasceu em 1980 em Belo Horizonte, Minas Gerais. Cursou Psicologia na Universidade Fumec (MG) e formou-se em Publicidade e Propaganda na mesma instituição. Trabalhou em algumas agências até abrir a sua própria, em 2009, onde é diretor de arte. A paixão por escrever o levou a criar um blog, que em 2013 mudou de rumo por doisfatos marcantes: o fim traumático de um relacionamento e o diagnóstico recebido por seu pai de uma doença degenerativa grave e irreversível. As histórias publicadas passaram a ser sobre a vida, o amor e seu pai. Alguns desses textos uniram-se a outros inéditos e originaram seu primeiro livro, Faça amor, não faça jogo (Gutenberg), publicado com enorme sucesso em 2014.

VER PERFIL COMPLETO

Matheus Rocha

Sobre o autor

Matheus Rocha

Nasceu em 1991 em Feira de Santana, na Bahia. Ainda pequeno, rabiscava poemas e textos que narravam seu cotidiano, utilizando-se da escrita como forma de expressão. Graduou-se em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo na Faculdade Anísio Teixeira, em Feira de Santana, e atua na assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Educação de sua cidade. Sem nunca ter parado de escrever crônicas e textos curtos, em 2012 Matheus os reuniu em um lar virtual chamado Neologismo, que inicialmente teve formato de Tumblr, depois migrou para o Facebook, ganhou asas com um blog e hoje passeia também pelo Instagram e pelo Twitter. Aborda assuntos que variam entre amor, amizade, sonhos e vida. Ele fala sobre viver. Sobreviver. Com suas criações, dá vazão à sua missão de ajudar as pessoas a encontrar conforto, e talvez alguma lógica e afeto, em toda a confusão que é inevitável na vida de qualquer ser humano.


VER PERFIL COMPLETO

Assine a nossa Newsletter

Administração, negócios e economia
Autoajuda
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness
Biografias, crônicas e histórias reais
Lançamentos do mês
Mais vendidos
Audiolivros
Selecionar todas
Administração, negócios e economia Lançamentos do mês
Autoajuda Mais vendidos
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness Audiolivros
Biografias, crônicas e histórias reais Selecionar todas

Sobre o uso de cookie neste site: usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.