Você e outros pensamentos que provocam arrepio - Sextante
Livro
Livro
CRÔNICAS

Você e outros pensamentos que provocam arrepio

Você e outros pensamentos que provocam arrepio

FRED ELBONI

O novo livro de Fred Elboni, autor com mais de 200 mil exemplares vendidos.

 

“Vou contar um segredo: sempre achei que algumas pessoas têm poderes nas mãos. Tive sorte de esbarrar, e até amar, pessoas com um toque diferente, que mexia com o corpo e arrepiava a alma. Talvez transmitissem uma energia que transcende o que é terreno.

O toque para mim é uma das coisas mais importantes tanto no sexo quanto no amor. As mãos têm uma magia linda que cria sensações únicas e inexplicáveis. Com elas contamos histórias e transportamos a pessoa que tocamos para dentro do nosso universo, nem que seja por um breve instante, para mostrar o que há em nosso íntimo.” – Fred Elboni

Você e outros pensamentos que provocam arrepio traz 50 crônicas que retratam as relações amorosas com sensibilidade e irreverência.

Profundo conhecedor da alma feminina, Fred Elboni já vendeu cerca de 200 mil exemplares. Agora, em seu sexto livro, ele revela seu amadurecimento como escritor num prazeroso diálogo que desafia as mulheres a encontrarem a própria liberdade, buscando dentro de si o poder e a coragem de se despir de seus medos, pudores, preconceitos e inseguranças.

Com uma linguagem leve e sexy, Fred apresenta pequenos flashs do cotidiano em deliciosos textos sobre paixão, sexo, encontros casuais, saudade, intimidade e afeto, explorando as múltiplas e imprevisíveis maneiras de experimentar o amor – e a si mesmo.

O novo livro de Fred Elboni, autor com mais de 200 mil exemplares vendidos.

 

“Vou contar um segredo: sempre achei que algumas pessoas têm poderes nas mãos. Tive sorte de esbarrar, e até amar, pessoas com um toque diferente, que mexia com o corpo e arrepiava a alma. Talvez transmitissem uma energia que transcende o que é terreno.

O toque para mim é uma das coisas mais importantes tanto no sexo quanto no amor. As mãos têm uma magia linda que cria sensações únicas e inexplicáveis. Com elas contamos histórias e transportamos a pessoa que tocamos para dentro do nosso universo, nem que seja por um breve instante, para mostrar o que há em nosso íntimo.” – Fred Elboni

Você e outros pensamentos que provocam arrepio traz 50 crônicas que retratam as relações amorosas com sensibilidade e irreverência.

Profundo conhecedor da alma feminina, Fred Elboni já vendeu cerca de 200 mil exemplares. Agora, em seu sexto livro, ele revela seu amadurecimento como escritor num prazeroso diálogo que desafia as mulheres a encontrarem a própria liberdade, buscando dentro de si o poder e a coragem de se despir de seus medos, pudores, preconceitos e inseguranças.

Com uma linguagem leve e sexy, Fred apresenta pequenos flashs do cotidiano em deliciosos textos sobre paixão, sexo, encontros casuais, saudade, intimidade e afeto, explorando as múltiplas e imprevisíveis maneiras de experimentar o amor – e a si mesmo.

Compre agora:

Compartilhe: Email
Ficha técnica
Lançamento 16/07/2018
Título original VOCÊ E OUTROS PENSAMENTOS QUE PROVOCAM ARREPIO
Tradução
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 176
Peso 260 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0589-5
EAN 9788543105895
Preço R$ 34,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788543105901
Preço R$ 19,99
Ficha técnica audiolivro
ISBN 9788543106250
Duração 3h 20min
Locutor Fred Elboni
Preço R$ 27,99
Lançamento 16/07/2018
Título original VOCÊ E OUTROS PENSAMENTOS QUE PROVOCAM ARREPIO
Tradução
Formato 14 x 21 cm
Número de páginas 176
Peso 260 g
Acabamento BROCHURA
ISBN 978-85-431-0589-5
EAN 9788543105895
Preço R$ 34,90

E-book

eISBN 9788543105901
Preço R$ 19,99

Audiolivro

ISBN 9788543106250
Duração 3h 20min
Locutor Fred Elboni
Preço R$ 27,99

Leia um trecho do livro

Dança pra mim?

Dança pra mim?”, eu pedi a ela enquanto estávamos deitados na cama sob aquele lençol que cobria somente uma de nossas pernas. Mesmo sabendo que ela ficaria com as bochechas vermelhas ao ouvir aquilo, resolvi, sem pudores, dividir uma de minhas vontades secretas.

Quando nos relacionamos com alguém e não temos vergonha de compartilhar nossos desejos com essa pessoa, nossas loucuras ou fantasias mais obscuras, sabemos que estamos no caminho certo. Ela sempre foi muito tímida e retraída e, por isso mesmo, pedi para ela dançar. Não só pela dança em si, nem unicamente por mim, mas porque eu queria muito que ela se libertasse aos pouquinhos das correntes que tinha em volta do corpo. Queria que ela aprendesse a se entregar, não exclusivamente a mim, mas a ela mesma. Eu sabia que ela precisava se sentir bonita, atraente, segura, mesmo quando meus olhos brincassem de polícia e ladrão com seu corpo.

Lembro um dia em especial quando transamos embaixo do chuveiro. Talvez, só de ler isso, ela já morresse de vergonha na época. Naquela ocasião, no meio de um sexo comum, daqueles convencionais, na cama, com posições triviais e previsão para acabar ainda em horário comercial, sugeri: “Vamos transar no chuveiro?” Fiz o convite com os olhos, a cabeça e o corpo, pois se usasse as palavras daria tempo demais para ela pensar, ponderar e recusar aquela situação tão inédita. E eu sabia que ela era daquelas que precisam ser levadas pela mão até a porta de uma nova experiência.

Puxei-a gentilmente pelos braços, liguei o chuveiro, demorando um pouco até acertar a temperatura ideal, mas continuei com os beijos, como se nada tivesse acontecido. E tudo aconteceu. Entre a água que corria pelo seu corpo e o olhar pensativo decidindo se molharia o cabelo ou não, o mais gostoso foi vê-la não conseguindo se apoiar em nada, com as mãos trêmulas, perdidas, de olhos fechados, começando a se jogar no que não conhecia. Naquele momento, ela estava inteiramente ali, presente, vivendo o que devia ser vivido. Se ela soubesse como foi lindo vê-la se entregando sem questionar, apenas confiando em mim e, principalmente, confiando nela mesma, tenho certeza de que já teria feito isso antes.

Mesmo após várias aventuras e redenções como essa, ela ainda tem receio de muita coisa, inseguranças que, dia após dia, tento ajudá-la a apagar com as mãos. Aos poucos, ela me dá brechas, breves espaços, para mostrar que uma mulher bonita por dentro, quando coloca com segurança suas vulnerabilidades no varal do coração, também se torna bonita por fora. Ajudar e apoiar a mulher a desenraizar suas inseguranças é uma das coisas mais bonitas que um homem pode fazer por ela. Não que tenhamos todo esse poder, longe disso, mas se pudermos estar junto de quem amamos nesses momentos, por que não fazer? E eu a amo tanto!

Pessoas que dançam, que se entregam e que cantam o que sentem no chuveiro criam lembranças e momentos que, convenhamos, seriam desperdiçados caso não fossem vividos. Por isso, sempre que tenho oportunidade, digo: como me segurar para não cantar, mesmo que um pouco desafinado, o que sinto por você? Como viver intensamente um amor sem deixar o medo de se entregar embaixo da cama? Como ser feliz amando sem deixar claro que você também está sendo amada?

Até hoje ela ainda não dançou pra mim. Mesmo assim, meu coração ainda dança por ela em ritmo de carnaval. Espero que um dia ela dance, e dance muito. Não por mim, mas por ela. Única e exclusivamente por ela.

Dança pra mim?

Dança pra mim?”, eu pedi a ela enquanto estávamos deitados na cama sob aquele lençol que cobria somente uma de nossas pernas. Mesmo sabendo que ela ficaria com as bochechas vermelhas ao ouvir aquilo, resolvi, sem pudores, dividir uma de minhas vontades secretas.

Quando nos relacionamos com alguém e não temos vergonha de compartilhar nossos desejos com essa pessoa, nossas loucuras ou fantasias mais obscuras, sabemos que estamos no caminho certo. Ela sempre foi muito tímida e retraída e, por isso mesmo, pedi para ela dançar. Não só pela dança em si, nem unicamente por mim, mas porque eu queria muito que ela se libertasse aos pouquinhos das correntes que tinha em volta do corpo. Queria que ela aprendesse a se entregar, não exclusivamente a mim, mas a ela mesma. Eu sabia que ela precisava se sentir bonita, atraente, segura, mesmo quando meus olhos brincassem de polícia e ladrão com seu corpo.

Lembro um dia em especial quando transamos embaixo do chuveiro. Talvez, só de ler isso, ela já morresse de vergonha na época. Naquela ocasião, no meio de um sexo comum, daqueles convencionais, na cama, com posições triviais e previsão para acabar ainda em horário comercial, sugeri: “Vamos transar no chuveiro?” Fiz o convite com os olhos, a cabeça e o corpo, pois se usasse as palavras daria tempo demais para ela pensar, ponderar e recusar aquela situação tão inédita. E eu sabia que ela era daquelas que precisam ser levadas pela mão até a porta de uma nova experiência.

Puxei-a gentilmente pelos braços, liguei o chuveiro, demorando um pouco até acertar a temperatura ideal, mas continuei com os beijos, como se nada tivesse acontecido. E tudo aconteceu. Entre a água que corria pelo seu corpo e o olhar pensativo decidindo se molharia o cabelo ou não, o mais gostoso foi vê-la não conseguindo se apoiar em nada, com as mãos trêmulas, perdidas, de olhos fechados, começando a se jogar no que não conhecia. Naquele momento, ela estava inteiramente ali, presente, vivendo o que devia ser vivido. Se ela soubesse como foi lindo vê-la se entregando sem questionar, apenas confiando em mim e, principalmente, confiando nela mesma, tenho certeza de que já teria feito isso antes.

Mesmo após várias aventuras e redenções como essa, ela ainda tem receio de muita coisa, inseguranças que, dia após dia, tento ajudá-la a apagar com as mãos. Aos poucos, ela me dá brechas, breves espaços, para mostrar que uma mulher bonita por dentro, quando coloca com segurança suas vulnerabilidades no varal do coração, também se torna bonita por fora. Ajudar e apoiar a mulher a desenraizar suas inseguranças é uma das coisas mais bonitas que um homem pode fazer por ela. Não que tenhamos todo esse poder, longe disso, mas se pudermos estar junto de quem amamos nesses momentos, por que não fazer? E eu a amo tanto!

Pessoas que dançam, que se entregam e que cantam o que sentem no chuveiro criam lembranças e momentos que, convenhamos, seriam desperdiçados caso não fossem vividos. Por isso, sempre que tenho oportunidade, digo: como me segurar para não cantar, mesmo que um pouco desafinado, o que sinto por você? Como viver intensamente um amor sem deixar o medo de se entregar embaixo da cama? Como ser feliz amando sem deixar claro que você também está sendo amada?

Até hoje ela ainda não dançou pra mim. Mesmo assim, meu coração ainda dança por ela em ritmo de carnaval. Espero que um dia ela dance, e dance muito. Não por mim, mas por ela. Única e exclusivamente por ela.

LEIA MAIS

Frederico Elboni

Sobre o autor

Frederico Elboni

Nasceu em 1991, em São Paulo. Formado em Publicidade e Propaganda, é escritor, roteirista, palestrante e várias outras coisas que envolvem gente, viagens e comida. Foi roteirista do programa Amor & Sexo da TV Globo (2011-2012), fundou o portal EOH e é fascinado pelo comportamento humano e suas facetas. Em todas as redes sociais em que é ativo, gosta de mostrar às pessoas como tudo pode ser simples. Quando está escrevendo, conversando com as pessoas na rua ou simplesmente vivendo, tenta, sempre que possível, lembrar-se de que o segredo da vida está na busca pelo meio-termo. E, sim, escreve seu perfil em terceira pessoa porque acha que dessa maneira passa mais credibilidade.

VER PERFIL COMPLETO

Destaques na mídia

Relacionamentos dão a base para a literatura de Fred Elboni

O paulista Fred Elboni, 27 anos, é a típica personalidade do mundo atual. Formado em publicidade e propaganda, foi na internet que viu a projeção ao lançar o portal EOH (Entenda os homens), com mais de cinco milhões de acessos mensais, e um canal no YouTube, que leva o nome dele, com quase um milhão de inscritos. Em ambos, os assuntos sempre foram diversos, mas, em comum, um tema universal: os relacionamentos. O sucesso na web o levou ao programa da Globo, Amor & Sexo, onde foi roteirista por quase dois anos, e também ao mundo da literatura. Com cinco livros no currículo (Notas de liberdade, Só a gente sabe o que sente, Um sorriso ou dois, Meu universo particular e Muito amor por favor), em 2018, lançou o sexto, a obra Você e outros pensamentos que provocam arrepio.

Adriana Izel - Correio Braziliense

Veja no Blog da Sextante

Editora Sextante amplia o conteúdo de seus livros para o áudio
EDITORA SEXTANTE

Editora Sextante amplia o conteúdo de seus livros para o áudio

A editora carioca lança plataforma que visa aumentar o acesso dos brasileiros ao audiolivro

LER MAIS

Outros títulos de Frederico Elboni

Gosta da Editora Sextante?

Assine a nossa newsletter e receba as novidades.

Administração, negócios e economia
Autoajuda
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness
Biografias, crônicas e histórias reais
Lançamentos do mês
Mais vendidos
Audiolivros
Selecionar todas
Administração, negócios e economia Lançamentos do mês
Autoajuda Mais vendidos
Bem-estar, espiritualidade e mindfulness Audiolivros
Biografias, crônicas e histórias reais Selecionar todas